Início FILMES Crítica TBT #155 | Star Trek: Além da Escuridão (2013, J.J. Abrams)

TBT #155 | Star Trek: Além da Escuridão (2013, J.J. Abrams)

Star Trek: Além da Escuridão

Star Trek é uma das franquias que mais tenho afeto na vida. Não só por sua origem, mas também por ter sido a franquia responsável por me introduzir no mundo da ficção-científica. Após acompanhar a série original ainda na infância, a trilogia de J.J. Abrams que teve início em 2009, é responsável por adaptar alguns dos arcos mais emotivos a meu ver. Em 2013, Star Trek: Além da Escuridão foi lançado.

Aprofundando o arco de um dos maiores vilões e uma das maiores ameaças que a tripulação da Enterprise já enfrentou, Khan (Benedict Cumberbatch).

SINOPSE

Os tripulantes da Enterprise descobrem uma força terrorista dentro da sua própria organização. O capitão Kirk desafia as regras da Frota Estelar e lidera uma missão para capturar uma arma de destruição em massa.

ANÁLISE

Star Trek: Além da Escuridão

Um dos mais brilhantes e mais marcantes elementos presentes na franquia Star Trek, são ameaças dormentes dentro da própria Frota Estelar. Assim como isso foi visto em Além da Escuridão, a primeira temporada de Picard foi responsável por colocar um dos maiores Almirantes enfrentando ameças dormentes dentro da Força responsável por proteger e democratizar a galáxia.

O desenvolvimento de Star Trek: Além da Escuridão se dá assim como no primeiro filme, colocando como ponto de partida um atrito entre Kirk (Chris Pine) e Spock (Zachary Quinto), que darão aos dois personagens um maior aprofundamento durante o longa.

Com um desenvolvimento emotivo, Além da Escuridão nos apresenta os elementos mais humanos que apenas a franquia é capaz de trazer mesmo abordando história de planetas e personagens alienígenas alienígenas.

Star Trek: Além da Escuridão

Com um background futurista, o filme e nos lança em meio a uma história, com referências à filmes anteriores, e diferentes interações, tudo isso enquanto se aprofunda na história da Linha Kelvin – Caso você tenha perdido a explicação dessa linha temporal, leia nosso outro primeira crítica de Star Trek (2009).

O cuidado e o respeito de J.J. Abrams em apresentar diversos aspectos relacionados à franquia Star Trek, foi o que deu ao diretor a coragem e a ideia à Disney de continuar a franquia Star Wars.

VEREDITO

Enquanto nos aprofundamos na história da Enterprise, a nave enfrenta uma das maiores ameaças que essa versão da tripulação já enfrentou. O Khan de Cumberbatch realmente se prova como uma força imponente que pode se mostrar um verdadeiro e tangível risco se não levado a sério.

Um dos pontos mais altos desse longa é a atuação de Pine e Quinto, respectivamente Kirk e Spock, cuja relação se desenvolve imensamente e mostra um sinal do que a relação dos dois personagens foi na série original.

Nossa nota

4,0 / 5,0

Confira o trailer do filme:

A trilogia Star Trek de J.J. Abrams está disponível na Netflix.

Inscreva-se no YouTube do Feededigno

Assista às nossas análises de filmes, séries, games e livros em nosso canal no YouTubeClique aqui e inscreva-se para acompanhar todas as semanas nossos conteúdos também por lá!

Artigo anteriorCRÍTICA – Homem-Aranha: Sem Volta Para Casa (2021, Jon Watts)
Próximo artigoCRÍTICA – Harlem (1ª temporada, 2021, Amazon Prime Video)
27 anos, apaixonado por cinema, quadrinhos e games!