Início LIVROS Artigo Diga sim a literatura brasileira. Entenda a situação do mercado literário no...

Diga sim a literatura brasileira. Entenda a situação do mercado literário no Brasil

272
0
diga-sim-a-literatura-brasileira-entenda-a-atual-situacao-do-mercado-literario-no-brasil

É uma verdade universalmente conhecida que existe um preconceito com tudo o quem vem do Brasil, da arte ou até mesmo a política. Essa pré concepção que os brasileiro têm dos bens culturais do seu próprio país faz com que a cultura morra lentamente. E o segmento que mais vem sendo prejudicado atualmente é o da literatura.

A crise das livrarias assombra o Brasil. Em 2018 a Livraria Cultura entrou com um pedido de recuperação judicial. O presidente da companhia, Sérgio Herz, afirmou que o setor encolheu 40% na crise econômica, o que levou ao fechamento de lojas e atrasos nos pagamentos. A rede de livrarias, Saraiva também passou por problemas semelhantes. Em 2018, a Saraiva reportou um prejuízo de 37,6 milhões de reais e também entrou com um pedido de recuperação judicial. A Livraria Cultura e a Saraiva respondem por cerca de 35% das vendas do setor.

Uma parte dessa crise se dá pela popularização dos e-books e pelo “efeito Amazon”, a rede de varejo online apresenta preços mais acessíveis, o que faz que os consumidores prefiram comprar por ela. Outra parte se dá pelo fato que o público brasileiro ainda não é um dos mais ativos no ramo da literatura. Segundo uma pesquisa desenvolvida em março de 2016 pelo Instituto Pró-Livro, o brasileiro lê em média 2,43 livros por ano. Ainda de acordo com este estudo, 20% da população nunca comprou um livro. Entretanto, segundo a Associação Nacional de Livros (ANL), em 2018 a procura por livros cresceu 4,2% em relação a 2017. Os gêneros mais procurados são HQs, Turismo, Lazer, Culinária e Auto-ajuda.

São lançados mais de 3.000 livros novos por mês no Brasil, sendo impossível todos serem colocados dentro das livrarias, juntamente com os livros antigos. Isso torna extremamente difícil para novos autores se tornarem conhecidos. As editoras se preocupam com a história do livro, mas acima de tudo com o número de vendas, isso faz com que os novos autores para lançarem seus livros já tenham uma base de fãs. Isso daria a segurança de que vale a pena a editora investir na sua história, pois terá pessoas para comprar o livro.

A raiz do preconceito com a literatura brasileira começa pela falta de incentivo em ler, partindo de casa, até chegar nas editoras, que investem mais na literatura estrangeira, fazendo tiragens de livros maiores do que fazem com autores nacionais, divulgando mais o trabalho de um autor internacional do que do próprio brasileiro.

Outra questão que faz parte da crise é o preço dos livros. Muitas pessoas que têm o gosto pela leitura muitas vezes não possuem dinheiro para poder comprar todos os livros que desejam ler. O preço do livro no brasil é divido entre os direitos autorais, a distribuição e os impostos. Os gastos com edição, revisão, divulgação, transporte e exposição são cobertos pela editora.

O grande problema do preço do livro no Brasil é a tiragem. Como o mercado no país é pequeno, vende-se pouco. Em outros países a média das tiragens fica em torno de 10.000 exemplares por edição, já no Brasil são apenas 2.000 exemplares. O preço unitário do livro então é calculado pela divisão do custo fixo para a produção do número de exemplares. O raciocínio é simples: tiragem baixa, preço alto.

Se o brasileiro já não lê em geral, ele lê muito menos livros de autores brasileiros. Quando nos indicam algum autor brasileiro para ler a resposta normalmente é “mas eu não gosto de autor brasileiro” e muitas vezes nunca nem chegamos a ler um livro de um autor brasileiro.

Grande parte desse preconceito com a literatura brasileira começa no Ensino Médio, com a obrigatoriedade da leitura dos clássicos, que para muitos é considerada uma leitura chata, cansativa, difícil e sem graça. De fato, muito dos livros clássicos brasileiros são difíceis de ler por causa da sua escrita antiga e complicada que era típica da época em que foram escritos. Porém, quando se trata de clássicos internacionais eles são aclamados pelos leitores. Orgulho e Preconceito, O Morro dos Ventos Uivantes, Os Miseráveis e diversos outros livros antigos estão na lista dos favoritos de muitos brasileiros que leem, tais livros são clássicos e também tem uma escrita rebuscada.

Tendo em vista a crise da literatura brasileira aqui vão algumas indicações de livros nacionais.

LIVROS DIGNOS DE SEREM LIDOS

Perdida, Carina Rissi

Escrito por Carina Rissi, o livro Perdida conta a história de Sofia que vive em uma metrópole e está acostumada com a modernidade e as facilidades que ela traz. Ela é independente e tem pavor à mera menção da palavra casamento. Os únicos romances em sua vida são aqueles que os livros proporcionam. Após comprar um celular novo, algo misterioso acontece e Sofia descobre que está perdida no século dezenove, sem ter ideia de como voltar para casa – ou se isso sequer é possível. Enquanto tenta desesperadamente encontrar um meio de retornar ao tempo presente, ela é acolhida pela família Clarke. Com a ajuda do prestativo – e lindo – Ian Clarke, Sofia embarca numa busca frenética e acaba encontrando pistas que talvez possam ajudá-la a resolver esse mistério e voltar para sua tão amada vida moderna. O que ela não sabia era que seu coração tinha outros planos.

