CRÍTICA – Elden Ring (2022, FromSoftware)

    Elden Ring é um RPG de ação desenvolvido pela FromSoftware Inc. e publicado pela BANDAI NAMCO Entertainment. O jogo foi feito em colaboração com o autor de fantasia George R. R. Martin, que forneceu material para o cenário do jogo.

    O mais novo título no estilo soulslike lançado no dia 25 de fevereiro deste ano, está disponível para PlayStation 4PlayStation 5Xbox OneXbox Series X | S e PC.

    SINOPSE

    Nas Terras Intermédias, governadas pela deusa Marika, a Eterna, o Anel Prístino, a fonte do poder, foi destruído.

    Os semideuses filhos de Marika reivindicaram os fragmentos do Anel Prístino conhecidos como Grandes Runas, e essa incrível força recém-descoberta desencadeou uma guerra: A Fragmentação. Uma guerra que significou o final do Grande Graça. E agora o poder será dado aos Maculados, que foram rejeitados e exilados das Terras Intermédias.

    Com mortos que ainda vivem e uma graça há muito perdida, siga o caminho para as Terras Intermédias, atravessando o Mar Nebuloso, para chegar até o Anel Prístino. E torne-se o Lorde Prístimo.

    ANÁLISE DE ELDEN RING

    Já faz 13 anos desde do lançamento de Demon’s Souls (2009) para PlayStation 3, título que mudou a vida do game designer Hideta Miyazaki e da indústria dos jogos com seu estilo soulslike. Ao longo dos anos outros jogos foram fortemente inspirados por esse estilo, mas apesar da fórmula ter ganho uma legião de fãs, muitos games acabam não agradando muitos jogadores que não suportam o nível elevado de dificuldade imposto pelas franquias da FromSoftware.

    Com isso em mente, após seis longos anos de produção e ser o jogo mais aguardado da geração, Elden Ring finalmente ganhou a luz do dia em 2022, implementando o mundo aberto e deixando a experiência completamente mais desafiadora, imersiva e intensa. O mapa do mundo é monstruoso e vai proporcionar horas e mais horas de exploração e desafios, assim como foi feito com o brilhante The Legend of Zelda: Breath of The Wild.

    PUBLICAÇÃO RELACIONADA | Elden Ring: 5 dicas valiosas para iniciantes

    Em Elden Ring, temos um mundo aberto claramente inspirado em Zelda BOTW. No entanto, os cenários seguem o estilo Dark Fantasy. Desse modo, o jogo começa de forma linear, bem como sua influência, mas que depois de poucas horas de jogo o você ficará totalmente livre para seguir o caminho por qual desejar.

    Apesar dessa liberdade, o jogo deixa bem claro a rota linear que você deve seguir para progredir na história. Ainda que seja dada essa rota, recomendo que não enfrentem os chefes principais logo de cara, pois a morte será certa. Por isso, se prepare para evoluir o seu personagem por muitas horas e, só assim, entrar em conflito com os deuses.

    Garanto que a evolução do personagem vai deixar o jogo, de certa forma, mais “fácil” para que assim avance sem quebrar o controle do seu videogame. Elden Ring se mostra um jogo extremamente desafiador e vai ser um deleite para os amantes da franquia Souls e uma porta de entrada para quem ainda não apreciou a obra épica de Hideta Miyazaki.

    Um novo começo para a franquia Souls

    Quem acompanha a franquia Souls sabe que a cada novo jogo é implementada uma novidade na gameplay que faz toda diferença. Em Elden Ring, a jogabilidade é uma junção dos Dark Souls com a velocidade de Sekiro (2019). Soma-se a isso a implementação de montaria, que faz toda diferença e vai te ajudar muito em batalhas e a explorar áreas inacessíveis.

    Além disso, temos dez classes disponíveis: Astrólogo, Bandido, Confessor, Guerreiro, Herói, Miserável, Prisioneiro, Profeta, Samurai e Vagabundo. Mas que independente de sua escolha ao longo do progresso do game é possível mudar de classe de acordo com seu estilo de jogo.

    Gráficos e desempenho

    Embora o mundo de Elden Ring seja muito lindo, acredito que a utilização de um outro motor gráfico faria uma diferença gritante.

