A Bolha: Entenda a mente por trás do filme da Netflix

    A comédia A Bolha (The Bubble) chegou recentemente ao catálogo da Netflix, no elenco do longa estão presentes nomes como Karen Gillan (Guardiões da Galáxia), Iris Apatow, Fred Armisen (Saturday Night Live), Maria Bakalova (Borat: Fita de Cinema Seguinte), David Duchovny (Arquivo X), Keegan-Michael Key, Leslie Mann, Pedro Pascal (The Mandalorian), Peter Serafinowicz (Encontro de Casais), Vir Das, Rob Delaney (Deadpool 2), Galen Hopper, Samson Kayo (Truth Seekers), Guz Khan (Exército de Ladrões: Invasão da Europa), Nick Kocher, Ross Lee, Harry Trevaldwyn (O Rei) e Danielle Vitalis.

    SINOPSE

    O elenco e a equipe de um filme de ação de sucesso presos dentro de um hotel quebram as regras durante a quarentena para filmar uma sequência da franquia de ação sobre dinossauros voadores.

    Veja abaixo a entrevista com o escritor, diretor e produtor Judd Apatow.

    Quando essa ideia surgiu para você?

    Eu estava promovendo um filme e me vi no Zoom por grande parte do dia e comecei a ficar louco. Eu fazia essas duas horas de caminhada todos os dias com um amigo, para manter minha sanidade. Um dia eu disse: ‘Talvez eu devesse pensar em algo?’ assim apenas como um exercício, comecei a delinear ideias diferentes para programas de TV e filmes sem pensar que eu faria qualquer um deles. Eu ouvi sobre a bolha da NBA e eu pensei, bem, isso é meio engraçado. Todos aqueles caras presos em um hotel. Poderia ser uma peça ou um filme. Eu continuei ouvindo sobre a bolha do Jurassic Park na Inglaterra, e eles estavam tendo problemas para manter a produção em andamento. Eu pensei: ‘Bem, isso é engraçado, um monte de atores presos em um hotel tendo um colapso nervoso, tentando realizar algum tipo de filme de ação durante o pior da pandemia’. Eu esbocei isso por um tempo, nunca pensando que faria isto. Um dia, minha esposa, Leslie Mann me disse que ela tinha que ir para a Inglaterra para filmar sua série de TV. E eu pensei: ‘Eu me pergunto se posso fazer esse filme para que eu possa ir com ela e ter algo para fazer’. Obviamente eu estava procurando uma maneira de não ser deixado sozinho por Leslie.”

    Você fez parceria com Pam Brady para escrever o roteiro. Como foi esse processo?

    Foi uma situação única porque eu lancei a ideia para a Netflix e nós não tínhamos um roteiro, mas eu o lancei um pouco como um filme de Christopher Guest, Trovão Tropical. Mas a ideia era que escrevêssemos um roteiro muito rápido e improvisar à medida que avançássemos. Eu pensei que poderia fazer isso rapidamente e eu sempre quis escrever com Pam Brady, porque ela é brilhantemente engraçada e tem um humor fantástico. Nós fizemos isso muito rápido: 25 páginas por semana durante um mês e então começamos a preparação. É o mais rápido de tudo que já fiz. Fizemos o filme em um ano, desde o início da escrita até a entrega. Mas eu sempre pensei que essa era a ideia que deveria ser, quase como um episódio do Saturday Night Live. Você começa em uma segunda-feira e no sábado você já está filmando com um grupo de pessoas que são muito engraçadas e podem trabalhar juntas nesse estilo.”

    Como escolheu o elenco?

    Escolher o casting foi divertido. Foi uma oportunidade de trabalhar com muitas pessoas com quem eu queria trabalhar há muito tempo tempo: Keegan-Michael Key, David Duchovny, Fred Armisen, Kate McKinnon. Era o sonho de um nerd de comédia convidar minhas pessoas favoritas para colaborar. É um elenco com pessoas muito famosas, de novas e veteranas, mas eu não tinha senso de química então fizemos muitas audições no Zoom. Esse processo foi muito rápido, mas também realmente engraçado. E para mim, ir para um lugar como a Inglaterra e conhecer todas essas pessoas incrivelmente engraçadas era muito, muito emocionante. Eu estava realmente interessado na ideia de pessoas de todo o mundo fazendo comédia juntos. Porque temos pessoas do Oriente Médio, Índia, Inglaterra, Bulgária e América. Você não vê muito disso e eu me perguntava: ‘Será que dirigir pessoas de culturas diferentes juntas será engraçado?’ Isso é um dos sucessos do filme pelo qual estou empolgado. E parecia funcionar muito bem.”

