Início GAMES Crítica CRÍTICA – Mortal Shell (2020, Cold Simmetry)

CRÍTICA – Mortal Shell (2020, Cold Simmetry)

101
0
mortal-shell-capa-22.08.20

Além do alcance dos familiarizados
Um limiar exige ser cruzado
As Carcaças anseiam por sentido
Aguardando um vislumbre de seu real propósito…

Assim, Mortal Shell te recebe, sem maiores explicações, em um mundo estranho, sombrio, repleto de ruinas e habitado por um pessoal raramente amigável. A similaridade com Dark Souls impressiona, mas talvez o mais impressionante mesmo não seja tão conhecido pela maioria das pessoas. Este jogo indie, desenvolvido pela Cold Simmetry, mesmo tendo uma equipe pequena, entrega resultados de gente grande.

Os jogadores já acostumados com o gênero soulslike certamente identificarão várias similaridades: esquiva, oponentes com movimentos específicos e pontos fracos diferentes, jogo altamente punitivo, sombrio.

Tudo bem. Ele lembra muito seus predecessores e fica clara a inspiração. Mais do que isso: ele não faz questão alguma de esconder, e é isso que nos faz buscar o “algo a mais”.

UM RPG INCOMUM? OU NEM MESMO UM RPG?

mortal-shell-carcaçaO que caracteriza um verdadeiro videogame de RPG? Normalmente, a possibilidade de construir seu personagem e ir moldando ele conforme você melhor quiser jogar ou interpretar. Iniciar um personagem, definir aparência, status básicos, classe e a partir daí evoluir na direção que sua expectativa assim mandar.

Dark Souls ou Bloodborne são assim, correto? Ganhe experiência, melhore seus atributos, libere novas habilidades, encontre armas que melhor se adaptam ao seu estilo/personagem. Bem… não é esta a receita de Mortal Shell.

Este aqui é um RPG com uma pegada diferente. Ao invés de escolhermos quem queremos ser, começamos o jogo sem ter pista alguma de quem somos (não há opção de escolher nome ou sequer a aparência do protagonista – o qual supomos que seja um homem), e sem maiores informações nos mantemos durante boa parte do jogo.

No entanto, a medida que avançamos, encontramos Carcaças (as Shells que dão nome ao jogo) de guerreiros, e delas tomamos controle. É como se nosso personagem incorporasse a armadura e a história daquele que ali jaz. A ideia do game então não é criar o seu personagem, mas ir a fundo no significado do termo Role-Playing Game e realmente interpretar seu papel a partir de cada um dos prismas que te são oferecidos.

As carcaças

shellsCada uma das carcaças pertenceram a um guerreiro específico, cada qual com suas habilidades. Ao longo do jogo, podemos assumir o controle de 4 destas shells:

  • Harros, o Vassalo: a classe mais balanceada;
  • Solomon, o Erudito: a classe que mais explora o potencial das armas;
  • Eredrim, o Venerável: a alternativa tanque; lento mas resistente e;
  • Tiel, o Acólito: o clássico ladino, com pouca durabilidade (vida) mas agilidade compensadora.

Contudo, a premissa do jogo é te fazer explorar e aprender conforme seu avanço. Desta forma, quando assumimos uma carcaça pela primeira vez, não sabemos nada sobre ela. No menu, não conseguimos nem ao menos ver o nome de quem “habitamos”.

A medida que progredimos e coletamos Tar e Vislumbres, podemos oferecê-los à Irmã Genessa (NPC que nos acompanha por várias áreas do jogo) em troca de maior conhecimento a respeito de carcaça. Quanto mais vamos nos familiarizando (e isto é uma característica chave do jogo) com cada uma das classes, descobrimos mais sobre cada um dos guerreiros, como o nome e as habilidades específicas de cada um.

Familiaridade

Este é um dos principais pontos do jogo e um dos diferenciais em relação aos outros do gênero. Como o protagonista é um ser que aparentemente foi privado de suas memórias, ele acaba não tendo conhecimento algum sobre o mundo onde está ou as coisas que nele são encontradas. Quase todo e qualquer item coletado, à princípio, não tem um efeito conhecido.

É necessário utilizá-lo para aprender. Talvez o item auxilie na recuperação de vida, ou seja um veneno retardante. Vale a pena arriscar? Sempre que um item é utilizado, aumenta-se a familiaridade com o mesmo. Quanto maior a familiaridade, melhores serão os efeitos.

O MELHOR ATAQUE É A DEFESA

mortal-shell-combateO jogo não difere muito do que é praxe nos jogos em que ele se baseia. Mortal Shell tem como foco em seu combate a esquiva, o estudo do ataque do inimigo, estudo de janelas de oportunidade para ataques e a manutenção do seu vigor (ou stamina).