    Aqui infelizmente a FromSoftware pecou, visto que o jogo utiliza exatamente a mesma engine de Dark Souls 3 (2016), que é linda, mas que apresenta ser ultrapassada em comparação com o remake de Demon’s Souls (2020) da Bluepoint Games, que é incrivelmente linda.

    Elden Ring é o novo jogo de RPG fantástico em mundo aberto desenvolvido pela FromSoftware e lançado em 2022 pela BANDAI NAMCO

    Outro ponto que causou incômodo foi o desempenho ao renderizar alguns pontos dos cenários. Mesmo jogando no PlayStation 5 o jogo apresentou uma engasgada que causa um estranhamento, mas foram poucos os momentos que tive essa instabilidade. Contudo, esse desempenho não é nada alarmante em comparação aos problemas do Cyberpunk 2077.

    Outro destaque negativo é a câmera, que continua não ajudando em momentos de batalha épicas, pois em alguns momentos a câmera do jogo irá travar em algum ponto e não irá te ajudar. Isso ocorre principalmente contra chefes colossais. Foram muitos os momentos que não derrotei algum chefe por conta dessa câmera instável – ou talvez pelo meu nível de noob.

    VEREDITO

    Em minhas quase 70 horas de jogo até aqui, acredito que meu nível de exploração esteja apenas na ponta do iceberg desse mundo com proporções gigantescas. Elden Ring realmente não é um jogo fácil, pois apresenta um sistema de punição avassalador.

    Contudo, o jogo tem diversas armas, itens e magias que quebram completamente essa dificuldade, deixando o jogo mais acessível para quem nunca foi fã do estilo soulslike. Assim como em todos os jogos da franquia, Elden Ring te traz uma enorme satisfação de superação ao derrotar qualquer chefe.

    Foram muitos os momentos que fiquei com as mãos suadas e o coração disparado a ponto de ter um infarto por medo de ser morto por um chefe muito difícil, mas sendo extremamente gratificante a sensação de derrotar um inimigo que parecia ser impossível. Em especial com o general Radahn, essa batalha foi incrivelmente desafiadora e empolgante. Apesar de ainda não ter zerado, Elden Ring está me proporcionando a mesma imersão e diversão que The Witcher 3: Wild Hunt (2015).

    O jogo tem uma áurea de mistério e aventura de proporções fantásticas. Caso você não seja fã do gênero, peço que dê uma oportunidade e tenha uma grande dose de paciência e dedicação, pois com certeza o jogo se tornará um RPG extraordinário em sua vida.

    Enfim, Elden Ring é um jogo fantástico que vale cada minuto de exploração e superação dos desafios. Mesmo diante dos problemas citados, o game é um forte concorrente ao GOTY 2022.

    Nossa nota

    5,0 / 5,0

    Assista ao trailer de Elden Ring:

    Acompanhe as lives do Feededigno na Twitch

    Estamos na Twitch transmitindo gameplays semanais de jogos para os principais consoles e PC. Por lá, você confere conteúdos sobre lançamentos, jogos populares e games clássicos todas as semanas.

    Curte os conteúdos e lives do Feededigno? Então considere ser um sub na nossa Twitch sem pagar nada por isso. Clique aqui e saiba como.

    Artigos relacionados

    CRÍTICA – Sonic Origins (2022, Sega)

    Sonic Origins é a mais nova coletânea da Sega. A coletânea conta com os jogos clássicos da franquia com novos modos de jogo.

    Sonic Origins: Conheça os Cheats do game

    Sonic Origins foi lançado, além de games conhecidos dos fãs, trazemos cheats para que você os jogue da forma que quiser.

    Noites Sombrias #72 | 10 games mobile assustadores

    A todo momento games mobile são lançados; e entre as muitas opções separamos uma lista com 10 títulos para fazer gelar seu sangue!

    CRÍTICA – Teenage Mutant Ninja Turtles: Shredder’s Revenge (2022, DotEmu, Gamera Games)

    Após anos longe dos games, as Tartarugas Ninjas estão de volta em Teenage Mutant Ninja Turtles: Shredder’s Revenge!