Início FILMES Crítica CRÍTICA – Viúva Negra (2021, Cate Shortland)

CRÍTICA – Viúva Negra (2021, Cate Shortland)

CRÍTICA - Viúva Negra (2021, Cate Shortland)

Não é exagero dizer que esperamos esse filme por muito tempo e a sua chegada é mais que especial. Viúva Negra está tendo seu momento de glória tanto nos cinemas, quanto no Disney+, trazendo muita felicidade para os fãs ao redor do planeta.

O filme se passa após os eventos de Capitão América: Guerra Civil e antes dos acontecimentos de Vingadores: Guerra Infinita, e traz a protagonista do filme Natasha Romanoff (Scarlett Johansson) fugindo do General Ross (William Hurt), que pretende prendê-la pela violação no tratado de Sokovia.

A crítica a seguir pode conter alguns spoilers da trama.

SINOPSE

Ao nascer, Natasha Romanoff é entregue à KGB, que a prepara para se tornar sua agente suprema. Perseguida por uma força que não irá parar até derrotá-la, Natasha terá que lidar com sua antiga vida de espiã e também reencontrar membros de sua família que deixou para trás antes de se tornar parte dos Vingadores.

ANÁLISE

Logo no início de Viúva Negra acompanhamos a pequena Natasha, interpretada por Ever Anderson, uma menina corajosa, preocupada e séria que cuida de sua irmã Yelena (Violet McGraw), uma criança inocente, frágil e bastante alegre.

É passada uma impressão de que eles são uma família feliz, mas tudo isso muda no momento que Alexei Shostakov (David Harbour) chega em casa e chama Melina Vostokoff (Rachel Weisz) para conversar. Aparentemente, Alexei havia concluído uma missão, e eles precisam entregar os resultados para Dreykov (Ray Winstone), um homem poderoso que fundou e comanda a Sala Vermelha.

É nesse momento do filme que se iniciam os créditos, com uma sequência de imagens que mostram meninas sendo sequestradas pela Sala Vermelha. Vemos crianças treinadas para serem espiãs e a presença de agentes do programa de Dreykov em momentos históricos. A edição é embalada pelos gritos e choros das crianças mesclados ao cover de Malia J. para Smells Like Teen Spirit, um clássico do Nirvana.

Após os créditos iniciais temos um salto no tempo, mostrando Natasha em fuga e descobrindo que a Sala Vermelha ainda está na ativa sob o comando de Dreykov. A informação lhe assusta, pois sua última missão antes de entrar para a S.H.I.E.L.D. teve como objetivo explodir um prédio de cinco andares e assassinar Dreykov e sua filha.

Adiante na história, Natasha se encontra com Yelena, agora interpretada por Florence Pugh. A irmã lhe explica sobre as novas agentes que estão sendo quimicamente manipuladas para se tornarem assassinas sem pudores. Juntas, elas se unem para derrotar o grande vilão que está por trás disso tudo.

CRÍTICA - Viúva Negra (2021, Cate Shortland)

Acredito que a atuação da Scarlett Johansson, além de fundamental para Viúva Negra, foi excepcional e conseguiu dar um ótimo desfecho para a história de Natasha Romanoff após aquele acontecimento de Vingadores: Ultimato. Em nenhum momento senti que a personagem estivesse passando o seu manto para a Yelena, mas sim aproveitando o máximo de tempo possível com a sua irmã.

O protagonismo da atriz foi emocionante, e todas suas cenas de combate são de arrepiar. Em certos momentos pensamos até que Natasha poderia morrer, tamanha a dificuldade enfrentada pela personagem. Entretanto, lembramos da timeline da franquia e logo percebemos que isso não é possível.

A atuação da Florence Pugh chama atenção por sua personagem ser bem carismática e habilidosa, fora o seu modo sarcástico que transita para a seriedade em questão de segundos. As coreografias de lutas não só entre Natasha e Yelena, mas também contra as viúvas que permaneceram controladas pela Sala Vermelha me chamaram muita atenção, pois foram muito bem executadas.

Melina, a personagem da atriz Rachel Weisz, foi fundamental para a trama. Sendo um elemento principal para um plot específico da história, a personagem foi muito bem inserida no universo Marvel.

Por sua vez, Alexei traz alívio cômico em cenas que são tristes e melancólicas. O personagem de David Harbour é um bom coadjuvante, funcionando como um guia para preencher lacunas em aberto e compartilhar informações essenciais no desenvolvimento da história.

CRÍTICA - Viúva Negra (2021, Cate Shortland)

As cenas com o Treinador, vilão do filme, demonstram a habilidade do personagem em copiar e aperfeiçoar os movimentos e golpes de seus adversários. No decorrer da produção, podemos identificar que ele consegue imitar as táticas de luta dos Vingadores e seus apetrechos de combate.

A atuação do ator O.T. Fagbenle trouxe certo ar de comédia para algumas cenas, além de uma tensão amorosa entre ele e Natasha. Não é confirmado que eles tinham algum relacionamento além de sua amizade, que aparentava ser duradoura.

VEREDITO

Viúva Negra é emocionante e tem várias cenas arrepiantes e de tirar o fôlego. Não só nos combates, mas nas interações entre os personagens durante seus diálogos, o longa proporciona diversas gargalhadas, aflições e aquele sentimento de medo do que está por vir.

Acredito que a diretora Cate Shortland conseguiu transmitir toda sua emoção e suas ideias nesse filme, nos fazendo sentir como se a produção estivesse mesmo acontecendo na ordem cronológica do Universo Cinematográfico Marvel.

Além de, é claro, passar a mensagem sobre empoderamento feminino, tanto pela atuação da Scarlett, quanto pela diversidade de atrizes que foram escaladas para os seus papéis.

Nossa nota

5,0/5,0

Assista ao trailer:

Curte nosso trabalho? Que tal nos ajudar a mantê-lo?

Ser um site independente no Brasil não é fácil. Nossa equipe que trabalha – de forma colaborativa e com muito amor – para trazer conteúdos para você todos os dias, será imensamente grata pela sua colaboração. Conheça mais da nossa campanha no Apoia.se e nos ajude com sua contribuição.

 

Artigo anteriorNoites Sombrias #22 | Rua do Medo – 1978: Parte 2 (2021, Leigh Janiak)
Próximo artigoCRÍTICA – Memórias de Verão (2021, Ozan Açiktan)
Oi, meu nome é Matheus e amo muito tudo que envolve heróis, poderes e afins. Sou extrovertido e dedicado em tudo que me interessa.