Início FILMES Crítica CRÍTICA – Tudo Pela Arte (2020, Giuseppe Capotondi)

CRÍTICA – Tudo Pela Arte (2020, Giuseppe Capotondi)

97
0
Tudo Pela Arte

Tudo Pela Arte é um filme dirigido por Giuseppe Capotondi e estrelado pelo lendário cantor Mick Jaegger, Donald Sutherland, Claes Bang e Elisabeth Debicki.

SINOPSE

Tudo Pela Arte

James (Claes Bang) é um crítico de arte de personalidade forte. Ele e sua companheira Berenice (Elisabeth Debicki) estão em um tour pela Europa e acabam conhecendo Cassidy (Mick Jaegger), um excêntrico colecionador de arte. 

Cassidy pede para James roubar a obra-prima de Jerome Debney (Donald Sutherland), pois o artista tem temperamento difícil para vender suas obras. 

ANÁLISE

Tudo Pela Arte

Tudo Pela Arte é um filme que não é para todo tipo de público, uma vez que possui diálogos densos e um ritmo bastante cadenciado.

Seu primeiro ato beira o marasmo e o espectador que não está acostumado com este tipo de obra ficará cansado.

O longa demora bastante tempo para acontecer, pois tem como objetivo apresentar seus personagens e suas ambições com o tempo necessário.

Para que o Tudo Pela Arte funcione, seu elenco deve estar afiado, e isto é algo que não é difícil, pois os atores conseguem interpretar muito bem seus papéis.

Elisabeth Debicki é sensual e possui um carisma baseado em seu charme e sensualidade. Mick Jaegger tem um personagem que sabe o que quer e parece não ter muitos escrúpulos. Donald Sutherland mostra toda sua paixão e entusiasmo em um artista de temperamento difícil.

Todavia, o grande destaque vai para Claes Bang. O ator começa de forma canastrona, até um pouco estranha a construção de seu protagonista. Entretanto, ao passar do tempo James vai ganhando camadas, se tornando psicótico e complexo a ponto de fazer o que for preciso para se dar bem, sendo o personagem que termina a trama de forma mais completa que os demais.

A direção e roteiro são competentes, mesmo que o filme seja muito parecido com outras obras como O Pintassilgo, de John Crowley.

A arte, tema central do filme, é abordada de forma bastante técnica, além de possuir muitos simbolismos por meio de exemplos filosóficos como o uso de moscas para tratar de artistas medíocres, por exemplo.

O roteiro tem sua força, contudo, carece de identidade por conta de diversos clichês de outras obras thrillers de suspense.

VEREDITO

Tudo Pela Arte

Com texto apurado, mas com desenvolvimento bastante lento, Tudo Pela Arte é um filme de digestão não tão simples. Com um texto bastante técnico, o longa nos mostra o quão podre pode ser o mundo da arte, contudo, falta um pouco de carisma para a obra do italiano Giuseppe Capotondi que escorrega demais no seu ritmo.

Nossa nota

Veja o trailer de Tudo Pela Arte:

E você, já assistiu ao filme? Comente e deixe sua nota!

Nota do público
Obrigado pelo seu voto

Curte nosso trabalho? Que tal nos ajudar a mantê-lo?

Ser um site independente no Brasil não é fácil. Nossa equipe que trabalha – de forma colaborativa e com muito amor – para trazer conteúdos para você todos os dias, será imensamente grata pela sua colaboração. Conheça mais da nossa campanha no Apoia.se e nos ajude com sua contribuição.