Início FILMES Artigo John Boyega: Por que Hollywood espera que artistas negros sejam gratos?

John Boyega: Por que Hollywood espera que artistas negros sejam gratos?

52
0
O caso de John Boyega: Porque Hollywood espera que artistas negros sejam gratos?

Para John Boyega, o Finn da última trilogia de Star Wars, não existe uma boa experiência quando a indústria aborda com maus tratos irrefletidos e sistemáticos os personagens negros em sucessos de bilheteria.

Não muito tempo atrás era inimaginável ver pessoas negras em filmes de Hollywood, basta lembrar de Hattie McDaniel, a primeira atriz negra a ganhar um Oscar em 1940 por E o Vento Levou. Agora que quase 80 anos se passaram, Hollywood insiste em querer contar sua própria narrativa de como os negros precisam ser gratos pelas oportunidades recebidas. 

Em entrevista para GQ Magazine, o ator fala pela primeira vez desde A Ascensão Skywalker:

“Sou o único membro do elenco que teve sua experiência em Star Wars ser baseada na sua cor de pele. Vamos deixar por isso. Isso te deixa irritado com o processo, faz você ser mais militante. Te muda porque você percebe: ‘Consegui essa oportunidade mas estou em uma indústria que sequer está pronta para mim’.”

Alguns podem achar que John Boyega está sendo ingrato, mas não se trata de gratidão, o próprio reconhece o “trampolim” que Star Wars foi para sua carreira. Porém, sejamos honestos, Hollywood sempre espera discursos emocionantes sobre como foi uma ótima experiência para os artistas negros porque existe uma síndrome de Princesa Isabel no ramo cinematográfico.

É aquela velha história, os brancos que são os heróis precisam defender e ajudar os negros que são as vítimas (sabe Green Book: O Guia, vencedor do Oscar de Melhor Filme de 2019?). Nesse caso, é ainda mais interessante pelo fato da própria Hollywood ter imposto a maioria dos estereótipos que conhecemos sobre personagens negros.

Mas, Boyega sabe bem disso, afinal, na entrevista ele relembrou alguns momentos que passou em Star Wars. Enquanto divulgava os filmes, o figurinista se envergonhou de algumas roupas que ele queria usar e o cabeleireiro não tinha experiência para trabalhar com o seu tipo de cabelo, mas ainda “teve a coragem de fingir” que tinha.

Esses acontecimentos foram uma somatória para John Boyega perder a capacidade de “sorrir e aturar isso como se fosse um ganhador agradecido de uma competição”. Além disso, não há gratidão em ver um personagem negro tão importante para a causa da representatividade ser deixado de lado.

“O que eu diria para a Disney é: não crie um personagem negro, o venda como se fosse muito mais importante para a franquia do que ele realmente é e então o coloque de lado. Isso não é bom.”

Não é a primeira vez e nem será a última que personagens negros são desperdiçados em tela. Hollywood quer de todas as maneiras ser inclusiva quando ao menos perguntou a artistas negros suas opiniões sobre seus próprios trabalhos. Logo, Boyega tem toda razão quando diz:

“O estúdio sabia o que fazer com Daisy Ridley, e sabia o que fazer com Adam Driver. Eles sabiam o que fazer com os outros, mas quando chega em Kelly Marie Tran e John Boyega, que se fod** eles. Então você quer que eu diga? Eles querem que eu fale que adorei ter sido parte disso, que foi uma grande experiência… não, não, não. Aceito falar isso quando, de fato, tiver sido uma grande experiência. Deram desenvolvimento só para Adam Driver e Daisy Ridley, vamos ser honestos. Daisy sabe disso. Adam sabe disso. Todo mundo sabe, não estou expondo nada.”

John Boyega muito além de Star Wars

Londres, Inglaterra – 03 de Junho: Ator John Boyega faz um discurso emocionado durante protesto Black Lives Matter em Hyde Park; após George Floyd, um homem afro-americano, ser morto por policiais brancos em Minneapolis, EUA.

O ator foi uma das vozes do movimento Black Lives Matter na Inglaterra em Junho, ao subir em uma escada com um megafone, John Boyega falou de coração para milhares de pessoas sobre justiça racial.

“Às vezes você só precisa ficar bravo. Às vezes você não tem tempo o suficiente para jogar…”

Dessa forma, se por um lado, o ator é constantemente interpretado como um homem negro irracional por suas atitudes e falas. Por outro, temos um homem negro que não tem nenhuma obrigação em ser gentil com Hollywood.

“…meu pai sempre disse uma coisa: ‘Não gaste seu respeito em excesso. Você pode ser respeitoso, mas às vezes estará se colocando como inferior’.”

Logo, seja pela sua voz ou seu enorme talento, Boyega continua a crescer na indústria cinematográfica sem usar a máscara da gratidão. Ele interpreta um policial na próxima série antológica criada e dirigida por Steve McQueen, Small Axe que estreará na Amazon Prime Video em Outubro.

Após 80 anos da primeira artista negra que recebeu um Oscar, pouca coisa mudou em Hollywood. Ainda que a indústria ache que está fazendo um bom papel, não parece ser certo que a visibilidade das pessoas negras sejam carregadas por falsas gratificações.

Hollywood não está fazendo caridade. Dessa forma, John Boyega expressa clareza sobre sua indignação e com isso, tem esperança. Precisamos ter também.

PUBLICAÇÃO RELACIONADA – Martelada #33 | Racismo na cultura pop e nossas experiências



Curte nosso trabalho? Que tal nos ajudar a mantê-lo?

Ser um site independente no Brasil não é fácil. Nossa equipe que trabalha – de forma colaborativa e com muito amor – para trazer conteúdos para você todos os dias, será imensamente grata pela sua colaboração. Conheça mais da nossa campanha no Apoia.se e nos ajude com sua contribuição.