CRÍTICA – Xenoblade Chronicles 3 (2022, Nintendo)

    Xenoblade Chronicles 3 é o mais novo título da famosa franquia de JRPG da Nintendo desenvolvida pela MONOLITHSOFT.

    Lançado em 29 de julho de 2022 exclusivamente para Nintendo Switch, esse é o sétimo jogo da série e conta também com o conteúdo adicional Xenoblade Chronicles 3 Expansion Pass, vendido separadamente, que fará quatro adições ao game até 31/12/2023.

    Confira nossa análise de Xenoblade Chronicles 3 sem spoilers.

    SINOPSE

    Viva para lutar. Lute para viver.

    Junte-se a Noah e Mio, membros das duas nações opostas de Keves e Agnus, em uma jornada emocionante por um mundo em guerra com um segredo sombrio. Atravesse territórios fantásticos enormes e domine o combate de RPG ininterrupto em tempo real enquanto expõe o verdadeiro inimigo que manipula este conflito.

    ANÁLISE DE XENOBLADE CHRONICLES 3

    Não há como negar: o que mais chama atenção à primeira vista é a qualidade gráfica de Xenoblade Chronicles 3. Desde que foi anunciado na Nintendo Direct de fevereiro deste ano, passando pelo evento digital exclusivo sobre o game, os gráficos sempre foram o ponto mais forte do novo jogo.

    E, realmente, o que foi apresentado nos trailers e na Nintendo Direct especial é o que vemos rodando na TV e no modo portátil do Nintendo Switch.

    A desenvolvedora MONOLITHSOFT, empresa que pertence à Nintendo, está de parabéns por mais um excelente trabalho gráfico. O estúdio já trabalhou em clássicos como The Legend of Zelda: Breath of the Wild (2017) e Animal Crossing: New Horizons (2020) e agora surpreende mais uma vez, provando que realmente sabe como aproveitar ao máximo o potencial de hardware do Nintendo Switch.

    Mas os pontos positivos não se limitam aos lindos gráficos.

    A jogabilidade é acessível, desafiadora, estratégica e viciante. Tudo isso ao mesmo tempo. De início achei estranho o combate e uma experiência truncada no tutorial inicial e nos primeiros passos em Xenoblade Chronicles 3. Nessa parte do jogo não parece fazer sentido que o ataque básico de Noah seja automático de tempos em tempos, mesclando essa mecânica com ataques carregados (Arts) e um especial (Talent Arts).

    No entanto, o jogo se supera e tudo passa a fazer sentido a partir do momento que o trio de Keves (Noah, Eunie e Lanz) une forças com o grupo de Agnus (Mio, Taion e Sena). É a partir daí que as mecânicas de combate passam a oferecer todo o seu potencial, tornando a experiência extremamente agradável e passando a exigir uma gameplay mais estratégica.

    Xenoblade Chronicles 3 também surpreende por constantemente acrescentar algo novo à experiência, principalmente no que diz respeito às habilidades dos personagens, às classes e à progressão dos equipamentos. Os acréscimos são sempre certeiros e fazem com que a experiência não fique saturada.

    Lançado em 29 de julho de 2022, Xenoblade Chronicles 3 é o novo jogo da franquia desenvolvida pela Nintendo com a MONOLITHSOFT. Leia o review
    Créditos: Nintendo / Divulgação

    A experiência é agradável mesmo que a interface (User Interface – UI) seja um tanto poluída, algo típico dos JRPGs. Particularmente eu não sou fã da UI dos jogos do gênero, mas em Xenoblade Chronicles 3 elas ficam em último plano. Isso acontece não apenas pelo game design e pelas mecânicas de combate, mas também porque os tutoriais são sempre certeiros e didáticos.

    E mais: Mesmo que você esqueça de algo, as instruções podem ser acessadas pelo menu do jogo a qualquer momento. Bem, na verdade em quase qualquer momento.

    Digo quase porque durante as batalhas não se pode acessar o menu, nem pausar o jogo. Para mim esse é o único ponto negativo de Xenoblade Chronicles 3, pois isso somado às lindas e longas cutscenes compromete aquela jogada casual ou em trânsito, quando a qualquer momento você pode ter que deixar o console de lado.

    No entanto, nem isso é capaz de tirar o brilho desse que é um dos melhores jogos de 2022.

