Início GAMES Crítica CRÍTICA – Destroy All Humans! (2020, THQ Nordic)

CRÍTICA – Destroy All Humans! (2020, THQ Nordic)

51
0
Destroy All Humans

Destroy All Humans! foi lançado originalmente para PlayStation 2 e para o Xbox em 2005. O adorado game em 2020 ganhou um remake para o PlayStation 4, Xbox One, Google Stadia e PC. O game conta a história de Cryptosporidium, também conhecido como Crypto, um guerreiro Furon que vem à Terra para resgatar um de seus clones que caiu no planeta e foi capturado por humanos a fim de ser estudado.

Crypto é um daqueles alienígenas cinzas, mais conhecidos como “Gray”. No game, ele é comumente chamado de alienígena verde, ato que ele contesta sem pestanejar.

Crypto é da raça Furon, a raça perdeu a habilidade de se reproduzir e desde então, vem se clonando. Ao início do game, os Furon estão chegando agora ao seu esgotamento, quase não podendo mais criar clones.

Além de resgatar seu clone, Crypto é incumbido da missão de tentar restaurar a antiga glória de seu povo e seu império, ao coletar o DNA humano, que contém uma porcentagem de DNA Furon.

AMBIENTAÇÃO

Destroy All Humans

O game é ambientado no que parece ser os anos 50. O pós-guerra e todos os temores de uma paz recém-adquirida são abordados de forma leve e irônica. Questionando sempre o “American Way of Life“.

A modelagem 3D dos personagens nos fazem sentir envoltos no momento histórico no qual parecia ser necessário apenas uma fagulha, para reacender todos os conflitos e fazer o mundo mergulhar novamente em um caos incessante.

A sombra do comunismo e a forma como os Estados Unidos parecia temer a antiga União Soviética flerta e permeia a história do game, sendo possível até mesmo culpar o país europeu por uma invasão alienígena.

JOGABILIDADE

A jogabilidade de Destroy All Humans! é extremamente divertida, e proporciona diversas aproximações para as mais adversas ameaças. A probabilidade de você sorrir em meio à destruição de cidades americanas, e o divertido enredo, são enormes, então se você planeja ser incisivo e sério em sua empreitada de dominar o planeta azul, pense novamente.

As habilidades tanto de Crypto quando de sua nave espacial, tornam a jogabilidade especialmente únicas, podendo variar de jogador para jogador, de acordo com seus upgrades (que são possíveis de realizar tanto em Crypto, quanto em seu meio de transporte).

A fragilidade do protagonista é inversamente proporcional à capacidade de destruição de sua nave. Tenha em mente, que somos capazes de queimar as unidades e as defesas terrestres do alto sem qualquer dificuldade. Ao optar por não colocar nenhum peso nas escolhas do jogador, Destroy All Humans! mostra que tanto os poderes diretamente destrutivos, podem ser divertidos, assim como os mentais, no qual apertamos um direcional para atrair um personagem, ou outro direcional para colocar o “Holozé”, para funcionar.

Apesar de uma premissa extremamente simples, o game parece tomar liberdades e direções que nos deixam tanto abismados, quanto surpresos. Tirando risadas, e provocando certo estranhamento quando encarados por personagens que atestam a existência de alienígenas.

As principais linhas de defesa da Terra, assim como os principais antagonistas do game, são a Majestic. Uma organização do governo coordenada para evitar e prevenir qualquer ataque vindo do espaço.

VEREDITO

Destroy All Humans

O brilhantismo do game reside no fato dele não se levar a sério, e do fato de Crypto tirar sarro de qualquer costume terrestre. Nos fazendo tanto parar para pensar, quanto nos rendendo algumas boas gargalhadas.

Destroy All Humans! mostra de forma clara que a humanidade não é nem um pouco digna de confiança, e que apesar de esperar visita de seres superiores, mais evoluídos, estamos prontos para abatê-los do céu em um segundo.

O game tira sarro e reproduz típicos clichês, ou sinais do tempo, de uma época temerosa, cujos preconceitos e medos tomavam conta daqueles que preferiam se fechar em seus mundos, a aceitar o diferente, e que o mundo estava mudando.

O game se mostra extremamente divertido, e nos mostra que a Terra seria facilmente dominada, até mesmo por um exército de um homem só. Ou melhor, exército de um gray só.

Nossa nota

Confira o trailer do game:

Você já teve a oportunidade de jogar Destroy All Humans? Se sim, deixe seus comentários e sua avaliação abaixo. Se não teve oportunidade de jogar, confira nossas gameplays!

Nota do público
Obrigado pelo seu voto



Curte nosso trabalho? Que tal nos ajudar a mantê-lo?

Ser um site independente no Brasil não é fácil. Nossa equipe que trabalha – de forma colaborativa e com muito amor – para trazer conteúdos para você todos os dias, será imensamente grata pela sua colaboração. Conheça mais da nossa campanha no Apoia.se e nos ajude com sua contribuição.