Início FILMES Crítica CRÍTICA – A Caçada (2020, Craig Zobel)

CRÍTICA – A Caçada (2020, Craig Zobel)

134
0
CRÍTICA - A Caçada (2020, Craig Zobel)

A Caçada (The Hunt), filme polêmico que recebeu duras críticas do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, já está disponível sob demanda. Confira nossa crítica completa!

HISTÓRIA

Um grupo de ultraconservadores acorda em um local desconhecido e começa a ser caçado um a um por um grupo de ricos democratas liberais que quer exterminá-los com algo que mais ama: armas de todos os tipos.

ANÁLISE

O longa de Craig Zobel é um filme de comédia macabro. A sátira envolve dois grupos nos quais temos visto bastante em evidência por diversos locais do mundo: de um lado temos pessoas ultraconservadoras, que querem que os costumes, a família e a sua religião sejam a régua e ética moral do mundo que vivem, os chamados “cidadãos de bem”. Do outro, temos ricos liberais, um grupo que zela pelo politicamente correto exacerbado que, todavia, de um lado quer que as pessoas progridam e, de outro, que os “cidadãos de bem” sejam exterminados de formas violentas e sádicas.

O tom adotado pelo roteiro é certeiro. O exagero dos personagens, escancarando que o mundo está cada vez mais bélico foi muito bem adotado em A Caçada.

O fato de termos personagens tão caricatos ajuda muito a não escolhermos um time na trama.

A violência gráfica em alguns momentos é necessária para embasar o exagero de uma forma visual, uma vez que mostra que as pessoas estão extremamente acostumadas com mortes e vísceras sendo expostas.

O ritmo frenético é uma virtude, mas também um problema do longa. Entretanto, o fato do filme descartar muito rapidamente diversos personagens faz com que não tenhamos tempo de nos afeiçoar por ninguém. A quantidade de boas histórias que poderia ser contada se resume a poucos minutos de mortes brutais. Os que sobram são alguns lunáticos unidimensionais, com exceção apenas da protagonista Crystal/Bola de Neve (Betty Gilpin) e a principal antagonista Athena (Hillary Swank).

DESTAQUE DE ATUAÇÃO

Aliás, Hillary Swank e Betty Gilpin dão um show à parte.

Swank é uma atriz completa, pois consegue transitar muito bem em diversos papéis. Aqui, ela é uma CEO durona que mete medo em todos os outros vilões. Perversa, sádica e ameaçadora, contudo, possui um charme vilanesco muto divertido, algo que poderia ter sido mais bem aproveitado pela direção e roteiristas.

Gilpin é uma protagonista badass, com uma presença de cena incrível e extremamente fria. Suas habilidade de guerra são interessantes de ver, pois ela caça os caçadores de forma exemplar.

Betty Gilpin conseguiu nos entregar uma boa protagonista ao estilo dos brucutus dos anos 80, contudo, sem parecer brega e encarar bem as dificuldades da situação.

VEREDITO

Com um roteiro original e boas sacadas sobre os efeitos das fake news e clima tóxico no qual vivemos nos tempos contemporâneos, A Caçada é um filme mais que necessário para um bom entretenimento. Caso esteja procurando algo para se divertir e sentir um guilty pleasure, com certeza o filme é uma boa pedida.

Nossa nota

Confira a crítica completa em vídeo:

Assista ao trailer legendado:

Devido ao fechamento dos cinemas por conta da pandemia do Novo Coronavírus, o filme A Caçada está disponível digitalmente on demand.

Já assistiram? Gostaram ou odiaram o filme? Deixem suas opiniões nos comentários, além de dar uma nota!

Nota do publico
Obrigado pelo seu voto



Curte nosso trabalho? Que tal nos ajudar a mantê-lo?

Ser um site independente no Brasil não é fácil. Nossa equipe que trabalha – de forma colaborativa e com muito amor – para trazer conteúdos para você todos os dias, será imensamente grata pela sua colaboração. Conheça mais da nossa campanha no Apoia.se e nos ajude com sua contribuição.

Comentários