Início SÉRIE Artigo House of the Dragon: Conheça a linha de sucessão Targaryen

House of the Dragon: Conheça a linha de sucessão Targaryen

House of the Dragon: Conheça a linha de sucessão Targaryen

A HBO Max confirmou a estreia de House of the Dragon, spin-off de Game of Thrones, para 2022. Apesar de não haver muitas informações sobre a série, o primeiro teaser foi divulgado nesta terça (5), assista no fim da publicação.

A série acontecerá 300 anos antes de Game of Thrones e será baseada no livro Fogo e Sangue, também de George R.R. Martin, que contará a história da Casa Targaryen.

A Casa Targaryen era uma das famílias chamados Senhores de Dragões, da Cidade Franca de Valíria, um grande império que dominou a maior parte do continente oriental. Porém, os Targaryen não eram uma das famílias mais poderosas, sendo que a supremacia do império era disputada entre dois outros clãs mais importantes.

Antes da Perdição de Valíria, Daenys, a Sonhadora, previu o cataclisma que se seguiria. Seu pai, Aenar, deu ouvidos à filha e se mudou com a família para o posto mais ocidental do império valiriano, a ilha-fortaleza de Pedra do Dragão. Doze anos depois que os Targaryen haviam se instalado em Pedra do Dragão, ocorreu a Perdição, o que levou a destruição de Valíria e o colapso do império. Os Targaryen foram os únicos senhores de dragões que sobreviveram.

Aenar havia levado os cinco dragões da família para a ilha, mas quatro morreram em circunstâncias desconhecidas, deixando apenas Balerion. No entanto, dois ovos foram chocados, originando Vhagar e Meraxes.

Durante o Século de Sangue, período de caos e guerras que assolou as regiões que antes eram dominadas pela Cidade Franca, havia pressões para que os Targaryen se unissem a Volantis, a mais antiga das colônias valirianas, que tentava reconstruir o império. Frustrando as expectativas dos volantinos, os Targaryen permaneceram em Pedra do Dragão, conservando suas forças. Já muito depois, quando Volantis tentara conquistar Tyrosh, o jovem Aegon I Targaryen voou de Pedra do Dragão em Balerion para esmagar os volantinos.

Ao invés de se voltar para Essos, Aegon demonstrou maior interesse por Westeros, continente que ele estava determinado a ser tornar o governante. Cem anos após a Perdição, Aegon e suas duas irmãs-esposas, Rhaenys e Visenya, seus dragões e um pequeno exército, desembarcaram na Baía da Água Negra, ponto de onde travaram a Guerra da Conquista, unificando seis dos Sete Reinos e criaram dali uma dinastia que duraria quase trezentos anos.

Conheça a linha de sucessão dos reis Targaryen de 1 a 283 d.C. (Depois da Conquista):

Aegon I Targaryen (1-37 d.C.)

House of the Dragon: Conheça a linha de sucessão TargaryenAegon Targaryen, o Primeiro de Seu Nome, também conhecido como Aegon, o Conquistador ou Aegon, o Dragão, foi o primeiro Rei no Trono de Ferro, que conquistou seis dos Sete Reinos e fundou a soberana dinastia Targaryen de Westeros.

Em 4 d.C., Aegon lançou sua invasão à Dorne, mirando completar sua conquista. Bem sucedido inicialmente, a guerra acabou se arrastando, se prolongando por nove anos, causando muitas mortes e tragédias. Seu irmão bastardo e sua Mão, Orys Baratheon, foi capturado pelos dorneses e mutilado, tendo sua mão da espada decepada.

Aegon retaliou lançando seus dragões contra castelos e fortificações dos nobres dorneses. Porém a maior perda para o rei foi a morte de sua irmã-rainha Rhaenys Targaryen durante um ataque ao castelo de Toca do Inferno. Rhaenys morreu quando seu dragão Meraxes foi atingido no olho por um grande dardo de um escorpião, fazendo com que o dragão e sua montadora caíssem dos céus.

Fogo e sangue

Os dois anos seguintes ficaram conhecidos como “a Ira do Dragão”, onde Aegon montado em Balerion e portando sua espada Blackfyre, queimou cada castelo dornes ao menos uma vez.

