Início SÉRIE Crítica CRÍTICA | Loki – S1E2: A Variante

CRÍTICA | Loki – S1E2: A Variante

Loki - A Variante

O segundo episódio de Loki, A Variante, já está disponível no catálogo da Disney+ e faz importante revelação quanto ao antagonista da série até o momento.

SINOPSE

Um grupo de elite da AVT é atacado e sua comandante é capturada pela versão misteriosa de Loki (Tom Hiddleston). 

Agora, Mobius (Owen Wilson) vai ter que confiar no Deus da Trapaça para resgatar a membro da agência, entretanto, será que Loki é confiável?

ANÁLISE

O segundo episódio de Loki, A Variante, traz aspectos interessantes para o desenvolvimento dessa versão do Deus da Trapaça que está inserido na série.

Os momentos solo ou com interações de Tom Hiddleston com os demais atores do elenco entrega que de fato, o protagonista possui um amplo domínio pelo seu personagem, uma vez que entrega uma nova faceta do anti-herói da Marvel.

Mesmo que o roteiro seja bastante limitado e explicativo demais em alguns momentos, há um certo brilhantismo por parte de Hiddleston, que possui um charme e carisma exímios.

Por mais que o roteiro por vezes seja fraco, há uma cena específica em que Mobius e Loki discutem sobre propósito e sobre o “sentido da vida”, algo que arrancou palmas aqui em casa.

VEREDITO

A Variante, segundo episódio de Loki, nos entrega bons e maus momentos. Todavia, há alguns momentos brilhantes e uma boa cadência de eventos que vai abrindo um leque interessante de opções para o futuro do MCU em sua nova fase.

Nossa nota

4,0/5,0

Confira o trailer do segundo episódio:

A nova série da Marvel Studios vai ao ar todas as quartas-feiras na Disney+.

Curte nosso trabalho? Que tal nos ajudar a mantê-lo?

Ser um site independente no Brasil não é fácil. Nossa equipe que trabalha – de forma colaborativa e com muito amor – para trazer conteúdos para você todos os dias, será imensamente grata pela sua colaboração. Conheça mais da nossa campanha no Apoia.se e nos ajude com sua contribuição.

Artigo anteriorCall of Duty: Warzone | Como liberar a Pistola de Pregos
Próximo artigoCRÍTICA – Rogai Por Nós (2021, Evan Spiliotopoulos)
Relações-públicas, gremista, nerd, escorpiano e palestrinha. Parece futebolista, pois só vive descendo a lenha. DC é melhor que Marvel, todavia, amamos as duas.