Início FILMES Crítica TBT #65 | Um Corpo que Cai (1958, Alfred Hitchcock)

TBT #65 | Um Corpo que Cai (1958, Alfred Hitchcock)

96
0
TBT #65 | Um Corpo que Cai (1958, Alfred Hitchcock)

A única forma de me livrar de meus medos é fazer filmes sobre eles.“, foi com esse pensamento que Alfred Hitchcock criou o filme Um Corpo que Cai (Vertigo, 1958) durante sua famosa entrevista-ensaio com o cineasta e crítico de cinema François Truffaut. Pode parecer uma ideia radical, mesmo saindo da mente fértil do maior aficionado pelo suspense do cinema, mas a verdade é que se trata de um dos filmes mais corajosos de Hitchcock, por uma série de razões.

No entanto, o sobrenatural nunca teve vez no cinema do diretor, por mais que ele tenha flertado diversas vezes com essa possibilidade. A razão principal está no fato de que seus filmes não costumam tratar do ocultismo.

Adepto à narrativa clássica, ao cinema de gênero e ao ritmo ágil, Alfred Hitchcock só coloca em cena aquilo que deseja que seja assimilado pelo espectador na superfície. Suas imagens falam por si só e não escondem nada além daquilo do que realmente compõem para o entendimento claro e imediato. Claro que isso nunca o impediu de trabalhar com tramas mirabolantes, mas no sentido estritamente imagético seus filmes são o mais direto possível.

Na trama, Scott (James Stewart) é um ex-detetive de polícia de São Francisco que se aposenta após um acidente derivado de sua vertigem, durante uma perseguição. Depois de anos afastado, Scott é contratado por Gavin Elster (Tom Helmore) para vigiar sua mulher Madeleine (Kim Novak), que possui tendências suicidas e estranhos episódios de esquecimento. Só que tudo se complica quando a situação se mostra infinitamente mais complexa do que parecia ser à primeira vista.

Aqui a câmera age se fazendo invisível, deixando que a narrativa corra fluentemente sem tornar-se perceptível ao olhar do espectador, trazendo a comum imersão total deste para dentro do universo ali narrado e eliminando qualquer barreira física na relação que nasce a partir do início do filme.

Um Corpo que Cai é cuidadosamente construído nesse esquema narrativo clássico, e de tão sutil a câmera se mantém o tempo todo imperceptível, mesmo nos momentos em que Hitchcock manipula claramente as imagens, como no uso do filtro de névoa na sequência em que Scott segue uma Madeleine aparentemente possuída pelas ruas de São Francisco. A atmosfera criada ali é funesta e onírica, reafirmando as suspeitas sob o possível caráter sobrenatural da história, sem que o espectador se dê conta de imediato do efeito que esse truque tem sobre sua percepção da trama.

Ainda em sua entrevista com Truffaut, Alfred Hitchcock reafirma esse uso de efeitos característicos para transformar as aparições de Madeleine/Judy em um momento fantástico. Se a princípio, no primeiro ato, Scott se apaixona por Madeleine, uma loura aparentemente possuída por um ancestral, no segundo ato Judy surge através de uma iluminação esverdeada, como que retornando do mundo dos mortos – e por mais que a cor do cabelo, a maquiagem, o figurino e o penteado sejam diferentes dos de Madeleine, a sensação mórbida e inexplicavelmente atraente de déjà vu é inevitável. Embora ainda sedutora, ela não é exatamente Madeleine, e por isso o protagonista fará de tudo para recriar uma mulher morta, como se somente assim pudesse voltar a deseja-la sexualmente. Ou pura necrofilia, como descreve o mestre.

Mas a grande sacada em toda essa estrutura narrativa montada até a metade do segundo ato, e o que faz de Um Corpo que Cai um filme tão corajoso na carreira de Hitchcock, se dá quando Scott e a câmera são separados pela primeira vez no filme e ficamos pra trás junto com ela, a sós com Judy. É a primeira vez que ficamos sem ele e isso já causa um leve desconforto, mas não a ponto de quebrar o encanto da ilusão fílmica.

Scott marca um encontro para mais tarde, sai do apartamento e sobra somente Judy, que até então era um objeto de mistério filtrado sempre pelo olhar de Scott/câmera/espectador. Depois de um breve silêncio, ela se vira lentamente e olha direto para a lente, denunciando subitamente a nossa consciência como espectador e a presença da câmera, e assim desmoronando com a até então distância e segurança nossa de meros observadores.

