Início FILMES Crítica CRÍTICA – Um Príncipe em Nova York 2 (2021, Craig Brewer)

CRÍTICA – Um Príncipe em Nova York 2 (2021, Craig Brewer)

Um Príncipe em Nova York 2

Um Príncipe em Nova York 2 é um filme original da Amazon Prime Video, estrelado mais uma vez por Eddie Murphy e Arsenio Hall. O longa é dirigido por Craig Brewer (Meu Nome é Dolemite).

O filme está disponível no catálogo da Amazon.

SINOPSE

Depois de muitos anos, Akeem (Eddie Murphy) finalmente se tornou o rei de Zamunda com sua adorável família real. Entretanto, o descobrimento de um filho perdido, chamado Lavelle (Jermaine Fowler), que mora Nova York pode mudar as estruturas do país. Será que Lavelle estará pronto para o desafio de ser da realeza?

ANÁLISE

Um Príncipe em Nova York 2 foi uma grata surpresa, pois é um dos clássicos dos anos 80 que cativou e divertiu ao mostrar uma jornada incomum de um príncipe em um país com tradições fortes que tentava viver uma via comum poderia ter uma sequência que mostrasse a vida de vários personagens de uma forma mais diferente em uma espécie de conto de fadas para Lisa (Shari Headley). 

Contudo, seus trailers iniciais mostravam um tom mais galhofa, uma vez que a estrutura parecia ser bem diferente, com uma nova roupagem e proposta aos espectadores. 

Assistindo à sequência, vi que a nova ideia é mais do que bem-vinda, pois agora temos um contexto muito diferente dos anos 80, com discussões mais significativas em um tom mais ácido e caricato. 

Um Príncipe em Nova York 2 nos entrega exatamente isso: muita diversão e uma catarse excelente em tempos tristes no nosso atual cenário mundial pandêmico.

O roteiro entrega situações clichês e batidas que incomodam muito em alguns momentos, mas em outros, o filme consegue ser extremamente engraçado, apresentando um humor que mistura o constrangimento com a curiosidade do novo, colocando pessoas comuns em um cenário protocolar e cheio de cerimônias.

A adição de Leslie Jones e Wesley Snipes ao estrelado elenco abrilhantam muito a obra, pois suas atuações são estereotipadas, contudo, no local certo, algo que somou muito na estrutura de Um príncipe em Nova York 2. O restante do elenco é funcional, incluindo Eddie Murphy e James Earl Jones, com uma pequena melhora para Shari Headley que era péssima no primeiro longa.

A direção é eficaz e sabe usar muito bem os atributos de Zamunda, mostrando uma cultura rica, com roupas maravilhosas e apresentações de dança e musicais impressionantes. O filme é um deleite visual.

PROBLEMAS DE UM PRÍNCIPE

Como foi dito anteriormente, o roteiro traz clichês muito absurdos e que nos tiram demais do filme em alguns momentos. 

As personagens femininas praticamente não tem nenhum desenvolvimento e muitos coadjuvantes servem mais como figurantes na trama.

Além disso, o uso de CGI é desnecessário, pois as cenas não somam em nada na trama e, muitas vezes, estão ali para mostrar apenas que o filme tem um orçamento mais robusto. O filme poderia ser mais curto se alguns trechos que não acrescentam em nada fossem cortados. Entretanto, o longa consegue entreter, mesmo com alguns deslizes importantes.

VEREDITO DE UM PRÍNCIPE EM NOVA YORK 2

Um Príncipe em Nova York 2 é uma obra carismática que tem bons valores e sabe muito bem homenagear seu filme de origem, atualizando alguns conceitos e, infelizmente, não conseguindo ultrapassar outros. Com boas sacadas e um texto irreverente, o filme diverte e é uma boa escapada dos nossos problemas do cotidiano.

Minha dica é: veja e dê boas risadas!

Nossa nota

4,0 / 5,0

E vocês, gostaram do filme? Comentem abaixo!

Veja o trailer de Um Príncipe em Nova York 2:

Curte nosso trabalho? Que tal nos ajudar a mantê-lo?

Ser um site independente no Brasil não é fácil. Nossa equipe que trabalha – de forma colaborativa e com muito amor – para trazer conteúdos para você todos os dias, será imensamente grata pela sua colaboração. Conheça mais da nossa campanha no Apoia.se e nos ajude com sua contribuição.