    Sabemos que você é fã de improvisação. Havia muito disso em A Bolha?

    Este foi praticamente o mesmo que todos os nossos outros filmes. Tentamos fazer o roteiro tão bom quanto poderíamos fazê-lo. Entramos nos ensaios, lemos, improvisamos, colocamos tanto disso no roteiro quanto parecesse certo. E então todos os dias nós filmamos o roteiro e depois trazíamos muitas outras ideias. E então perguntávamos aos atores: ‘Você tem alguma ideia?’ E improvisamos um pouco mais e, em algum momento, eu entrava na edição tentando descobrir como fazer parece que eu tivesse tido aquela ideia desde o começo.”

    Sobre o que é a produção que está sendo filmada em A Bolha?

    Os filmes da franquia são sobre T-Rexes voadores. Estávamos tentando pensar em um conceito que parecia meio real, mas também um pouco pateta. Então a ideia foi sobre T-Rexes que voam como beija-flores. Não há realidade física no que eles estão fazendo, assim como a física de seu vôo não faz sentido. Quando conversei com o pessoal da Industrial Light & Magic sobre a envergadura das asas, eles diziam: ‘Eles não seriam capazes de voar com asas tão curtas’. E eu disse: ‘Isso não importa para este filme’.”

    Houve algum elemento ou cena que foi particularmente desafiador?

    A coisa mais desafiadora sobre A Bolha foi apenas fazer o filme [risos]. Como você sai de um colapso nervoso? Como você faz o isolamento sem perder a cabeça e progredir? Basicamente você tem que ser maluco. Não é exatamente o estilo de um filme de Mel Brooks, mas de certa forma estamos dentro aquele universo. Não queríamos que fosse bobo, mas queríamos que fosse realmente engraçado. Mas você ainda precisa de emoção, você ainda precisa de uma história para impulsioná-lo para frente. Eu acho que essa foi a parte mais desafiadora. E de repente, percebemos que realmente se trata de pessoas que não apreciavam uns aos outros, percebendo que eles têm que ajudar uns aos outros, precisam fazer a coisa certa uns pelos outros, o que é a verdade para o mundo inteiro nestes últimos dois anos. E mesmo que seja meio brega, o elenco é como o mundo: pessoas que estão tendo um momento difícil e, finalmente, têm que se ajudar.”

    O que você espera que as pessoas tirem do filme?

    Espero que o filme faça as pessoas felizes e os façam rir e lhes dê uma pausa. Realmente ele só existe para ser um caminho para todos nós lembrarmos o quão bizarro, preocupante e difícil tem sido. E se pudermos fazer isso com algo tão grave e transformar em algo muito engraçado, então conseguimos. Se eu posso pegar o que aconteceu e encontrar uma maneira de transformá-lo em algo positivo que te faça sorrir, então essa é a única contribuição que eu tenho. Não tenho outras habilidades.”


    Assista ao trailer:

    Inscreva-se no YouTube do Feededigno

    Assista às nossas análises de filmes, séries, games e livros em nosso canal no YouTubeClique aqui e inscreva-se para acompanhar todas as semanas nossos conteúdos também por lá!

    Artigos relacionados

    TBT #183 | Platoon (1986, Oliver Stone)

    Platoon, de Oliber Stone sem dúvida está na lista dos fãs de filmes de guerra. Veja nossa clássica indicação de TBT!

    CRÍTICA – Amor & Gelato (2022, Brandon Camp)

    Amor & Gelato é a nova aposta de filme de romance da Netflix. Baseado no livro homônimo de Jenna Evans, o longa é dirigido por Brandon Camp.

    Thor: Amor e Trovão | Conheça o elenco do filme

    Agora falta pouco para Thor: Amor e Trovão chegar aos cinemas! Confira neste artigo quem são os personagens e atores envolvidos na produção.

    CRÍTICA – O Apocalipse do Amor (2022, Hilal Saral)

    O Apocalipse do Amor é um filme turco dirigido pela diretora Hilal Saral. Veja o que achamos da produção de estreia da diretora turca.