Com um simples olhar, Judy quebra a quarta parede, desnuda as estruturas cênicas, rompe o encanto da narrativa até então linear e segura, e reverte todas as perspectivas de Um Corpo que Cai, revelando através de um flashback todo o segredo da trama apenas para nós.

Agora já não somos mais cúmplices de Scott, nem estamos mais absortos dentro daquela ilusão fílmica. Agora somos confidentes de Judy, uma personagem que tem a ciência de sua condição fictícia e irreal dentro daquele universo cinematográfico farsesco, e que por isso pede pela nossa compreensão, clemência e cumplicidade.

Agora sabemos seu segredo, conhecemos a engrenagem por trás da superfície imagética, e de repente é nosso antigo parceiro Scott que se torna o foco de observação e incerteza, já que não temos como prever sua reação diante da revelação da verdade.

Ele só voltaria a ousar dessa forma, na quebra da quarta parede, em seu derradeiro trabalho, Trama Macabra (Family Plot, 1976), também denunciando o caráter farsesco do filme e reorganizando toda sua perspectiva através de um simples gesto.

No caso de Um Corpo que Cai, tudo é ainda mais poderoso, por se render totalmente, a partir desse ponto, à questão fetichista em volta da dubiedade do desamparo e da sedução da figura feminina (a femme fatale do filme noir, em especial).

A repetição da mesma atriz para dois papéis, uma possível herança do grande F.W. Murnau em Fantasma (Phantom, 1922), realça a dicotomia que se estabelece entre morte e sexo, entre o lado bom e o ruim do ser humano, entre mortos e vivos (e foi de grande influência para cineastas como David Lynch), e ainda coloca em evidência o maior e mais sutil caso de amor necrófilo do cinema, hoje reconhecido por muitos como o maior filme de todos os tempos.

A obra possui uma ótima reviravolta, que proporciona uma evolução dos temas de obsessão e paranoia já abordados no filme. O romance foi se estabelecendo de maneira muito apressada, contudo no último terço do filme esse problema acaba sendo um pouco amenizado pela escolha que o diretor quis conduzir o enredo.

Alfred Hitchcock reproduz em geral aqui a mística do sonho. Um Corpo que Cai tem o efeito idêntico ao de um sonho, nos sugando para seu universo da maneira mais natural possível, nos fazendo crer em tudo ali sem a percepção entre o real e o imaginário, nos induzindo a transitar invisíveis no papel de observadores da ação corrente, para depois jogar um balde de água fria e reproduzir a sensação estranha do acordar durante um pesadelo – aquele momento estranho do sonho em que de repente nos reconhecemos ali e nos damos conta de que estamos sonhando, percebendo enfim os mecanismos da mente e as estranhezas da atmosfera, que até então tinham passado despercebidas (Brian De Palma faria algo parecido com Femme Fatale em 2002).

Não à toa, nos créditos iniciais, a câmera invade os redemoinhos nos olhos de Scott e vai se aprofundando em sua cabeça, como que nos colocando ali no meio do sonho e nos abandonando ali – naquele universo comandado pelo mistério, pelo desconhecido, pelo desejo sexual, pela aproximação misteriosa da morte, por rostos repetidos, situações cíclicas, efeitos visuais de distorção e vertigem. E com isso ele evoca ícones imprescindíveis e elementares no cinema, como a mulher fatal, o protagonista de fácil empatia, o crime, o disfarce, a investigação, a reviravolta mirabolante e o desfecho cataclísmico.

Um Corpo que Cai é isso, o cinema como extensão do sonho.

Nossa nota

Veja o trailer legendado:

E você, já assistiu a este clássico do mestre Alfred Hitchcock? Deixe seus comentários, sua avaliaçao e lembre-se de conferir nossas indicações anteriores do TBT do Feededigno.

Nota do público
Obrigado pelo seu voto



Curte nosso trabalho? Que tal nos ajudar a mantê-lo?

Ser um site independente no Brasil não é fácil. Nossa equipe que trabalha – de forma colaborativa e com muito amor – para trazer conteúdos para você todos os dias, será imensamente grata pela sua colaboração. Conheça mais da nossa campanha no Apoia.se e nos ajude com sua contribuição.