Após a conquista de toda Westeros, seu reinado foi pacífico e o próprio rei Aegon tornou-se muito popular entre nobres e plebeus, mas muitos dos seus súditos desejavam voltar aos tempos de quando os países dos Sete Reinos eram territórios separados. Outros queriam vingança pela morte de parentes nas guerras e ainda havia outros que viam os Targaryens como abominações.

Aenys I Targaryen (37-42 d.C.)

House of the Dragon: Conheça a linha de sucessão TargaryenFilho do Rei Aegon I Targaryen e de sua esposa-irmã mais nova, a Rainha Rhaenys Targaryen, Aenys I Targaryen foi o Senhor dos Sete Reinos e o segundo rei Targaryen a ocupar o Trono de Ferro.

Aenys I morreu em 42 d.C., após governar por apenas cinco anos, aos trinta e cinco anos de idade. Ele foi cremado em Pedra do Dragão, com sua viúva, Alyssa Velaryon, cantando uma canção fúnebre para ele. Anos depois, algumas pessoas sugeriram que a ex-rainha e viúva Visenya Targaryen tinha sido a responsável pela morte repentina de Aenys I e alguns dos motivos aparentemente eram a preferência de Visenya por seu próprio filho, Maegor I, sua ambição de colocá-lo no trono e o fato de que ela cuidou do doente Aenys I antes de sua morte.

Devido às ações de Visenya após a morte de Aenys I, o Trono de Ferro passou para o filho mais novo de Aegon I, Maegor I, em vez do filho mais velho do finado rei, Aegon II.

Maegor I Targaryen (42-48 d.C.)

House of the Dragon: Conheça a linha de sucessão TargaryenMaegor I ascendeu ao Trono de Ferro à frente do filho mais velho de seu irmão e herdeiro, Aegon II. Ele foi coroado em Pedra do Dragão, usando a coroa valiriana de aço de seu pai, em vez da coroa ornamentada de Aenys I.

O Grande Meistre Gawen protestou na coroação de Maegor I, afirmando que por todas as leis de herança, a coroa deveria passar para o filho de Aenys. Com essa declaração, Maegor I o decapitou com a espada Blackfyre. Não houve mais protestos contra a ascensão de Maegor I depois disso.

Maegor I levou Alyssa Velaryon, a rainha viúva de Aenys I, e a mãe do Príncipe Aegon, como refém, como residente em Pedra do Dragão. Os filhos menores de Alyssa, Jaehaerys I e Alysanne, foram mantidos em Pedra do Dragão com ela, enquanto seu filho, Príncipe Viserys, foi feito escudeiro de Maegor I, para que ele pudesse ser mantido perto como refém, garantindo o bom comportamento de Alyssa.

Corvos voaram, declarando um novo rei havia sido coroado e que aqueles que o desafiassem sofreriam uma morte de traidores. O inimigo que desafiou Maegor I foi a Fé Militante. Maegor montou Balerion e partiu para Porto Real, para esmagar a revolta onde sobrevoou o Septo da Memória na Colina de Rhaenys, e desencadeou as chamas do dragão que consumiram o septo e tudo dentro. Aqueles que tentaram fugir foram mortos pelos arqueiros que Maegor I tinha colocado ao redor da colina. Disseram que os gritos dos queimados e moribundos ecoou nas ruas de Porto Real e por sete dias uma nuvem negra pairou sobre a cidade.

O Cruel

A insurreição militante da Fé não foi esmagada, e durante todo o reinado de Maegor I eles permaneceram seus inimigos mais amargos. Ele esmagou as rebeliões com métodos cruéis e brutais, e instituiu um novo conjunto de leis que ficou conhecido como a Lei de Maegor, proibindo santos homens de portarem armas. Ele colocou recompensas sobre qualquer um que se recusasse a cumprir sua lei, oferecendo um dragão de ouro para o couro cabeludo de um Filho do Guerreiro e um veado de prata para o couro cabeludo de um Pobre Companheiro, o que lhe valeu o apelido de O Cruel.

