Início FILMES Crítica CRÍTICA – Ricos de Amor (2020, Bruno Garotti)

CRÍTICA – Ricos de Amor (2020, Bruno Garotti)

287
0
CRÍTICA - Ricos de Amor (2020, Bruno Garotti)

A comédia romântica Ricos de Amor é o mais novo filme nacional que chega – no dia 30 deste mês – ao catálogo da Netflix; dirigida por Bruno Garotti, o longa trás no elenco nomes como Giovanna LancellottiDanilo MesquitaErnani Moraes Fernanda Paes Leme.

HISTÓRIA

Teto (Danilo Mesquita), é filho do riquíssimo Teodoro (Ernani Moraes), conhecido como “O Rei do Tomate”.

O rapaz, que em breve herdará a fábrica de tomates de seu pai, percebe sua vida se tornando uma grande confuão quando conhece Paula (Giovanna Lancellotti), uma jovem decidida que estuda para ser médica e se tornar independente.

Com medo da reação da garota, Teto esconde suas raízes e finge ter origem humilde. Porém, essa mentira inicia um espiral de mal entendidos.

ANÁLISE

Com um início arrastado, o longa de Bruno Garotti provavelmente tem essa sensação inicial ao estabelecer a personalidade de “macho escroto” do protagonista Teto.

O personagem de Danilo Mesquita é um jovem playboy do interior conhecido como o Príncipe do Tomate da pequena cidade de Paty dos Alferes, consequentemente, vivendo em uma “bolha de realidade”. Seu melhor amigo, que também é filho do caseiro, vivido pelo ator Jaffar Bambirra é seu choque de realidade e muitas vezes funcionando como “voz da razão” para o riquinho nonsense.

Ricos de Amor segue a cartilha de comédias românticas: temos romance, mudança de caráter e claro, muita confusão.

Sem querer dar spoliers, fiquei feliz por termos aqui um final que é algo relativamente pouco comum neste segmento de filme, fugindo da já conhecida “receita de bolo”.

Os jovens atores Giovanna Lancellotti e Danilo Mesquita convencem com seus personagens Paula Teto, trazendo química e naturalidade na tentativa de formar o par esperado. Isto é, se os planos mirabolantes de Teto não forem por “molho de tomate a abaixo”.

Saindo do enredo “receita de bolo das comédias românticas”, Ricos de Amor se tornou uma grata experiência ao me deparar com dois atores muito queridos por esse que vos escreve: Fernanda Paes Leme Marcos Oliveira.

Fernanda Paes Leme, por eu ter acompanhado seu trabalho desde quando estreou no seriado Sandy & Júnior, da Rede Globo, em 1998. E hoje com seus 36 anos, a atriz que já atuou no teatro, TV e cinema apresenta seus traços da idade (assim como os meus, que tenho a mesma idade), então tive aquela sensação de proximidade que o entretenimento permite com seus famosos.

Marcos Oliveira, é o nosso ilustríssimo e eterno Beiçola da segunda versão de A Grande Família. Com seus 68 anos, o ator quase não lembra mais o querido vendedor de pastéis da família mais querida do Brasil e precisei forçar a memória para reconhecê-lo. Mas após lembrar de onde já tinha visto aquele humilde porteiro, Ricos de Amor transformou-se em algo especial.

VEREDITO

Chegando nesta quinta-feira, 30 de Abril, Ricos de Amor obviamente não concorrerá ao Oscar, mas é um bom divertimento para quem procura passar o tempo nesse período tão difícil que é o distanciamento social por causa do Covid-19.

Mesmo possuindo uma trama “já batida” e personagens secundário rasos, ter novos filmes nacionais por si só já é uma vitória. Mas se uma produção conseguir fazer com que o espetador sinta algum sentimento, então o objetivo foi alcançado com sucesso (mesmo nós sabendo que o objetivo real seja o sucesso financeiro).

Nossa nota

Assista ao trailer oficial:

Lembre-se, Ricos de Amor estará disponível no dia 30 de Abril. Após assistí-lo, volte aqui para deixar seus comentários e sua avaliação!

Nota do público
Obrigado pelo seu voto

Curte nosso trabalho? Que tal nos ajudar a mantê-lo?

Ser um site independente no Brasil não é fácil. Nossa equipe que trabalha – de forma colaborativa e com muito amor – para trazer conteúdos para você todos os dias, será imensamente grata pela sua colaboração. Conheça mais da nossa campanha no Apoia.se e nos ajude com sua contribuição.