CRÍTICA – O Massacre da Serra Elétrica: O Retorno de Leatherface (2022, David Blue Garcia)

    O Massacre da Serra Elétrica: O Retorno de Leatherface é o mais novo filme da franquia e faz parte do catálogo original da Netflix. O longa é dirigido por David Blue Garcia (Tejano).

    SINOPSE DE O MASSACRE DA SERRA ELÉTRICA: O RETORNO DE LEATHERFACE

    48 anos depois de um serial killer matar um grupo de jovens na cidade de Harlow, Melody (Sarah Yarkin) e Dante (Jacob Latimore) querem revitalizar o lugar e enterrar o histórico dessa cidade amaldiçoada.

    Entretanto, os moradores do lugar não parecem muito dispostos à mudanças, principalmente o mais famoso deles: o Leatherface.

    ANÁLISE

    Os Filmes de Terror mais Aguardados de 2022

    O Massacre da Serra Elétrica de 1974 é um dos filmes slasher mais bem elaborados e extremamente perturbador. Sua estética suja e seu roteiro e direção que apresentam uma atmosfera macabra são os grandes trunfos que tem um antagonista assustador como a cereja do bolo.

    Quase 50 anos depois temos uma continuação/reboot que, infelizmente, se baseia apenas em dois pilares: nostalgia e violência gráfica.

    O novo longa O Massacre da Serra Elétrica: O Retorno de Leatherface tenta fazer o que foi realizado pela franquia Halloween em 2018, se reinventando e cortando na carne todas as sequências furadas que ramificaram a história.

    Artigo relacionado – Noites Sombrias #47 | Os filmes de terror mais aguardados de 2022

    Contudo, a obra falha miseravelmente com um texto mequetrefe, que possui apenas uma linha de roteiro e descamba para várias mortes com muito gore. O filme tem todos os clichês possíveis, com pessoas com comportamentos completamente irreais e efeitos práticos que ora são competente, ora são mega toscos.

    O único ponto positivo está na atuação de Sarah Yarkin, que consegue entregar bons momentos. Ela conseguiu fazer uma protagonista que pelo menos nos faz se importar com ela.

    Aliás, sobre personagens, a volta da final girl Sally, interpretada pela atriz Olwen Fouéré, é um desperdício completo. Diferentemente de Laurie Strode que contribui muito para a trama em Halloween, a sobrevivente do primeiro massacre não contribui em nada, inclusive ela entrega a pior cena de O Massacre da Serra Elétrica: O Retorno de Leatherface, uma vez que por uma decisão estapafúrdia do roteiro, a heroína não dá cabo de seu agressor, entregando a cena mais sem sentido dos últimos ano do gênero.

    VEREDITO

    Com uma direção desastrosa, um roteiro mais furado que queijo suíço e decisões bastante controversas, O Massacre da Serra Elétrica: O Retorno de Leatherface é um desastre completo.

    Se David Blue Garcia acreditava que apenas a nostalgia dos fãs e muito sangue jorrando da tela seriam suficientes para ter uma trama coesa e bons momentos, infelizmente ele errou feio em suas convicções. Com a possibilidade de novos filmes, tomara que o rumo seja outro e que pelo menos os próximos longas lembrem um pouco o que foi feito na década de 70.

    Nossa nota

    1,0/5,0

    Confira o trailer de O Massacre da Serra Elétrica: O Retorno de Leatherface:

    Inscreva-se no YouTube do Feededigno

    Assista às nossas análises de filmes, séries, games e livros em nosso canal no YouTubeClique aqui e inscreva-se para acompanhar todas as semanas nossos conteúdos também por lá!

    Artigos relacionados

    TBT #183 | Platoon (1986, Oliver Stone)

    Platoon, de Oliber Stone sem dúvida está na lista dos fãs de filmes de guerra. Veja nossa clássica indicação de TBT!

    CRÍTICA – Amor & Gelato (2022, Brandon Camp)

    Amor & Gelato é a nova aposta de filme de romance da Netflix. Baseado no livro homônimo de Jenna Evans, o longa é dirigido por Brandon Camp.

    Thor: Amor e Trovão | Conheça o elenco do filme

    Agora falta pouco para Thor: Amor e Trovão chegar aos cinemas! Confira neste artigo quem são os personagens e atores envolvidos na produção.

    CRÍTICA – O Apocalipse do Amor (2022, Hilal Saral)

    O Apocalipse do Amor é um filme turco dirigido pela diretora Hilal Saral. Veja o que achamos da produção de estreia da diretora turca.