Avatar: Por que o filme é considerado uma revolução do cinema?

    O filme Avatar (2009) completou 13 anos e o seu escritor e diretor James Cameron está preparando uma volta (que ele espera que seja triunfal) aos cinemas com mais quatro sequências, transformando seu filme em uma verdadeira saga. Mas o que Avatar tem de tão memorável assim? Será que esse filme ainda está mesmo no imaginário das pessoas? Antes de responder isso, temos que falar sobre o seu impressionante desempenho nas bilheterias.

    O primeiro Avatar faturou mais de 2 bilhões e 700 milhões de dólares, com a maior parte dos ingressos vendidos para sessões 3D, o que o levou a ganhar o título de filme mais rentável da história, que ele manteve por quase 10 anos, até ser ultrapassado por Vingadores: Ultimato (em valores não ajustados para inflação).

    PRODUÇÃO

    Com um orçamento oficial na casa dos US$ 200 milhões – embora muitos afirmem que a produção tenha extrapolado os US$ 300 milhões – o diretor James Cameron escolheu justamente os estúdios de Peter Jackson, a Weta Studios para dar vida aos efeitos especiais do mundo de Pandora. Para a captação de imagens e movimentos do atores, Cameron escolheu um hangar de 16 mil metros quadrados chamado “Spruce Goose” – mesmo local em que o milionário Howard Hughes construiu seu avião no início do século passado.

    EXECUÇÃO E EFEITO

    Quando teve a ideia do filme, a tecnologia necessária para a produção dos efeitos especiais exigia um investimento absurdo e o diretor esperou anos até que parte do que ele imaginara fosse visto em outro filme e pudesse ser utilizado. Além disto, houve também um grande investimento em tecnologia 3D, já que o Avatar tem aproximadamente 75% de suas cenas geradas em ambientes virtuais.

    Por se tratar de uma história que ocorre em um mundo que não existe, todo o cenário foi criado por meio de computação. Os personagens também são de ficção e para serem integrados a estes cenários foram utilizados recursos de captura de movimentos em 3D.

    Para dar mais realismo aos movimentos dos personagens e suas expressões, atores utilizaram um tipo de malha com pequenos refletores gerando pontos que são capturados por mais de cem câmeras simultâneas. Com isto, todos os movimentos vistos no filme são gerados e catalogados para utilização nos personagens virtuais.

    Já para as expressões faciais, o processo é parecido. Pequenos pontos coloridos são colocados no rosto do ator enquanto microcâmeras posicionadas a centímetros da sua face capturam as possíveis expressões que ganharão vida nos personagens fictícios.

    Nas gravações, uma das dificuldades era conseguir visualizar os movimentos realizados pelos atores dentro do cenário, já que isto seria apenas adicionado posteriormente. Para resolver isto e ter uma prévia de como ficariam as atuações no cenário, foi criada uma câmera virtual sem lentes e com uma tela de LCD com marcadores de posição que geram a visualização das imagens em tempo real.

    Algumas destas tecnologias já foram vistas em outros filmes, mas a revolução está na ambição da utilização do 3D, Avatar foi produzido totalmente com este recurso enquanto os demais filmes até hoje o utilizaram apenas em algumas cenas. 

    Todos os aspectos do filme são fictícios, o mundo criado exigiu até um novo idioma, criada pelo diretor, que exigiu a participação de fonoaudiólogos e linguistas para ser produzido. O mesmo ocorreu para a criação das espécies de plantas existentes neste mundo, que contaram com apoio técnico de botânicos e biólogos.

    O QUE ESPERAR DE AVATAR: O CAMINHO DA ÁGUA?

    O primeiro teaser saiu junto com outros trailers nas seções de Doutor Estranho no Multiverso da Loucura, mas não revelou muitos detalhes sobre a trama, apenas que os Na’vi têm convivido entre os humanos com uma frequência maior, ainda que as batalhas entre os povos aconteçam.

    Teremos Jake (Sam Worthington), Neytiri (Zoe Saldana) e seus familiares, que tentam sobreviver durante os conflitos.

    O visual e a fotografia do filme permanecem sendo um dos pontos mais incríveis. Fica visível a qualidade dos efeitos 3D, que levará até o espectador uma sensação de maior de profundidade sobre a fauna e a flora de Pandora, assim como os cenários aquáticos incríveis.

    O lançamento do filme está marcado para 16 de dezembro, ao passo que os próximos três serão lançados nos cinemas em 2024, 2026 e 2028, caso Avatar: O Caminho da Água seja um sucesso de bilheteria.

    Outros atores que retornam é Sigourney Weaver e Stephen Lang.


    Inscreva-se no YouTube do Feededigno

    Assista às nossas análises de filmes, séries, games e livros em nosso canal no YouTubeClique aqui e inscreva-se para acompanhar todas as semanas nossos conteúdos também por lá!

    Artigos relacionados

    CRÍTICA – Instinto Assassino (2022, David Hackl)

    Instinto Assassino é um filme original da Netflix e conta com a direção de David Hackl, além de Mel Gibson e Famke Janssen no elenco.

    CRÍTICA – Tico e Teco: Defensores da Lei (2022, Akiva Schiffer)

    Mais de três décadas após o cancelamento da série animada, Tico e Teco: Defensores da Lei agora tem um novo filme disponível no Disney+.

    CRÍTICA – Top Gun: Maverick (2022, Joseph Kosinski)

    Mais de três décadas se passaram do clássico Top Gun: Ases Indomáveis (1986) e agora Tom Cruise está de volta com Top Gun: Maverick!

    Noites Sombrias #67 | Jason Vai Para o Inferno: A Última Sexta-Feira 13 (1993, Adam Marcus)

    Jason Vai Para o Inferno é o sexto filme da franquia de um dos ícones da cultura pop e que trouxe um misto de sentimentos na crítica.