Início FILMES Crítica TBT #35 | Scarface (1983, Brian De Palma)

TBT #35 | Scarface (1983, Brian De Palma)

594
0
TBT #35 | Scarface (1983, Brian De Palma)

Uma boa refilmagem é aquela que consegue atualizar e acrescentar elementos à uma ideia já apresentada anteriormente de forma para enriquecê-la e torná-la mais palatável ao mundo moderno, mas sem jamais trair a essência da obra original. Talvez um dos exemplos mais palpáveis de bom remake seja o clássico de 1983, Scarface, comandado pelo diretor Brian De Palma e estrelado por Al Pacino, em um dos papéis mais brilhantes de sua carreira. Sendo uma refilmagem do filme de gângster da década de 30, esse remake atualiza e intensifica aquilo que já havia sido apresentado no filme original, aprimorando a sua mensagem e transformando a refilmagem em um dos maiores clássicos da história do cinema.

E quais são os limites para um homem conseguir o que quer? Na década de 80, o criminoso cubano Tony Montana (Al Pacino) é exilado e vai para Miami onde, após não muito tempo, passa a trabalhar para o chefão das drogas local. Entretanto, a ambição desmedida de Montana combinada com uma terrível paranoia, logo vai garantindo para ele uma escalada natural no mundo do crime, transformando ele próprio no chefão absoluto das drogas. Assim, a trama se torna um orgânico estudo de personagem onde se analisa, através do cenário do submundo do crime, a ganância do homem moderno.

Ao invés do glamour da máfia ou mesmo de algo mais urbano e divertido, com piadas e conversas corriqueiras, que tenta gerar algum tipo de empatia ou admiração do espectador, temos aqui algo extremamente incômodo e visceral. Um verdadeiro tour-de-force de Al Pacino, vemos toda a ganância, falta de escrúpulos e, resumidamente, a ausência de qualquer tipo de sentimento positivo em Tony Montana, numa trajetória de ascensão e (vertiginosa) queda, marcada pela solidão.

A trilha sonora deste filme é um divisor de opiniões, pois não conseguiu agradar todo o público. Apesar de cumprir o seu papel de forma geral, o destaque fica com a canção “Push It To The Limitdo compositor e músico Paul Engemann, enquanto a música é executada, Tony está em cena alcançando a sua ascensão.



Os elementos técnicos são bem utilizados como angulação inferior ou superior com a câmera procurando sempre o centro, movimentos giratórios leves, e o foco nas expressões faciais dos personagens fazem da fotografia um banho de atmosfera. As cenas dinâmicas unidas a um figurino bem oitentista e o clima praiano de Miami tornam a obra o cúmulo do estilo.

A atuação de Al Pacino é o grande chamariz do longa, transborda e domina talento com carisma. Sotaque perfeito, com um olhar desconfiado e provocador, acrescentando oscilações repentinas no tom de voz. Contendo diálogos inteligentes, mostrando a degradação humana forjada pela ambição de poder e voltado para expor o desenvolvimento psicológico do protagonista.

Scarface é um filme memorável. O roteiro de Oliver Stone funciona e é alinhado com a excelente direção de Brian De Palma. Al Pacino destrói mais uma vez, representando a inconformidade humana exibindo a grandeza de perceber a dor e nos faz lembrar que é o mundo do próprio homem que o deforma moralmente.

Nossa nota

Confira o trailer do filme abaixo:

E você já assistiu Scarface? Se você já assistiu, deixe seus comentários e sua avaliação. Caso não faça o seu estilo de filme, lembre-se conferir nossas indicações anteriores do TBT do Feededigno e say hello to my little friend!.

Nota do publico
Obrigado pelo seu voto

Comentários