Com um reinado marcado por traições, somado a perda da orientação com a morte de sua mãe, deixaram Maegor I um homem quebrado. Em uma manhã, ele foi encontrado morto sentado no Trono de Ferro, suas vestes cobertas de sangue, seus pulsos cortados.

Alguns dizem que ele foi morto por um cavaleiro de sua própria Guarda Real, que já não podia suportar a sua tirania, outros dizem que ele foi morto por um serviçal que escapou dos massacres e desejava vingança; e alguns sussurram que Maegor I tinha sido morto pelo próprio trono. Talvez a explicação mais provável, porém, é que Maegor I se matou abrindo seus pulsos nas lâminas do Trono de Ferro.

Jaehaerys I Targaryen (48-103 d.C.)

House of the Dragon: Conheça a linha de sucessão TargaryenJaehaerys I, conhecido como o Conciliador, o Sábio e mais tarde como o Velho Rei, foi o quarto rei Targaryen no Trono de Ferro, trabalhando pelo reino por cinquenta e cinco anos. Seu dragão foi Vermithor. Ele era neto de Aegon, o Conquistador. Seu longo reinado foi marcado por estabilidade política e prosperidade econômica, muito disso devido as reformas por ele implementadas.

Após a morte inesperada do Príncipe Baelon, seguindo o conselho de seu filho Vaegon, Jaehaerys I convocou um Grande Conselho para decidir a linha de sucessão para o trono com a ajuda dos senhores do reino. No final, o filho mais velho de Baelon, Príncipe Viserys, foi escolhido pelos lordes e, consequentemente, Jaehaerys I o nomeou Príncipe de Pedra do Dragão.

As mortes de Alysanne e Baelon reduziram Jaehaerys I a uma casca do homem que ele havia sido. Sua força e inteligência começaram a falhar, e no final o rei Targaryen foi confinado a sua cama. A Mão do Rei governou o reino enquanto sua filha, Lady Alicent Hightower, assumia seus cuidados.

Aos sessenta e nove anos, Jaehaerys I morreu. Seu corpo foi cremado no Fosso dos Dragões e suas cinzas foram enterradas com as cinzas de Alysanne.

Viserys I Targaryen (103-129 d.C.)

House of the Dragon: Conheça a linha de sucessão TargaryenViserys I foi o quinto rei Targaryen a se sentar no Trono de Ferro. Sucedeu seu avô, Jaehaerys, o Conciliador. Viserys I deu continuidade ao reinado próspero e pacífico de seu avô, mas as sementes para a guerra civil conhecida como Dança dos Dragões, evento que muito mais tarde engolfaria o reino, foram semeadas em seu governo.

Ele foi o último montador de Balerion, o Terror Negro. Viserys I nunca se uniu a outro dragão após a morte de Balerion.

O Rei Viserys I herdou seu trono seguro, com o tesouro completo e um belo legado de seu avô, Jaehaerys I. A Casa Targaryen estava em seu estado mais poderoso durante a época de Viserys I, tendo a maioria dos membros e dragões desde a Perdição de Valíria.

Viserys I era conhecido como o Jovem Rei quando subiu ao trono e, devido à sua natureza amigável, os plebeus estavam otimistas sobre seu reinado.

O ano de 120 d.C. ficou conhecido como o Ano da Primavera Vermelha por causa de suas muitas mortes e acidentes.
Viserys I morreu no terceiro dia da terceira lua de 129 d.C. durante um cochilo na Fortaleza Vermelha de Porto Real. Como seu avô, o Rei Viserys I havia deixado um tesouro transbordando com ouro.

A Dança dos Dragões

Viserys I decretou que a herdeira fosse Rhaenyra, a filha de sua primeira esposa, Aemma Arryn, porém Aegon, o filho mais velho de sua segunda esposa, Alicent, foi coroado como Aegon II por Sor Criston Cole, o Senhor Comandante da Guarda Real. Isso levou a uma guerra civil entre Rhaenyra e Aegon II, que passou a ser conhecida como a Dança dos Dragões.

Aegon II Targaryen (129-131 d.C.)

