Início SÉRIE Crítica CRÍTICA – Geração 30 e Poucos (1ª temporada, 2021, Netflix)

CRÍTICA – Geração 30 e Poucos (1ª temporada, 2021, Netflix)

CRÍTICA - Geração 30 e Poucos (1ª temporada, 2021, Netflix)

Geração 30 e Poucos (Generazione 56K) é uma produção italiana distribuída pela Netflix. A série foi produzida pelo grande estúdio italiano Cattleya e tem o apoio da ITV Studios.

A criação fica por conta de Francesco Ebbasta, que também dirige a série ao lado de Alessio Maria Federici (Uno di Famiglia). No elenco estão Angelo Spagnoletti, Cristina Cappelli, Gianluca Colucci e Fabio Balsamo.

SINOPSE

Daniel (Angelo Spagnoletti) é um desenvolvedor de aplicativos que está cansado de conhecer pessoas na internet e não conseguir estabelecer nenhuma conexão real. Até uma noite que ele reencontra Matilda (Cristina Cappelli), uma velha amiga da escola. Ambos começam a se aproximar, apesar dela estar noiva.

ANÁLISE

A mais nova e já velha discussão da internet sobre conflitos de geração, a qual dividiu Millennials e Geração Z, têm tudo a ver com a série Geração 30 e Poucos. Isso porque, essa charmosa produção italiana remete à nostalgia ao mesmo que traz à tona os conflitos de uma geração desiludida com os relacionamentos.

A trama, que altera entre passado e futuro, apresenta os encantos e desencantos da vida de Daniel (Angelo Spagnoletti). Quando criança nos anos 90, o rapaz e os amigos Luca (Gianluca Fru) e Sandro (Fabio Balsamo), descobriam as maravilhas da internet discada e também das fitas pornográficas.

Já quando crescidos, Daniel e seus dois amigos viraram desenvolvedores de aplicativos enquanto tentam consertar os aspectos amorosos da vida adulta. Daniel, em especial, está desacreditado com seus relacionamentos até reencontrar Matilda (Cristina Cappelli). A mesma menina que tinha pavor na época de escola.

Dessa forma, Geração 30 e Poucos é uma comfort série para assistir naqueles dias em que se deseja relaxar. Mas, também é uma produção muito fácil de se identificar e criar apego, visto que os personagens são totalmente carismáticos e estão naquela fatídica fase da vida onde começa-se a questionar escolhas pessoais.

Consequentemente, tanto o elenco adolescente, quanto adulto funciona muito bem, criando uma dinâmica divertida entre os personagens. As paisagens italianas de verão e a trilha sonora noventista colaboram para o tom nostálgico e romântico da série.

CRÍTICA - Geração 30 e Poucos (1ª temporada, 2021, Netflix)

Sendo assim, Geração 30 e Poucos aborda muito além dos problemas de uma geração (um pouco) decepcionada com a vida adulta. A produção também trata sobre o quanto é importante ter amigos fiéis e apoio familiar. Por fim, a série consegue ter um ritmo agradável em seus oito episódios criando uma atmosfera sentimentalista nos mais diferentes níveis.

VEREDITO

Geração 30 e Poucos é uma ótima série para os nostálgicos dos anos 90 e também para quem está em busca de um romance descontraído. Os personagens cativantes e a estética veranista que traz lindas paisagens da Itália é a cereja do bolo.

Nossa nota

3,5 / 5,0 

Assista ao trailer (em italiano):

Curte nosso trabalho? Que tal nos ajudar a mantê-lo?

Ser um site independente no Brasil não é fácil. Nossa equipe que trabalha – de forma colaborativa e com muito amor – para trazer conteúdos para você todos os dias, será imensamente grata pela sua colaboração. Conheça mais da nossa campanha no Apoia.se e nos ajude com sua contribuição.

Artigo anteriorCRÍTICA – Quando Finalmente Voltará a Ser Como Nunca Foi (2016, Joachim Meyerhoff)
Próximo artigoJogos Mobile Gratuitos: Confira 7 opções para sair do tédio
Jornalista em formação e apaixonada pela sétima arte. Representatividade e movimentos sociais através do cinema é fundamental. Apreciadora de livros, animes e joguinhos de ps4 nas horas vagas. The final girl.