Início FILMES Artigo Bong Joon-Ho: Um guia para os filmes sci-fi do diretor

Bong Joon-Ho: Um guia para os filmes sci-fi do diretor

81
0
Bong Joon-Ho: Um guia para os filmes sci-fi do diretor

O diretor sul-coreano Bong Joon-Ho de Parasita, o filme de língua-não inglesa mais bem sucedido quando falamos de arrecadação nos Estados Unidos, desde O Labirinto do Fauno de 2006 – é o filme com as notas mais altas de 2019 de acordo com o Metacritic.

Agora, que o filme recebeu 4 Oscars, incluindo Melhor Filme e Melhor Diretor, resultou em algumas das cenas mais marcantes da premiação dos últimos anos, e se tornou um marco no que tange a receber o prêmio de Melhor Filme, se tornando o primeiro filme com idioma não-inglês a receber o prêmio.

POST RELACIONADO | Crítica – Parasita (2019, Bong Joon-ho)

Se Parasita é o primeiro filme do diretor que você assistiu, ou mesmo se você não assistiu, trazemos aqui um guia para você entrar no #BongHive, pois Bong Joon-Ho dirigiu outros seis filmes com temáticas incríveis, além de outros filmes que contam com recursos de flexão-de-gênero. Vale lembrar aqui, que essa publicação contará apenas com os três filmes de ficção científica do diretor: O Hospedeiro, Expresso do Amanhã e Okja.

O HOSPEDEIRO

Antes de Cloverfield e Círculo de Fogo, e também dos dois reboots de Godzilla, O Hospedeiro de Bong Joon-Ho trouxe nova vida ao gênero dos kaiju em 2006. Não se confunda com o filme que foi adaptado do livro de Stephenie Meyer. O título coreano do filme é traduzido apenas para “Monster“, e o filme é tão direto com suas intenções quanto seu título. Diferente de outros filmes de monstros que tentam envolver suas grandes bestas em suspense, O Hospedeiro nos apresenta o caos causado pela abominação-mutação-anfíbia-gigante desde o início.

Ainda sim, O Hospedeiro é muito mais do que um filme de monstros. Como o Godzilla original, ele não tenta nem esconder sua crítica política sobre guerra e o ambientalismo. Além de ser extremamente divertido, conta com uma dinâmica comédia familiar que evoca os elementos humanos de Tubarão, assim como o que foi mostrado em Parasita. Song Kang-ho também estrelou outros quatro filmes diferentes de Bong Joon-Ho, mas a forma engraçada como o improvável herói de O Hospedeiro o faz se destacar, mostra que essa é uma de suas performances mais engraçadas.

EXPRESSO DO AMANHÃ

Baseado no quadrinho de francês, Expresso do Amanhã de 2013 devia ter sido um blockbuster nos Estados Unidos. Um filme falado quase que inteiramente em inglês, com temática pós-apocalíptica onde Chris Evans lidera uma rebelião da classe trabalhadora dentro de um trem futurista pode ser descrito como “Jogos Vorazes e Bioshock” que não devia ter sido tão difícil de vender.

A razão dele não ter se saído bem? Como muitos problemas em Hollywood, culpe Harvey Weinstein, que queria fazer vários cortes no filme para o seu lançamento on-demand, quando Bong Joon-Ho se recusou a aceitar os cortes propostos.

Se você ainda não viu, Expresso do Amanhã, é altamente recomendado. O filme agrada a todos os públicos, profundamente idiossincrático, o filme combina brigas brutais, humor absurdo e horror filosófico pesado. O elenco internacional é incrível, e a Ministra Mason interpretada por Tilda Swinton se destaca imensamente. A já atrasada adaptação para a TV eventualmente será lançada no TNT ou na HBO Max, ou em algum lugar por aí.

OKJA

Muitas pessoas já assistiram O Hospedeiro e Expresso do Amanhã, e até mesmo a Netflix decidiu dar carta branca para Bong Joon-Ho fazer o que quisesse como um de seus primeiros filmes originais a se destacar em 2017. O resultado foi Okja, uma história de uma menina e seu super porco que pode muito bem ser o filme mais estranho que Bong já dirigiu.

A premissa de Okja parece simples: Uma empresa de agronegócio fez 26 super porcos geneticamente modificado e colocados em um concurso para ver quem podia cuidar do porco para um eventual abate. A jovem Mija, entretanto, ama seu porco, Okja, e decide impedir que seu amado porco se torne bacon, ela então viaja da Coréia do Sul para Nova Iorque para resgatá-lo. É uma das premissas que podem ser usadas em filmes para a família, e Okja no geral, se parece com um, mas então, as cenas que fazem críticas a abatedouros aparecem, e acabam por nos deixar impressionados.

Okja não se mostrou um grande sucesso (Jake Gyllenhaal nos apresenta uma atuação desconcertante), mas com certeza o filme não é fácil de esquecer, a relação entre a garota e seu porco, é de tocar o coração.

Okja e O Hospedeiro ainda podem ser vistos na Netflix. E você, quais filmes de Bong Joon-Ho já assistiu? Deixe seus comentários e lembre-se de compartilhar essa publicação com seus amigos!




Curte nosso trabalho? Que tal nos ajudar a mantê-lo?

Ser um site independente no Brasil não é fácil. Nossa equipe que trabalha – de forma colaborativa e com muito amor – para trazer conteúdos para você todos os dias, será imensamente grata pela sua colaboração. Conheça mais da nossa campanha no Apoia.se e nos ajude com sua contribuição.