Início FILMES Crítica CRÍTICA – The Witcher: Lenda do Lobo (2021, Kwang-Il Han)

CRÍTICA – The Witcher: Lenda do Lobo (2021, Kwang-Il Han)

Lenda do Lobo

The Witcher me fascinou desde os primeiros momentos em que pus os olhos na obra de Andrzej Sapkowski. Ainda que funcione como a primeira adaptação da história do jovem Vesemir, The Witcher: Lenda do Lobo nos apresenta elementos até então revelados apenas nas adaptações dos games.

A narrativa apresentada pela animação da Netflix vai mais longe do que a série lançada em 2019 e aprofunda a história do rico mundo do escritor polonês, mesmo sendo uma adaptação livre.

SINOPSE

Ele escapou da pobreza para caçar monstros por dinheiro e glória, mas quando surge uma nova ameaça, Vesemir precisa enfrentar os demônios do passado.

ANÁLISE

The Witcher: Lenda do Lobo é a mais nova animação do estúdio de animação sul-coreano Studio Mir, responsável pela animação A Lenda de Korra. A adaptação conta a história do jovem Vesemir antes mesmo dos Testes das Ervas e muito antes dele se tornar o mestre de bruxos famosos como Geralt, Eskel e Lambert.

A animação tem início quando Vesemir ainda era um jovem servente de uma família nobre. E após a visita de um Witcher, decide partir para se juntar ao grupo de mutantes a fim de ter uma vida melhor.

Ainda que sempre tivesse uma língua afiada, Vesemir nos livros e games, sempre teve um papel de mentor, então a animação mostra uma faceta do personagem nunca antes vista.

Lenda do Lobo

Um dos mais brilhantes elementos do universo criado por Andrzej Sapkowski, e que torna plausível a existência dos Witchers, foi um evento ocorrido há cerca de 1.500 anos antes do período que vemos na história, que passou a ser conhecido como a Conjunção das Esferas.

A Conjunção das Esferas foi um evento que trouxe ao Continente criaturas de um outro mundo. Basicamente, alinhando dois mundos diferentes, jogando na terra onde conhecemos criaturas místicas, fantásticas e assombrosas.

PUBLICAÇÃO RELACIONADA: The Witcher: Lenda do Lobo | Criaturas que queremos ver no filme

O desenvolvimento da trama se dá de maneira rápida, quase tudo é explicado no meio do caminho sem muitas delongas, ou pausas narrativas – e isso não torna A Lenda do Lobo fraca em nenhum aspecto.

Ainda que didático, The Witcher: A Lenda do Lobo funciona também como um spin-off que aprofunda nosso conhecimento acerca do mundo de The Witcher, enquanto nos leva por caminhos completamente novos.

VEREDITO

Lenda do Lobo

As histórias de The Witcher se destacam entre as produções atuais do mesmo gênero graças a elementos muito particulares do seu mundo fantástico.

Aprofundando nossa noção de mundo, The Witcher: A Lenda do Lobo não se limita apenas em apresentar mais sobre o Continente, mas vai além.

Ao nos fazer sentir familiarizados com determinadas histórias, a animação vai onde nem mesmo a série da própria Netflix foi. Mostrando elementos importantes para a história do Continente, como as mutações pelas quais os Witchers passam, e suas habilidades de luta, que vão muito mais além do que vemos Geralt mostrar na série estrelada por Henry Cavill.

O desenvolvimento de personagens, suas tramas e seus elementos únicos fazem dessa a melhor época para se estar vivo se você é um fã de The Witcher.

Nossa nota

5,0 / 5,0

The Witcher: Lenda do Lobo será lançado na Netflix no dia 23 de agosto de 2021.

Confira o trailer da animação:

Curte nosso trabalho? Que tal nos ajudar a mantê-lo?

Ser um site independente no Brasil não é fácil. Nossa equipe que trabalha – de forma colaborativa e com muito amor – para trazer conteúdos para você todos os dias, será imensamente grata pela sua colaboração. Conheça mais da nossa campanha no Apoia.se e nos ajude com sua contribuição.

Artigo anteriorCRÍTICA – Hacks (1ª temporada, 2021, HBO Max)
Próximo artigoCRÍTICA – For Life (1ª temporada, 2020, ABC)
27 anos, apaixonado por cinema, quadrinhos e games!