Início SÉRIE Crítica CRÍTICA – Os Ausentes (1ª temporada, 2021, HBO Max)

CRÍTICA – Os Ausentes (1ª temporada, 2021, HBO Max)

Os Ausentes (1ª temporada, 2021, HBO Max)

Os Ausentes é a primeira série brasileira original da HBO Max. Criada por Maria Carmem Barbosa e Thiago Luciano, a produção possui 10 episódios com média de 45 minutos cada e narra a história de uma agência que tem como foco encontrar pessoas desaparecidas. O seriado estreia no dia 22 de julho.

Você pode saber um pouco mais sobre a série, os personagens e a equipe técnica no nosso artigo especial sobre Os Ausentes.

SINOPSE DE OS AUSENTES

Após o desaparecimento de sua filha Sofia, o ex-delegado Raul Fagnani (Erom Cordeiro) abre a agência Ausentes, que se torna famosa no submundo de São Paulo por receber todo tipo de clientes, sobretudo aqueles que não podem ou não querem recorrer à polícia. Ele ainda tem esperança de descobrir o que aconteceu com sua filha. A chegada de Maria Julia (Maria Flor) altera o dia a dia de trabalho da agência.

ANÁLISE

Os Ausentes é uma série procedural de excelente qualidade visual. Usando como mote os traumas de Raul e Maria Julia, a produção embarca em um verdadeiro estudo de caso a cada novo episódio, mostrando diversas histórias sobre pessoas desaparecidas em São Paulo.

Como já é divulgado na sinopse e também no trailer da produção, Raul, que é interpretado por Erom Cordeiro, possui um trauma muito forte por causa do desaparecimento de sua filha. Mesmo depois de 10 anos, ele ainda acredita que pode encontrá-la.

A situação toda faz com que o personagem seja turrão e teimoso, mas também demonstre momentos de compaixão e gentileza com outras pessoas que precisam encontrar seus entes queridos.

A chegada de Maria Julia, outra personagem que também possui um histórico de desaparecimento em sua família, cria uma dinâmica diferente entre a equipe. Ao mesmo tempo que ela e Raul trabalham juntos desvendando esses mistérios, há também aquela constante dúvida sobre quem é Maria Julia e qual seu objetivo com essa aproximação.

Maria Flor e Erom possuem uma boa química juntos, e o elenco de apoio complementa com inteligência o roteiro. Augusto Madeira e Indira Nascimento estão ótimos em seus papéis, além de trabalharem com muito entrosamento com Maria Flor e Erom. Indira, na verdade, é uma ótima surpresa no elenco. Sua personagem é perspicaz, empática e cheia de nuances interessantes.

Mesmo sendo uma série que lembra muito os modelos norte-americanos de seriado, Os Ausentes não deixa de ter a sua identidade brasileira. Por se passar em muitas locações de São Paulo e trazer acontecimentos de várias comunidades da cidade, a série é muito rica em detalhes e diversidade.

 

As participações especiais trazem um fator surpresa a cada novo episódio. Afinal, você não sabe o que vai acontecer com os personagens principais durante as investigações que eles se envolvem. Esses casos proporcionam bastante dinamismo para a trama, mas é justo dizer que algumas histórias são muito mais interessantes do que outras.

A montagem da série é muito feliz nos momentos de flashback, pois consegue contextualizar bem o passado de Raul e sua vida antes da Ausentes. Entretanto, em algumas cenas de perseguição ou de desenrolar narrativo, há pontos de edição que poderiam ter uma lapidação melhor.

Os Ausentes é claramente um modelo de produção que pode render inúmeras temporadas, principalmente por existirem tantos ganchos para continuidade. O desfecho desse primeiro ano é satisfatório, mas não possui toda a emoção que eu esperava após o caminho traçado pelos personagens ao longo dos episódios.

VEREDITO

Os Ausentes é um empolgante primeiro projeto nacional para o catálogo da HBO Max. Trazendo um ótimo elenco e histórias profundas, a série tem como grandes trunfos o apelo investigativo e a carga sentimental.

Uma possível segunda temporada tem potencial para desenvolver um pouco mais os personagens secundários e se aprofundar nas personalidades de Raul e Maria Julia.

3,5/5,0

Nossa nota

Assista ao trailer:

Curte nosso trabalho? Que tal nos ajudar a mantê-lo?

Ser um site independente no Brasil não é fácil. Nossa equipe que trabalha – de forma colaborativa e com muito amor – para trazer conteúdos para você todos os dias, será imensamente grata pela sua colaboração. Conheça mais da nossa campanha no Apoia.se e nos ajude com sua contribuição.

Artigo anteriorCRÍTICA | Sunny – Vol. 3 (2021, Devir)
Próximo artigoCRÍTICA – Pokémon Unite (2021, Nintendo Switch)
Relações-Públicas de formação. Com pós-graduação em Star Wars e universo expandido, mas Trekker de coração. Defensora de todos os Porgs, Ewoks e criaturas fofinhas da galáxia.