Início FILMES Crítica TBT #8 | Akira (1988, Katsuhiro Otomo)

TBT #8 | Akira (1988, Katsuhiro Otomo)

122
0
TBT #9 | Akira (1988, Katsuhiro Ôtomo)

O grande clássico do estilo cyberpunk, Akira, é baseado no mangá japonês de mesmo nome e também com roteiro e arte de Katsushiro Otomo que teve apenas 6 volumes lançados em 20 de dezembro de 1982.

A animação, lançada em 1988 com direção do próprio Katsushiro é um dos filmes mais importantes e influentes de toda história da animação japonesa e uma das maiores obras primas da animação mundial e figura entre os 500 melhores filmes de todos os tempos listados pela revista Empire.

Foi o primeiro filme de animação japonesa a ser exibida em cinemas brasileiros como um filme mainstream. Além disso, o filme rendeu ao diretor Katsushiro Otomo o prêmio Silver Scream Award no Amsterdam Fantastic Film Festival em 1992 e foi condecorado com a medalha de honra do governo Japonês e cá entre nós, merecia todos os prêmios possíveis e imagináveis.

A história de Akira acontece em um futuro distópico – que à época seria 2019 -, na cidade de Neo Tokio; uma cidade artificial, que esbanja arranha-céus como símbolo da hiper modernização e opulência, criada onde hoje é a baía de Tóquio.

O enredo marcante e que prende desde os primeiros minutos, conta a história de Shotaro Kaneda que é líder de uma gangue de motoqueiros junto com seu melhor amigo Tetsuo Shima, mas a história não é apenas de briga entre gangues; com um tom político anárquico bem claro desde o início, Akira aborda temas como o trauma nuclear do Japão e o poderio militar de destruição em grande escala. E é neste cenário de poderio militar que se encontra Tetsuo, que durante uma perseguição a uma gangue rival atropela uma criança que milagrosamente não sofre nem um arranhão. Neste momento aparecem agentes do governo liderados por um homem misterioso conhecido apenas por seu título: Coronel.

Ao capturem a criança, Tetsuo é levado com eles. Em uma instalação do governo descobrimos que o incidente com a criança misteriosa bem como os testes realizados acordaram os poderes psíquicos latentes em Tetsuo, gerando como “efeito colateral” constantes visões de uma força arrebatadora chamada Akira e que está diretamente envolvida no ataque atômico que dizimou Tóquio, 31 anos atrás. E em meio ao caos, Kaneda fará tudo para ajudar seu melhor amigo.

Tetsuo e Kaneda.

Confira abaixo o trailer:

Em 2008 a Warner Bros. adquiriu os direitos sobre a graphic novel e, desde então, tenta levar adiante o projeto de uma versão live action de Akira. Vamos torcer para que o projeto saia do papel e seja uma obra tão grandiosa quanto a animação, incluindo a icônica motocicleta vermelha de Kaneda; que foi brilhantemente incluída por Steven Spielberg na adaptação de Jogador Nº1 e deixou os fãs da obra de Katsushiro )tomo com gostinho de “quero mais”.

PUBLICAÇÃO RELACIONADA | CRÍTICA – Jogador Número 1 (2018, Steven Spielberg)

Akira está disponível na Netflix. Se ainda não assistiu a este clássico: Assista! Se já assistiu ou é fã, então deixe nos comentários sua opinião sobre o filme, o que o torna tão marcante pra você?

Nossa nota
Nota do publico
Obrigado pelo seu voto

Comentários