    A história em Xenoblade Chronicles 3 (sem spoilers)

    Não posso deixar de falar sobre a história, mas sem dar spoilers. Esse foi o meu primeiro contato com a franquia Xenoblade Chronicles e achei que isso poderia comprometer a experiência. No entanto, o enredo de Xenoblade Chronicles 3 não é restritivo, o que torna o título acessível para todos os públicos com idades a partir de 14 anos.

    A trama envolve diferentes nações que vivem exclusivamente para batalhar e tentar chegar aos 100 anos e ser condecorado na cerimônia chamada Homecoming. Os 100 anos são contabilizados como 10 ciclos de 10 anos, conhecidos no jogo como termos.

    Ou seja: Ou você vive até lá e morre como um herói centenário, ou morre em batalha tentando conquistar esse reconhecimento.

    A história cativa principalmente pela relação conturbada entre as nações e suas diferentes colônias, e a tradicional jornada do herói que une os trios de Keves e Agnus em busca de algo maior. Além disso, o constante ir e vir da narrativa por meio de memórias dos personagens agrega elementos interessantes, em especial a reflexão de que cada ser tem seus próprios anseios e medos, mesmo que vivam em terras distintas e sejam diferentes entre si.

    Xenoblade Chronicles 3 possui um dos gráficos mais bonitos do Nintendo Switch
    Créditos: Nintendo / Divulgação

    É importante destacar que Xenoblade Chronicles 3 não é um jogo de mundo aberto, e sim de zonas abertas. O desbloqueio de novas áreas do mapa em cada zona algumas vezes está condicionado ao avanço da história. Isso torna a narrativa mais interessante.

    Vale mencionar também que as side quests não são excessivas e também não são desconexas da história principal, o que eu considero muito positivo.

    Por fim, mas não menos importante, é fundamental dizer que a história de Xenoblade Chronicles 3 é muito longa. Pode ser necessário investir pelo menos 55 horas para terminar a história principal, com o dobro de tempo dedicado a zerar completamente o jogo.

    Some a isso o fato de que ainda serão lançadas mais três partes do conteúdo adicional até o fim de 2023 e você provavelmente terá pelo menos 150 horas de jogo para se divertir e se encantar com o lindo trabalho gráfico.

    A espetacular trilha sonora

    A trilha sonora de Xenoblade Chronicles 3 é extremamente diversa, mas tem como principal aspecto a flauta. Isso porque o instrumento é utilizado por Noah e Mio para “desencarnar” as almas de pessoas mortas que você encontra na jornada.

    É magnífico o trabalho dos compositores Yasunori Mitsuda, Manami Kiyota, ACE, Kenji Hiramatsu, e Mariam Abounnasr. A flauta é a base, mas há espaço para violão, piano e, claro, instrumentais pesados típicos dos animes que ajudam a acelerar o ritmo das batalhas e torná-las mais tensas.

    VEREDITO

    Xenoblade Chronicles 3 é um dos melhores jogos de 2022 e um dos JRPGs mais importantes do Nintendo Switch. O novo jogo da Nintendo com a MONOLITHSOFT é uma excelente porta de entrada para quem nunca jogou nada da franquia ou quem deseja conhecer mais sobre o gênero.

    Nossa nota

    5,0 / 5,0

    Assista ao trailer de Xenoblade Chronicles 3:

    Acompanhe as lives do Feededigno na Twitch

    Estamos na Twitch transmitindo gameplays semanais de jogos para os principais consoles e PC. Por lá, você confere conteúdos sobre lançamentos, jogos populares e games clássicos todas as semanas.

    Curte os conteúdos e lives do Feededigno? Então considere ser um sub na nossa Twitch sem pagar nada por isso. Clique aqui e saiba como.

    Artigos relacionados

    22 jogos indie e AAA para ficar de olho ainda em 2022

    Selecionamos 22 jogos indie e AAA (Triple A) para PC e principais consoles que prometem boas experiências ainda em 2022. Confira!

    Assassin’s Creed: 15 anos de franquia da Ubisoft

    Relembre de Assassin's Creed de 2007, que trouxe elementos inovadores para jogos de mundo aberto que se tornaram padrão atualmente.

    Pokémon GO: Veja a programação da Hora do Holofote em agosto

    Entre 18h e 19h nas terças, a Hora do Holofote (Spotlight Hour) coloca um Pokémon em destaque. Veja como será em agosto de 2022

    CRÍTICA – Stray (2022, BlueTwelve Studio)

    Stray é o primeiro game do estúdio Francês BlueTwelve Studio. O game nos coloca no controle de um simpático gatinho.