Início FILMES Crítica CRÍTICA | Superman – Entre a Foice e o Martelo (2020, Sam...

CRÍTICA | Superman – Entre a Foice e o Martelo (2020, Sam Liu)

252
0
CRÍTICA | Superman - Entre a Foice e o Martelo (2020, Sam Liu)

Superman – Entre a Foice e o Martelo, baseado na graphic novel de Mark Millar, publicada em 2003, é um filme que faz jus a sua criação original. Com uma trama incrível e bem elaborada, Sam Liu conseguiu captar a essência da história original.

E SE SUPERMAN NÃO FOSSE DOS EUA?

A trama de Superman – Entre a Foice e o Martelo é a seguinte: um extraterrestre vindo de Krypton cai na União Soviética nos anos 40. Todavia, ao se tornar um adolescente, vê que é diferente dos demais ao ter poderes extraordinários. Ao se tornar adulto, contudo, decide servir ao Estado, formando uma aliança com Stalin.

ANÁLISE

O longa possui todos os artifícios dos quadrinhos: as questões políticas e o abuso de poder, junto com a utopia de um mundo perfeito na visão e um Messias é algo que dá um valor filosófico e sociológico para a obra. Superman – Entre a Foice e o Martelo é sobre até onde um super-homem é capaz de agir para conseguir implementar seus ideais, seja pela base da força, seja pela base da inteligência.

É aí que entram nossos dois principais personagens da trama: Superman e Lex Luthor. De um lado um ser indestrutível, puro, idealista e invulnerável, de outro, um homem com um intelecto impressionante, tão idealista quanto o Homem de Aço, egocêntrico e poderoso pela sua influência, dinheiro e inteligência, tão forte quanto o Superman.

O mais interessante na história é que não existe um herói de fato. Talvez as únicas personagens que se destacam por seu heroísmo são Louis Lane e Diana Prince, a Mulher-Maravilha, que tem ideologias puras e que querem fazer a diferença pelo bem, sem subjugar seus opostos. Por melhor que sejam suas intenções, o Camarada de Aço coloca seu narcisismo e poder à frente do seu povo, mesmo que seja de uma forma protetiva.

A proposta da HQ e do longa é a seguinte: até onde uma utopia pode ir? Os seres humanos devem agir sozinhos, mesmo que isso os destrua? A liberdade importa, mesmo que seja maléfica em alguns casos.

DIREÇÃO

Liu conseguiu colocar em tela tudo aquilo que Superman – Entre a Foice e o Martelo representa. As licenças poéticas, os pensamentos, a política, tudo está ali.

Todavia, o maior defeito da graphic novel também foi transferido para adaptação animada. Os dois pesos e duas medidas para as ações do Estados Unidos e da União Soviética são bem claros, mostrando que o idealismo de Mark Millar continua vivo. Ou seja, o liberalismo econômico e o exacerbado elogio ao sistema capitalista tiram um pouco do brilho do filme, mas nada que estrague nossa experiência. Sam Liu ficou na linha tênue em tempos de cólera da opinião pública.

A direção de dublagem é um ponto neutro, pois ela está aquém das demais obras-primas das animações da DC Comics como Ponto de Ignição, os filmes do Batman e tantos outros que fazem as animações da empresa ser um sucesso.

VEREDITO

Superman – Entre a Foice e o Martelo respeita o legado de Millar e apresenta algumas mudanças que fazem sentido à trama. Com uma boa história, se consolida como uma das mais importantes animações da DC, acertando mais uma vez em sua longa jornada de sucessos no gênero.

Nossa nota

Confira o trailer legendado da animação:

Gostou de Superman – Entre a Foice e o Martelo? Deixe sua avaliação e seus comentários abaixo!

Nota do público
Obrigado pelo seu voto



E ai, você curte o nosso trabalho?

Se sim, sabe que ser um site independente no Brasil não é fácil. Nossa equipe que trabalha – de forma colaborativa e com muito amor – para trazer conteúdos para você todos os dias, será imensamente grata pela sua colaboração. Conheça mais da nossa campanha no Apoia.se e nos ajude com sua contribuição.