Ao contrário do seu hack and slash preferido, onde quase sempre basta uma sequência aleatória de ataques para fulminar seus adversários, neste jogo um ataque na hora errada pode ser muito mais punitivo do que pode imaginar. Mesmo que algumas carcaças tenham mais durabilidade (vida) do que outras, o jogo não vai premiar seus esforços de tentar absorver todos os golpes em detrimento de um ataque mais forte.

Aqui, seu melhor ataque pode estar escondido em meio às suas defesas. As esquivas são fundamentais, e devem ser usadas com cautela. Cada esquiva precisa de um pouco de vigor para ser utilizada, portanto, não gaste todo ele em seus ataques, ou poderá ficar exposto na hora que o inimigo revidar. Caso esta barra já esteja extinta, você ainda tem uma alternativa (e um dos maiores diferenciais do jogo): o endurecimento.

Endurecer

O endurecimento, apesar de ser uma das habilidades mais úteis de Mortal Shell, é a primeira (mesmo) que aprendemos em todo o jogo. Neste sentido, como aqui não temos acesso à nenhum tipo de escudo ou forma de bloquear com a arma, esta habilidade serve para suprir esta falta. Assim que acionada, seu personagem se transformará em pedra e isto fará com que o próximo ataque recebido seja dissipado.

Mas tome cuidado. Ao contrário dos jogos em que o bloqueio é só mais uma funcionalidade, neste caso endurecer é uma habilidade, e por isto, tem um tempo de resfriamento. Desta forma, é necessário ficar atento ao selo à esquerda das barras, o qual indica o tempo necessário até que seja possível utilizá-la outra vez. Apesar destas limitações, a habilidade pode te ajudar não só à defender, mas a preparar o seu próximo combo fulminante.

Ao contrário do que se possa imaginar, endurecer não é apenas uma habilidade de bloqueio. É possível utilizá-la em qualquer momento e em meio a qualquer movimento. Isto possibilita muitas formas de explorar esta característica. Uma das formas que pode te trazer mais benefícios é transformar-se em pedra enquanto o seu personagem estiver começando uma animação de ataque. Deste modo, ao que receber o impacto e possivelmente desestabilizar o inimigo, a animação de ataque será retomada, abrindo espaço para o início de uma forte combinação de ataques.

AONDE ESTOU?

fallgrimUma das características mais louváveis do jogo, certamente é a ambientação. A combinação dos excelentes gráficos e os efeitos sonoros te permitem uma experiência bastante imersiva, e os vários caminhos possíveis aliados à inexistência de um mapa fazem com que o jogador muitas vezes fique perdido e não saiba para onde ir, principalmente em Fallgrim, o maior mapa do jogo.

Entendo que este fator pode ter sido intencional. Com uma equipe pequena, para que o level design rendesse, a Cold Simmetry buscou através dele valorizar a premissa de que o personagem desconhece o mundo onde está e suas únicas pistas são vislumbres do caminho através de memórias que ele encontra pelo caminho. No entanto, mesmo que a ideia seja inteligente e muito coerente com a proposta do jogo, a falta de um objetivo claro e a volta constante ao mesmo ponto, repetidas vezes, torna a experiência um pouco cansativa.

VEREDITO

mortal-shell-vereditoApós algumas horas de jogo, muitas esquivas e algumas paradas para tocar o alaúde, Mortal Shell conseguiu me deixar com aquela vontade de voltar logo para Fallgrim e seguir minha campanha para descobrir mais sobre as carcaças, conhecer quem é o “Velho Prisioneiro” e os segredos que aquele mundo sombrio ainda esconde.

O trabalho da Cold Simmetry, reeditando o gênero e trazendo novidades justamente no combate, uma das suas peças chave, é impressionante. Apesar de algumas pequenas limitações técnicas, quase imperceptíveis dada a magnitude de toda a obra, Mortal Shell possui mecânicas novas que dão novo fôlego aos jogos do gênero e consegue prender a atenção até de quem não é tão fã dos outros soulslike.

A experiência em Mortal Shell extrapola a jogabilidade. Se quiser nos acompanhar por estes desafios ou conhecer mais do jogo, estamos fazendo uma série na nossa Twitch. E como iniciamos esta saga, aguardando um vislumbre do nosso real propósito, seguimos, imersos em sua incrível ambientação, instigados por seus desafios bem balanceados (na maior parte do tempo) e buscando sempre descobrir algo mais, na expectativa de entender se as carcaças nos ajudam a evoluir, ou se elas nos aprisionam ainda mais neste mundo de ruínas e seres condenados. 

Nossa nota

Mortal Shell está disponível para PlayStation 4, Xbox One e PC.

Assista ao trailer:

Nota do público
Obrigado pelo seu voto



Curte nosso trabalho? Que tal nos ajudar a mantê-lo?

Ser um site independente no Brasil não é fácil. Nossa equipe que trabalha – de forma colaborativa e com muito amor – para trazer conteúdos para você todos os dias, será imensamente grata pela sua colaboração. Conheça mais da nossa campanha no Apoia.se e nos ajude com sua contribuição.