Início SÉRIE Crítica PRIMEIRAS IMPRESSÕES – O Inocente (1ª temporada, 2021, Netflix)

PRIMEIRAS IMPRESSÕES – O Inocente (1ª temporada, 2021, Netflix)

CRÍTICA – O Inocente (1ª temporada, 2021, Netflix)

Com sua estreia marcada para dia 30 de abril, O Inocente é a nova série de suspense original da Netflix. Felizmente, tivemos a oportunidade de assistir os três primeiros episódios. Então, pegue sua água e confira essa análise fresquinha.

SINOPSE

Baseado no livro que recebe o mesmo nome, O Inocente tem como foco a trama o Mateo (Mario Casas), um homem que tenta reconstruir sua vida após uma noite trágica na qual, acidentalmente, mata um homem ao apartar uma briga.

Porém, a existência de segredos fazem com que sua vida seja totalmente bagunçada de forma misteriosa. Mateo percebe que está bem longe de ter a tão sonhada paz.

ANÁLISE

A série, que é uma produção espanhola, conta com a direção de Oriol Paulo. Para quem está acostumado a assistir obras espanholas terá familiaridade e expectativa positiva com esse nome. Expectativa essa que, de forma primorosa, consegue ser alcançada em seus primeiros episódios!

Com diversos pequenos plot twist, a trama apresenta mistérios em torno de Mateo, porém, também mostra outros acontecimentos intrigantes que aparentemente eram externos ao personagem. Porém, com maestria, esses casos se cruzam com a história principal.

Logo, cria-se um embaraço de acontecimentos tão impressionantes e enigmáticos, que nos projetamos na história tentando encaixar cada peça desse quebra-cabeça gigante.

PRIMEIRAS IMPRESSÕES – O Inocente (1ª Temporada, 2021, Netflix)

Em nossa nova função como detetives ficamos tão abismados, que fica difícil de sair da frente da tela. Entretanto, a série peca ao apresentar vários novos personagens, gerando confusões ao tentarmos gravar cada nome. Portanto, é importante estar bem atento para não ficar perdido, já que será totalmente necessário entender quem é quem para a posterioridade.

Além disso, a sensação que O Inocente nos causa é que, ironicamente, ninguém é inocente. Todos são alvos de desconfiança, já que todos possuem desvios de caráter.

VEREDITO

Como essa é uma análise dos três primeiros episódios, não podemos dar um veredito de como a série é, entretanto, se continuar com a mesma qualidade, será excelente, capaz de proporcionar um plot twist tão forte quanto um soco do Myke Tyson.

Nossa nota

4,0 / 5,0

Assista ao trailer:

Curte nosso trabalho? Que tal nos ajudar a mantê-lo?

Ser um site independente no Brasil não é fácil. Nossa equipe que trabalha – de forma colaborativa e com muito amor – para trazer conteúdos para você todos os dias, será imensamente grata pela sua colaboração. Conheça mais da nossa campanha no Apoia.se e nos ajude com sua contribuição.

Artigo anteriorCRÍTICA – Nomadland (2020, Chloé Zhao)
Próximo artigoCRÍTICA – Falcão e o Soldado Invernal (2021, Disney+)
Carioca do interior, imigrante em BH que ama desenhar e apreciadora de cerveja de buteco, que luta para não falar "uai" e não falar muito mas acaba falhando; tipo agora.