Início FILMES Crítica CRÍTICA – The Last Days of American Crime (2020, Olivier Megaton)

CRÍTICA – The Last Days of American Crime (2020, Olivier Megaton)

293
0
CRÍTICA - The Last Days of American Crime (2020, Olivier Megaton)

The Last Days of American Crime é o novo filme da Netflix, dirigido por Olivier Megaton (Busca Implacável 2) e está em primeiro lugar na lista dos 10 produtos mais assistidos da gigante do streaming.

SINOPSE

Cansado com os aumentos da criminalidade nos Estados Unidos, o presidente decreta que será utilizado um novo dispositivo chamado IPA que tem o intuito de inibir qualquer traço de maldade nos cidadãos estadunidenses.

Em paralelo a isso, Graham Bricke (Édgar Ramirez) busca vingança pela morte de seu irmão Rory, uma vez que ele foi morto na cadeia. Ao receber uma proposta de Kevin Cash (Michael Pitt), Bricke acaba fazendo parte de um grande plano para roubar bilhões de dólares.

ANÁLISE

The Last Days of American Crime é uma confusão sem tamanho. As atuações são mequetrefes e cada minuto a história fica mais sem pé nem cabeça, pois tudo que é apresentado logo em seguida já é descartado.

A proposta do longa inicialmente é interessante, visto que pega algo muito parecido com a ideia de Uma Noite de Crime que são cidadãos tocando o terror nas cidades até perderem sua liberdade total.

Contudo, o longa deixa essa trama para segundo plano e foca na vingança de seu protagonista – que tem zero carisma -, no seu parceiro desmiolado e sua noiva Shelby Dupree (Anna Brewster) que é uma hora femme fatale e na outra uma hacker frágil, tendo camadas irregulares.

Aliás, Anna Brewster é uma das poucas que se salvam, na verdade a única, pois sua personagem é mal escrita, mas a atriz consegue entregar alguma atuação com o pouco que foi oferecido, todavia, não sendo nada de especial.

O roteiro é uma bagunça, com personagens sem nenhuma serventia em qualquer momento, pois eles entram e saem sem nada a acrescentar.

E ainda piora…

Kevin Cash (Michael Pitt).

Se o roteiro e atores são ruins, a direção de The Last Days of American Crime é muito pior!

Olivier Megaton faz um trabalho de câmera que pode gerar epilepsia em algumas pessoas mais sensíveis, pois ela fica o tempo todo trêmula e frenética, deixando o espectador zonzo com o que é apresentado.

A edição de som é estranha, com os personagens com um tom de voz de conversa de elevador em momentos de tensão que não tem tensão nenhuma.

O roteiro tem problemas de fácil resolução e que tiram toda a periculosidade dos vilões em cena.

VEREDITO

Shelby Dupree (Anna Brewster) e Graham Bricke (Édgar Ramirez).

The Last Days of American Crime é um arremedo de filme do gênero de ação. Com atuações pitorescas, roteiro furado e direção confusa é um filme para se passar longe no catálogo da Netflix, mesmo que sua premissa seja interessante.

Nossa nota

E você, concorda conosco? Deixe sua avaliação e comentários!

Confira o trailer de The Last Days of American Crime:

Nota do público
Obrigado pelo seu voto

Curte nosso trabalho? Que tal nos ajudar a mantê-lo?

Ser um site independente no Brasil não é fácil. Nossa equipe que trabalha – de forma colaborativa e com muito amor – para trazer conteúdos para você todos os dias, será imensamente grata pela sua colaboração. Conheça mais da nossa campanha no Apoia.se e nos ajude com sua contribuição.