House of the Dragon: Conheça a linha de sucessão TargaryenEle usava a coroa de Aegon, o Conquistador, e portava sua espada, a Blackfyre. Como domava o dragão Sunfyre, o Dourado, Aegon II adotou um dragão dourado como seu símbolo pessoal. Durante a Dança dos Dragões, seus apoiadores usavam esse emblema.

Quando o rei Viserys I Targaryen faleceu em 129 d.C., a princesa Rhaenyra Targaryen ainda era sua herdeira presuntiva ao Trono de Ferro. Ela estava, naquele momento, em Pedra do Dragão, grávida, e não foi informada da morte do pai. A Fortaleza Vermelha em Porto Real estava sob controle dos Verdes – uma facção da Casa Targaryen – e eles garantiram que, a princípio, nenhuma informação da morte do rei vazasse, mantendo o corpo dele por sete dias em seus aposentos, até que as preparações para a coroação de Aegon fossem concluídas. Com a exceção de Lorde Lyman Beesbury, todo o pequeno conselho concordou com a ascensão de Aegon ao trono.

Em 130 d.C., após perder o controle de Porto Real em meio a uma revolta popular, que culminou no Assalto ao Fosso dos Dragões, Rhaenyra decidiu fugir para Pedra do Dragão, não sabendo que a ilha estava sob controle de Aegon II. Quando ela chegou acabou aprisionada e levada perante o irmão, onde foi julgada como traidora e devorada pelo dragão Sunfyre, enquanto o príncipe Aegon, o Jovem, filho de Rhaenyra assistia horrorizado.

Sor Alfred Broome argumentou por matar o menino Aegon também, mas o rei não permitiu. Os apoiadores de Rhaenyra não se detiveram e continuaram a guerra em nome do filho dela; Aegon, o Jovem, embora o rapaz permanecesse cativo do seu tio, o Rei Aegon II. Mesmo com a morte de Rhaenyra, o rei não tinha como retornar para Porto Real devido ao bloqueio imposto pela Frota Velaryon.

Após se reunir com seu pequeno conselho, o fatigado Rei Aegon II cambaleou para dentro de sua liteira e pediu para ser levado para o septo real na Fortaleza Vermelha. O rei recebeu sua costumeira garrafa de vinho tinto da Árvore. Quando sua escolta da Guarda Real chegou e Sor Gyles Belgrave levantou as cortinas da liteira, Aegon II foi encontrado morto com sangue nos lábios.

Quem exatamente envenenou o rei permanece desconhecido, embora suspeitos tenham sido presos. Os principais conspiradores da morte de Aegon II eram o Lorde Velaryon, Lorde Larys Strong e Sor Perkin, a Pulga, que temiam que se Aegon II permanecesse vivo com a coroa, a guerra continuaria.

Aegon III Targaryen (131-157 d.C.)

House of the Dragon: Conheça a linha de sucessão TargaryenTambém conhecido como Aegon, o Jovem, e mais tarde como Aegon, o Azarado; Aegon o Infeliz; Aegon, o Rei Quebrado; e mais famoso como Aegon, o Dragonbane; Aegon III Targaryen, foi o sétimo rei Targaryen a sentar-se no Trono de Ferro.

Aos dez anos de idade, ele sucedeu seu tio, Aegon II Targaryen na conclusão da Dança dos Dragões, que viu os partidários vitoriosos de sua falecida mãe Rhaenyra Targaryen instalá-lo no trono. Quando ele era criança, seu dragão era Stormcloud.

Aegon III manteve os reinos unidos após as divisões da guerra civil com a ajuda de seu irmão, o Príncipe Viserys, a quem ele eventualmente chamou de Mão do Rei.

Aegon III era um homem triste, gravemente marcado por suas experiências durante a Dança dos Dragões. Relatos afirmam que o rei raramente sorria e ria ainda menos, mesmo quando menino. O rei Targaryen podia ser gracioso e cortês quando era necessário, mas ao mesmo tempo tinha uma escuridão dentro de si que nunca ia embora.

