Início GAMES Crítica CRÍTICA – Stranded Sails (2019, Lemonbomb Entertainment)

CRÍTICA – Stranded Sails (2019, Lemonbomb Entertainment)

79
0
CRÍTICA - Stranded Sails (2019, Lemonbomb Entertainment)

Stranded Sails: Explorers of the Cursed Islands é um game desenvolvido pela Lemonbomb Entertainment e publicado pela Merge Games.

Prepare-se para se jogar e se aventurar pelos sete mares em gráficos polidos e esmero nos mínimos detalhes, sem medo ou receios, pois sua tripulação depende de você.

O estúdio independente alemão, desenvolvedor do também Nova Nukers, lançado em 2018 para PlayStation 4, Xbox One e PC, têm-se destacado cada vez mais pelo empenho em criar um mundo conciso, minimamente detalhado, que parece fazer questão de mostrar a seu público que apesar de não tão ambicioso, um game pode se mostrar divertido, e pode te entreter por horas, se você é um fã de Farm Sims.

Stranded Sails nos coloca- na pele do filho de um capitão de um navio recém-naufragado, que logo após o acidente, nos incumbe da missão de resgatar e reunir sua tripulação. Nos primeiros minutos, somos uma criança – podemos escolher o gênero do personagem e seu nome – que acaba de completar idade o suficiente para partir em sua primeira viagem junto de seu pai. Pouco tempo depois, nos vemos como exploradores em busca dos itens necessários para sua progressão e o desenvolvimento do personagem como um homem e algo análogo a um pirata.

Com uma história que não se leva muito a sério, se provando um misto entre aventura, crafting e exploração, Stranded Sails: Explorers of the Cursed Island nos joga em um mundo graficamente interessante, com câmera top-down, que nos lembra games como os recentes Stardew Valley, Rite of Life, e que parece ter bebido diretamente da fonte do clássico Harvest Moon para SNES.

Com um design extremamente polido, e uma jogabilidade imersiva, somos capazes de passar horas e horas vendo a água lavar nossos pés na areia das mais diversas ilhas que temos acesso, e até mesmo vendo crescer as plantas que acabamos de plantar.



JOGABILIDADE

gameplay de Stranded Sails: Explorers of the Cursed Island se mostra simples nos primeiros momentos, mas conforme a progressão, e se você for um horder aquelas pessoas que não gastam os itens com frequência, guardando até os últimos momentos recursos que talvez você nem mesmo use – os controles e a seleção de itens, que é feita no analógico direito, te fará tomar um tempo até encontrar o item que você enfim quer usar.

A exploração pelo arquipélago em que somos lançados se mostra um pouco confusa, vale apontar que algumas direções além do mapa que temos acesso a qualquer momento viriam a calhar.

Por contar com muito backtracking – revisitar alguns pontos já explorados do game, Stranded Sails pode se provar por vezes cansativo, nos fazendo revisitar diversos pontos das ilhas a fim de coletar itens que proporcionam uma qualidade maior na jogabilidade, sendo possível por vezes “prever” os itens a serem coletados.



GRÁFICOS

Com cenários e ambientes que parecem ter sido feitos com extremo cuidado, podemos notar em detalhes como os móveis de um dormitório extremamente bem detalhados, assim como os mais diversos designs de personagens e coletáveis – só um comentário fofo que quero apontar, é que até mesmo a poeira de onde pisamos na areia da praia se levanta caso a gente corra, sem falar nas tartarugas que se escondem dentro de seus cascos caso nos aproximemos demais.

Com um mapa que conta com dimensões fixas, não sendo gerados proceduralmente, somos capazes de nos guiar pelo arquipélago em que os sobreviventes do naufrágio atualmente estão sem maiores problemas. Vale apontar que as missões que nos são apresentadas, não nos dão muitas direções, apenas norte, sul, leste ou oeste. Sendo assim, itens como um mapa, uma luneta ou até mesmo partes de diálogos nos indicam pouco mais dos lugares para os quais precisamos viajar a fim de cumprir mais rapidamente algumas das missões simples.

Como o subtítulo do game sugere, conforme a progressão, deixamos de ser meras crianças, e rapidamente nos tornamos desbravadores das Ilhas Amaldiçoadas. Stranded Sails: Explorers of the Cursed Island não parece ter intensão de inovar no que se refere a jogabilidade de games que o antecederam, não mostrando nada muito novo, a não ser na questão do design. A fim de não revelar muito do enredo de Stranded Sails, não vou me aprofundar muito na história, me atendo muito mais na jogabilidade e na imersão.



Confira o trailer de lançamento:

Nossa nota

Stranded Sails: Explorers of the Cursed Islands foi lançado no dia 16 de Outubro para Nintendo Switch, PlayStation 4, Xbox One e PC.

Nota do publico
Obrigado pelo seu voto

Curte nosso trabalho? Que tal nos ajudar a mantê-lo?

Ser um site independente no Brasil não é fácil. Nossa equipe que trabalha – de forma colaborativa e com muito amor – para trazer conteúdos para você todos os dias, será imensamente grata pela sua colaboração. Conheça mais da nossa campanha no Apoia.se e nos ajude com sua contribuição.

Comentários