Perdida trás a vibe de romance de época, porém sem palavras rebuscadas. Com uma escrita leve e que prende o leitor até a última página, o livro de Carina Rissi é uma história apaixonante com um ritmo intenso, que vai fazer você devorar até a última página.

A história de Sofia não para por aí, Perdida é uma série de 5 livros e está prevista para ir para as telas dos cinemas brasileiros em breve.

13 Segundos, Bel Rodrigues

Escrito pela booktuber, Bel Rodrigues, 13 Segundos conta a história de Lola, que acabou de terminar com o seu namorado e está prestes a começar o último ano do ensino médio. Lola sabe que a decisão foi o melhor para os dois, mas aquela saudade de alguém que estava sempre presente é inevitável. Agora, tudo que ela quer é deixar isso para trás e focar em pôr a vida em ordem novamente, se redescobrindo após um relacionamento que exigiu tanto dela e reavaliando suas prioridades: estudo, amigos, família e o canto, sua maior paixão. Com o corte do coral das atividades extras, a garota finalmente decide ouvir seus amigos e resolve criar um canal no YouTube para postar alguns covers, nada mais do que um hobby para substituir seu tão amado coral.

Focada em não se relacionar seriamente e aproveitar as festas do último ano, tudo parece se alinhar quando Lola conhece John, um intercambista que busca exatamente o mesmo que ela: se divertir e criar memórias inesquecíveis. Quanto mais as coisas mudam, mais a garota percebe como perdera seu tempo tentando salvar um relacionamento que já estava acabado, e como agora ela se sentia genuinamente feliz com as pessoas incríveis à volta e seu grande hobby se tornando cada vez mais influente.

Entre conselhos sinceros, noites quentes e provas do Ensino Médio, a única coisa que Lola não poderia prever era o quão rápido tudo poderia desmoronar. Em treze segundos, especificamente.

O livro tem uma escrita muito simples e passa mensagens extremamente importantes que a sociedade de hoje em dia precisa aprender.

Boa Noite, Pam Gonçalves

Escrito pela booktuber, Pam Gonçalves, Boa Noite conta a história de Alina, uma garota quer deixar seu passado para trás. Começando o seu primeiro ano, na universidade, ela quer finalmente ser legal, pertencer, começar de novo. Cursando Engenharia da Computação – em uma turma repleta de garotos que não acreditam que mulheres podem entender de números -, a vida em uma república e novos amigos parecem oferecer tudo que Alina quer. Ela só não contava que os desafios estariam muito além da sua vida social.

Quando Alina decide deixar de vez o rótulo de nerd esquisitona para trás, tudo se complica. Além de festas e bebidas, uma página de fofocas é criada na internet, e mensagens sobre abusos e drogas começam a rolar entre os alunos da universidade.

Assim como 13 Segundos, Boa Noite tem uma escrita simples e é repleto de ensinamentos para a sociedade de hoje em dia.

O Vilarejo, Raphael Montes

Escrito por Raphael Montes, O Vilarejo apresenta sete contos situados em um vilarejo isolado, apresentando a lenta degradação dos moradores do lugar, e pouco a pouco o próprio vilarejo vai sendo dizimado, maculado pela neve e pela fome. As histórias partem da ligação que o padre e demonologista, Peter Binsfeld, fez de que cada um dos pecados capitais estaria ligado a um demônio, supostamente responsável por invocar o mal nas pessoas.

Com uma escrita cativante, as histórias podem ser lidas em qualquer ordem, sem prejuízo de sua compreensão, mas se relacionam de maneira complexa, de modo que ao término da leitura as narrativas convergem para uma única e surpreendente conclusão.

Só a Gente Sabe o Que Sente e Um Sorriso ou Dois, Frederico Elboni

Escritos pelo youtuber e dono do blog Entenda os Homens, Frederico Elboni, os livros Um Sorriso ou Dois e Só a Gente Sabe o Que Sente, são apenas dois de vários outros livros publicados pelo autor. Nesses dois livros, Elboni apresenta contos e crônicas que exploram os sentimentos mais profundos, tratando de amores perdidos, dilemas da vida adulta e diversos outros temas.

Os livros têm uma escrita simples e leve, com textos curtos é perfeito para ser lido em um dia de chuva ou dentro do ônibus.

Dom Casmurro, Machado de Assis

E para fechar a lista de indicações não poderia faltar um clássico da literatura brasileira. Escrito por Machado de Assis, Dom Casmurro é um dos livros brasileiros mais famosos e dono de um mistério até hoje indecifrado.

Escrito em 1899, o livro apresenta a história de Bento Santiago também conhecido como Dom Casmurro ou Bentinho. O livro conta a história de sua vida desde a infância, quando seu futuro seria ir para um seminário e se tornar um padre, devido a uma promessa feita por Glória, sua mãe. Porém, há alguém que faz o coração do garoto bater mais forte, e consequentemente, ele passa a se perguntar o porquê de ter que ir ao seminário: Capitu, sua vizinha e amiga de longa data.

Por sem um clássico da literatura, o livro apresenta uma linguagem rebuscada mas não ao ponto de ficar chata ou difícil de se compreender e prende o leitor até o fim na tentativa de descobrir a verdade por trás do grande mistério do livro.

E você o que acha da situação da literatura no Brasil? Tem algum livro de autor brasileiro que você leu e amou? Nos conte aqui nos comentários! Se achou legal, compartilhe com os seus amigos nas redes sociais:

Facebook – Twitter – Instagram – Pinterest

Comentários