O Grande Meistre Munkun chamou Aegon III de “quebrado” após ele ter perdido seus irmãos e ter visto sua mãe ser comida pelo dragão de seu tio, e o descreveu como “morto por dentro”.

O fim dos dragões

Aegon III é frequentemente culpado pela morte do último dragão, tendo uma grande aversão por dragões após a trágica morte de Stormcloud e porque testemunhou sua mãe sendo devorada por Sunfyre. Como o último dragão morreu durante seu reinado, Aegon III ficou conhecido como Aegon, o Dragonbane. Independentemente disso, o rei se convenceu de que os dragões poderiam ser usados ​​para intimidar aqueles que tentassem se opor a ele. A pedido de seu irmão Viserys, Aegon III trouxe nove magos de Essos para tentar chocar uma ninhada de ovos de dragão com magia, mas isso terminou em fracasso.

O reinado de Aegon III terminou com sua morte por tuberculose em 157 d.C., aos 36 anos de idade. Muitos de seus súditos o achavam muito mais velho, por causa de sua juventude ter terminado tão abruptamente. O Rei Aegon III Targaryen não é lembrado com carinho.

Daeron I Targaryen (157-161 d.C.)

Conhecido como o Jovem Dragão e o Rei Menino, Daeron I Targaryen era o filho mais velho do Rei Aegon III Targaryen e da Rainha Daenaera Velaryon, e o oitavo rei Targaryen a ocupar o Trono de Ferro. Ele subiu ao trono aos quatorze anos e é famoso por invadir Dorne.

Daeron I há muito sentia que a independência contínua de Dorne representava negócios inacabados para os Targaryen e após sua ascensão ele jurou retificar o erro de seus ancestrais. Viserys, seu tio e Mão do Rei, junto de outros conselheiros se opuseram aos planos do jovem rei, e lembraram-no que Aegon, o Conquistador, e suas irmãs falharam duas vezes na tentativa de conquistar Dorne com dragões, e que o Trono de Ferro agora não tinha nenhum.

Daeron I os silenciou com a famosa frase: “Vocês têm um dragão. Ele está diante de vocês“.

Embora a nobreza dornesa tenha se submetido à Casa Targaryen, os plebeus dorneses continuaram a resistir. Pensando que os dorneses estavam novamente dispostos a se submeter, Daeron I se reuniu com eles sob a bandeira da paz em 161 d.C.; No entanto, em uma traição, os dorneses atacaram o Rei Daeron I e sua comitiva.

O rei de dezoito anos morreu com a espada Blackfyre nas mãos, cercado por uma dúzia de inimigos.

Baelor I Targaryen (161-171 d.C.)

Conhecido como Baelor, o Amado e Baelor, o Abençoado, Baelor I Targaryen foi o nono rei Targaryen a reinar no Trono de Ferro como Senhor dos Sete Reinos. Conhecido por sua piedade, Baelor era um septão e também um rei. Ele era o segundo filho do Rei Aegon III Targaryen e da Rainha Daenaera Velaryon e governou após a morte de seu irmão mais velho, o Rei Daeron I Targaryen.

Após a morte de seu irmão, o Rei Daeron I Targaryen, em Dorne, Baelor I foi coroado rei e ascendeu ao Trono de Ferro quando tinha dezessete anos. Seu tio, o Príncipe Viserys Targaryen, atuando como Mão do Rei, enviou quatorze reféns dorneses às masmorras para aguardar a execução.

O primeiro ato de Baelor I foi perdoar os reféns dorneses e perdoar publicamente os assassinos de seu irmão, apesar do clamor de seus senhores e conselho. Muitos atos semelhantes de piedade e perdão ocorreram durante seu reinado de dez anos.

Quando a prima de Baelor I, a Princesa Naerys, deu à luz gêmeos que morreram logo após o parto em 161 d.C., o rei jejuou pela volta da lua. Quando sua irmã e ex-esposa, Daena, deu à luz um bastardo chamado Daemon Waters em 170 d.C., Baelor I jejuou por quarenta dias e noites, recusando-se a aceitar qualquer coisa além de água e um pouco de pão. No quadragésimo primeiro dia de seu jejum, em 171 d.C., o rei entrou em colapso, e nem o Grande Meistre Munkun ou o menino Alto Septão puderam salvá-lo.

