Início SÉRIE Crítica CRÍTICA – Mestres do Universo: Salvando Eternia (Parte 1, 2021, Netflix)

CRÍTICA – Mestres do Universo: Salvando Eternia (Parte 1, 2021, Netflix)

CRÍTICA - Mestres do Universo: Salvando Eternia (Parte 1, 2021, Netflix)

A animação Mestres do Universo: Salvando Eternia (Masters of the Universe: Revelation), finalmente chegou ao catálogo da Netflix ontem, dia 23 de julho.

A animação é comandada pelo cineasta Kevin Smith e conta com grandes nomes como Mark Hamill (Star Wars), Lena Headey, Liam cunningham (ambos ex-Game of Thrones) e muitos outros.

SINOPSE

Mais de 35 anos depois do término da série original He-Man e os Defensores do Universo, Mestres do Universo: Salvando Eternia traz de volta os icônicos heróis guardiões do Castelo de Grayskull e os temíveis vilões da Montanha da Serpente. Depois que uma batalha catastrófica divide Eternia, Teela (Sarah Michelle Gellar) e uma aliança improvável precisam evitar o fim do Universo e finalmente descobrir os segredos de Grayskull.

ANÁLISE

Desde seu primeiro trailer, a internet* ficou em polvorosa para rever o moreno/loiro parrudão com tanguinha, que grita: “EU TENHO A FORÇAAAA!

*leia-se: os coroas (e eu sou um deles).

A criação de Kevin Smith, produzida pela Mattel Television e Powerhouse Animation, conta com 5 episódios com média de 25min de duração e aposta em homenagear a série clássica, além aumentar as fileiras de fãs.

A mais nova animação da gigante do streaming aposta nos coadjuvantes clássicos e os transforam em protagonistas, além de incluir Andra (Tiffany Smith), uma personagem que apareceu brevemente nos quadrinhos da franquia.

Personagens como TeelaGorpo, Mentor, Roboto, Maligna, Homem-Fera e Triclope ganham muito destaque, enquanto He-ManEsqueleto são meros coadjuvantes.

VEREDITO

A melhor forma de definir minha experiência é em forma de analogia, e usarei a primeira vez em que comi um Big Tatsty!

O trailer de Mestres do Universo: Salvando Eternia foi como chegar ao Mc Donalds e ver aquele lindo hamburguer impresso no banner. Eu só comia Big Mac, mas fiquei hypado; os olhos brilharam e eu mal esperava para por as mãos nesse novo hamburguer gigante.

Este projeto vendeu um produto incrível com seu primeiro trailer, digo com tranquilidade que foram poucos os trailers que me deixaram tão hypado e muita gente ficou ansioso para a data da estreia.

Assista ao trailer:

Quando recebi meu Big Tasty, abri a caixinha e lá estava meu hamburguer tão aguardado, todo torto e desengonçado. Um pouco diferente da arte promocional do banner, mas ainda assim era o que eu tinha escolhido (típico).

Apesar da falta da trilha sonora oitentista como prometido no trailer, tudo apresentado nele está na série: boas cenas de luta e uma animação bem feita.

Ao dar a primeira mordida, tinha aquele fucking molho gostoso, e no fim, eu me senti bem satisfeito e hoje só como o Big Tasty toda vez que vou ao vulgo “MC Donaldo”.

A troca de personagens como protagonistas, o aprofundamento na mitologia da série e acontecimentos de sacudir os alicerces da franquia, foi de explodir a mente de um fã que esperava ver apenas um remake e não uma continuação.

É difícil listar todos os momentos incríveis de Mestres do Universo: Salvando Eternia – Parte 1 sem dar spoilers; mas sendo objetivo, o trabalho de Kevin Smith, Mattel Television, Powerhouse Animation e todo o elenco é de fato melhor que o clássico.

A continuação homenageia a franquia, repagina e segue em frente. E eu quero mais disso!

Nossa nota

4,5 / 5,0

Mestres do Universo: Salvando Eternia já tem a Parte 2 confirmadíssima, que contará com mais 5 episódios, mas ainda sem data oficial.

Leia mais publicações sobre a animação:

Conheça os heróis e seus dubladores

Conheça os vilões e seus dubladores

Curte nosso trabalho? Que tal nos ajudar a mantê-lo?

Ser um site independente no Brasil não é fácil. Nossa equipe que trabalha – de forma colaborativa e com muito amor – para trazer conteúdos para você todos os dias, será imensamente grata pela sua colaboração. Conheça mais da nossa campanha no Apoia.se e nos ajude com sua contribuição.

Artigo anteriorNoites Sombrias #24 | Um Lugar Silencioso – Parte 2 (2021, John Krasinski)
Próximo artigoCRÍTICA – A Última Carta de Amor (2021, Augustine Frizzell)
Um carioca apaixonado por livros, cinema, games e que ama falar de nerdice.