Início FILMES Crítica TBT #132 | O Nevoeiro (2007, Frank Darabont)

TBT #132 | O Nevoeiro (2007, Frank Darabont)

TBT #132 | O Nevoeiro (2007, Frank Darabont)

Em homenagem aos invernos porto-alegrenses, trago aqui hoje o TBT do Feededigno com um dos filmes de terror e ficção que eu mais gosto (e olha que eu não gosto muito de terror): O Nevoeiro. “Ai, mas não é terror“: na ficha diz que é, então é.

Mas recém começamos o texto, então não vamos discutir, não é mesmo? Chega mais e confere um pouco o como este longa inspirado na obra do mestre Stephen King marcou minha memória afetiva.

SINOPSE

Depois que uma violenta tempestade devasta a cidade de Maine, David Drayton (Thomas Jane) – um artista local – e seu filho de 8 anos, Billy (Nathan Gamble) correm para o mercado, antes que os suprimentos se esgotem. Porém, um estranho nevoeiro toma conta da cidade, deixando David e um grupo de pessoas presas no mercado – entre elas um cético forasteiro e uma fanática religiosa.

ANÁLISE

Para mim, este já é um clássico, de tanto que assisti nos canais do Telecine. O Nevoeiro foi uma excelente adaptação da obra do grande mestre do terror literário. Não digo que seja detalhadamente igual ao livro, mas é bem adaptado para as telonas.

A forma como o filme explora o terror é genial. No início, entendemos que o perigo está no nevoeiro, justamente por não saber o que tem dentro dele. O mistério de não conseguir ver através da névoa, e apenas encontrar mortes, é angustiante.

No entanto, no decorrer do filme, vemos que a paranoia causada nos sobreviventes é tanta que o terror passa a emanar das pessoas. Céticos, religiosos radicais e pessoas neutras influenciadas pelo demais tornam a ideia de se lançar no meio do nevoeiro não parecer uma escolha ruim.

VEREDITO

Certamente, este é um prato cheio para quem gosta de um terror psicológico, e até para quem não é muito fã, o filme proporciona reflexões muito interessantes. Por ser um terror de ficção científica que entra muito na cabeça, tem algumas cenas que podem até ser traumáticas. E, amigos: que final foi aquele?

Enfim, não vou me prolongar. Se você ainda não assistiu, corre lá no Amazon Prime Video que ainda está no catálogo. Caso já tenha assistido, assista de novo, porque vale muito a pena.

Qualquer semelhança com o atual cenário mundial é mera coincidência e a comparação não é intencional, certo, pessoal?

Nossa nota

4,5 / 5,0

Assista ao trailer legendado:

Para conferir nossas indicações anteriores do TBT do Feededignoclique aqui.

Curte nosso trabalho? Que tal nos ajudar a mantê-lo?

Ser um site independente no Brasil não é fácil. Nossa equipe que trabalha – de forma colaborativa e com muito amor – para trazer conteúdos para você todos os dias, será imensamente grata pela sua colaboração. Conheça mais da nossa campanha no Apoia.se e nos ajude com sua contribuição.

Artigo anteriorCRÍTICA | Loki – S1E5: Jornada ao Mistério
Próximo artigoCRÍTICA – Laços (2020, Daniele Luchetti)
Vindo do interior do interior do RS, fã de Cornwell, Zelda e do Fernandão, (péssimo) piadista, dá pitaco sobre quase tudo. Amante da cerveja, gosta de estudar diferentes culturas, leciona FIFA nas horas vagas e tem um cachorro chamado Salomão.