A história diz que Baelor I morreu de fome devido ao jejum prolongado para se purificar da luxúria, mas alguns acreditam que ele foi envenenado por sua Mão e tio, Viserys. Alguns afirmam que Viserys o fez para ganhar o trono, mas outros afirmam que a Mao do Rei o fez para o bem do reino, pois Baelor I passou a acreditar que os Sete queriam que ele convertesse todos os não-crentes em todo o reino. Se Baelor tivesse sido capaz de colocar essas crenças em ação, teria resultado uma guerra com os Antigos Deuses, adorados no Norte e o Deus Afogado, adorado nas Ilhas de Ferro.

Viserys II Targaryen (171-172 d.C.)

O décimo rei Targaryen a ocupar o Trono de Ferro como Senhor dos Sete Reinos, Viserys II Targaryen, era filho de Rhaenyra Targaryen e Daemon Targaryen, irmão e Mão do Rei Aegon III Targaryen e pai do Rei Aegon IV Targaryen, da Rainha Naerys Targaryen e do Príncipe Aemon, o Cavaleiro do Dragão.

Embora seu reinado tenha durado apenas um pouco mais de um ano, Viserys II promulgou reformas na casa real e suas funções, estabeleceu uma nova casa da moeda real, fez esforços para aumentar o comércio através do mar estreito e fez revisões positivas ao já progressivo código de leis estabelecida pelo Rei Jaehaerys I.

Viserys II não é lembrado com carinho em Westeros, pois alguns o acusam de envenenar Baelor I para ganhar o trono e não fazer nada depois de conquistá-lo. Ainda assim, o Rei Viserys II pode ter reinado por apenas um ano, mas em seu papel anterior como Mão do Rei, ele governou e preservou a terra por muito mais tempo. Os reinados e loucuras de Aegon III, Daeron I e Baelor I teriam sido muito piores se não fosse por sua posse como Mão do Rei.

Acredita-se que Viserys II tinha nele para ser próximo Jaehaerys, o Sábio, pois ele era tão sábio e astuto. Infelizmente, uma doença repentina o levou à morte em 172 d.C., aos cinquenta anos de idade.

Aegon IV Targaryen (172-184 d.C.)

Conhecido como Aegon, o Indigno, Aegon IV Targaryen foi o décimo primeiro Targaryen a ocupar o Trono de Ferro e é considerado um dos piores reis Targaryen. Ele gerou vários bastardos, legitimando-os em seu leito de morte, um ato que levou a cinco rebeliões Blackfyre.

Blackfyre, a espada de aço valiriana de Aegon, o Conquistador, era tradicionalmente carregada pelos reis Targaryen que o sucederam. Aegon IV, no entanto, deu Blackfyre não para seu herdeiro, Daeron, mas para um de seus bastardos, Daemon, quando ele tornou Daemon cavaleiro aos 12 anos, reconhecendo-o formalmente como seu filho.

Nos últimos anos do reinado corrupto de Aegon IV, seu herdeiro, Daeron, se tornou um dos maiores obstáculos para o desgoverno de Aegon IV. Enquanto alguns senhores viam oportunidade no rei devasso e corpulento que poderia ser facilmente convencido a se separar de honras, cargos e tesouros por uma chance de prazer, muitos outros que condenaram o comportamento do rei correram para Daeron.

Apesar de todas as ameaças, zombarias e disparidades que o rei amontoou sobre seu filho, ele nunca renegou Daeron formalmente. Os relatos divergem quanto ao porquê, e a explicação mais provável é que Aegon IV sabia que seu domínio em seu trono não seria seguro se ele renegasse seu filho. Isso significaria uma guerra civil, já que muitos senhores que foram contra a depravação do rei para com seu verdadeiro herdeiro defenderiam os direitos de Daeron. O principal deles era a Casa Martell, devido ao fato de Daeron ser casado com a Princesa Myriah Martell.

