CRÍTICA – Ship of Fools (2022, Team17)

    Uma das empresas de games que mais me surpreendeu neste ano foi a Team17, que em 22 de novembro lançou Ship of Fools. Responsável por títulos que tiveram significativa relevância neste ano como Hokko Life, Batora: Lost Haven, Bravery & Greed, Thymesia e Sunday Gold, a Team17, em parceria com o estúdio indie Fika Productions lançou este que talvez seja o último título deste ano tão produtivo.

    Projetado como um roguelite cooperativo, Ship of Fools certamente é um jogo incomum por sua combinação de elementos de navegação, roguelike e combate naval. Um jogo possivelmente inspirado em It Takes Two (GOTY 2021) por seu forte apelo ao modo cooperativo, ainda que permita uma jogatina solo.

    Ship of Fools está disponível hoje mesmo para Steam, Nintendo Switch, Xbox Series X | S e PlayStation 5.

    SINOPSE

    Ship of Fools é um roguelite cooperativo de navegação em que você joga com os Tolos, as únicas criaturas tolas o suficiente para desbravar o mar. O Grande Farol que outrora protegia o Arquipélago quebrou, e uma tempestade de maldade e corrupção se aproxima.

    Juntos, você e sua tripulação embarcarão no Stormstrider e viajarão pelos mares. Prepare os canhões, ice as velas e proteja o seu navio de monstros marinhos por diversas partidas. É seu dever proteger o seu lar do poderoso Águapocalipse.

    ANÁLISE DE SHIP OF FOOLS

    Como comentei anteriormente, este certamente não é um jogo comum. Ainda que envolto por mecânicas simples e poucas horas de gameplay, Ship of Fools ousa com seu enfoque quase que obrigatório no modo cooperativo (local ou online). O modo solo não é “injogável”, mas é bem pouco convidativo, haja vista que o número de desafios é igual ao do modo cooperativo e a sua companhia é uma torreta automática que mais atrapalha do que ajuda.

    O jogo ainda traz alguns elementos que permitem comprar aprimoramentos da Stormstrider e de seu personagem. Falando sobre o personagem, apesar da história ser plausível e existir uma linha engraçada entre os diálogos, as personalidades são bem rasas e não chegam a cativar a ponto de você preferir um dos 8 personagens jogáveis ou sequer criar empatia por algum NPC.

    Arte

    Ship of Fools traz gráficos cartunescos e bastante engraçadinhos. Com uma boa escolha de cores e desenhos de personagem bastante agradáveis, o jogo ganha leveza graças a estas características. As animações são bem executadas mantendo um equilíbrio entre um adequado destaque de ações na tela sem prejudicar a atenção a outros pontos. 

    A trilha sonora mantém o tom caricato, trazendo músicas que dão ritmo à épicos combates, cor à momentos mais engraçados e leveza para momentos de descanso entre uma aventura e outra. A trilha ajuda a marcar a cadência do jogo, merecendo destaque também por isto.

    Mecânicas

    Por muitas vezes na primeira hora de gameplay me senti confuso com alguns comandos do jogo, ainda que os mesmos sejam bem simples. Basicamente, nossas opções enquanto marujo são atirar com torretas e abastecê-las, definir seu posicionamento entre os quatro pontos disponíveis no barco (dois a bombordo e dois a estibordo) e repelir algum inimigo que suba a bordo para danificar a embarcação.

    Aparentemente simples. Mas o dinamismo do jogo mostra que não é bem assim. A melhor opção que temos é estudar os movimentos de nossos inimigos e entender como contra-atacá-los. Mas o nosso maior inimigo não é visível: é a aleatoriedade.

    O jogo traz como premissa a geração procedural dos mapas pelos quais nos aventuramos em cada um dos cenários. Cada ponto de avanço nos lança em uma nova opção. Pode ser um mar agitado com vários inimigos, uma ilha tranquila com algum vendedor ou alguém nos convidando a tentar a sorte ou um desafio frenético com a chance de conquistar tesouros. Apesar da necessidade de habilidade com os controles, acho que o maior critério para ganharmos ou não é a sorte de conseguir boas e proveitosas rotas em cada cenário.

    VEREDITO

    Por sua proposta inovadora e ousada, Ship of Fools merece muitas palmas. Ele consegue ser um jogo divertido e muito bem aproveitado quando jogado no modo cooperativo (online ou local). A sinergia que ele fomenta e os comandos relativamente simples permitem que ele seja até mesmo um bom jogo para a família.

    No entanto, o modo solo acaba sendo bastante cansativo. Não por falta de dinamismo, mas por termos os desafios do ambiente somados à uma torreta de apoio que não apoia verdadeiramente, fazendo com que o jogador invista um considerável tempo em empreitadas curtas e sem sucesso. Após muitas idas e vindas do alto mar, talvez se obtenha a quantidade suficiente para que a Stormstrider esteja minimamente equipada para oferecer alguma resistência aos desafios marítimos.

    Mesmo que tenha este desafio à mais, o jogo não se torna ruim. Mas perde um pouco de seu brilho por cansar, realmente. Ainda assim, não podemos tornar este ponto negativo como um dos principais, já que é clara a ênfase da Fika Productions em que ele seja jogado em dupla.

    Se você busca um jogo para comprar junto com um amigo e ter grandes aventuras online, ou até mesmo um game pra curtir no fim de semana em família, esta é uma boa opção. Ship of Fools diverte, desafia e entrega o suficiente para isto. Jogar sozinho é um desafio maior e você deve estar ciente disto, caso queira se aventurar nestas águas perigosas para evitar o Águapocalipse.

    Nossa nota

    3,5 / 5,0

    Confira o trailer de Ship of Fools:

    LEIA TAMBÉM:

    CRÍTICA – Splatoon 3 (2022, Nintendo)

    Acompanhe as lives do Feededigno na Twitch

    Estamos na Twitch transmitindo gameplays semanais de jogos para os principais consoles e PC. Por lá, você confere conteúdos sobre lançamentos, jogos populares e games clássicos todas as semanas.

    Curte os conteúdos e lives do Feededigno? Então considere ser um sub na nossa Twitch sem pagar nada por isso. Clique aqui e saiba como.

    Artigos relacionados

    EU CURTO JOGO VÉIO #2 | ‘Metal Gear Solid 3: Snake Eater’ é o topo da lista das cobras!

    Metal Gear Solid 3: Snake Eater foi lançado em novembro de 2004 para PS2, Nintendo 3DS e posteriormente para PS3 e para Xbox 360.

    CRÍTICA: ‘Final Fantasy 7 Rebirth’ leva a franquia a um novo nível

    Final Fantasy 7 Rebirth foi lançado. O game nos apresenta a continuação da aventura de Cloud na continuação do remake.

    Tekken 8: Confira as principais novidades do novo lançamento da franquia

    Tekken 8. A franquia de luta da Bandai Namco está completando 30 anos e sua nova entrada apenas mostra que não poderia estar em melhor forma.

    CRÍTICA: ‘Mario vs. Donkey Kong’ é um remake que diverte mas desafia

    Mario vs. Donkey Kong é o remake baseado no game homônimo de Game Boy Advance. Nele, controlamos Mario, que tenta recuperar seus Mini-Marios.