Uma morte horrível

Com apenas 49 anos de idade, ele havia se tornado tão obeso mórbido que não conseguia mais andar, fazendo muitos se perguntarem como sua última amante poderia suportar seu abraço. Aegon IV teve uma morte horrível, seu corpo era tão inchado que ele não conseguia nem se levantar do sofá que ficou coberto com suas fezes. Os membros do Rei Aegon IV estavam apodrecendo e rastejando em hordas de vermes carnais, e os meistres disseram que nunca tinham visto algo assim antes. Os septões, no entanto, declararam que era um julgamento dos deuses. Ele recebeu o leite da papoula para tentar aliviar a dor, mas nada mais pôde ser feito.

O último decreto do Rei Aegon IV Targaryen antes de sua morte foi um veneno amargo que lançaria as sementes da guerra para gerações futuras com derramamento de sangue, morte e desgraça para o reino. Aegon IV legitimou todos os seus filhos bastardos, causando cinco gerações de contendas enquanto os Pretendentes Blackfyre tentavam reivindicar o Trono de Ferro.

Daeron II Targaryen (184-209 d.C.)

Conhecido como Daeron, o Bom, foi o décimo segundo Targaryen a ocupar o Trono de Ferro. Daeron II trouxe Dorne pacificamente para o reino, unindo todas as terras de Westeros ao sul da parede. Seu meio-irmão bastardo, Daemon Blackfyre, desafiou seu governo e o resultado foi uma terrível guerra civil, a Primeira Rebelião Blackfyre.

Ao saber da morte de seu pai Aegon IV, Daeron II partiu Pedra do Dragão para Porto Real. Ele escolheu coroar-se com a coroa de seu pai para suprimir as dúvidas e rumores sobre sua linhagem. Ciente de seu dever para com o reino, o Rei Daeron II agiu rapidamente para corrigir muitos dos erros do reinado de seu pai. Ele substituiu o pequeno conselho por seus próprios homens, normalmente selecionando conselheiros sábios e capazes. Demorou um ano para consertar a Vigilância da Cidade de Porto Real, cujos oficiais eram tão corruptos quanto Aegon IV havia sido.

A Rebelião Blackfyre

A Primeira Rebelião Blackfyre estourou com batalhas em diversas de Westeros entre aqueles que apoiavam o Dragão Negro e aqueles que apoiavam o Dragão Vermelho. Daeron II foi apoiado por outro Grande Bastardo, Brynden Rivers, que era conhecido como Bloodraven. A rebelião terminou na Batalha de Redgrass Field em 196 d.C. com a morte de Daemon e seus dois filhos mais velhos, Aegon e Aemon.

Grande Bastardo Aegor Rivers, conhecido como Bittersteel e principal incentivador de Daemon a finalmente fazer sua reivindicação, escapou e fugiu através do mar estreito com os filhos sobreviventes de Daemon.

Os Pretendentes Blackfyre continuaram a perturbar os Sete Reinos por gerações.

Aerys I Targaryen (209-221 d.C.)

Aerys I Targaryen era o segundo filho do Rei Daeron II Targaryen e da Rainha Myriah Martell. Ele estava muito interessado em livros sobre profecias antigas e os mistérios mais elevados. Em algum ponto, Aerys I leu uma profecia que falava sobre o retorno dos dragões.

Ele era casado com sua prima, Lady Aelinor Penrose, mas nunca mostrou qualquer interesse em engravidá-la, em vez disso, evitou sua cama. Segundo o boato, Aerys I em mesmo consumou seu casamento.

Em 212 d.C., Lorde Gormon Peake, leal aos Blackfyre, trouxe Daemon II Blackfyre para os Sete Reinos do outro lado do mar estreito e tentou reunir apoio para uma insurreição, a Segunda Rebelião Blackfyre. Graças à rede de espiões de Brynden Rivers e às ações de Sor Duncan, o Alto e seu escudeiro, esta rebelião terminou no torneio de Whitewalls com relativamente pouco derramamento de sangue.

A Terceira Rebelião Blackfyre foi lançada em 219 d.C. e terminou com a captura de Aegor Rivers e a morte de Haegon I Blackfyre. Aegor Rivers foi levado para Porto Real acorrentado e enquanto Brynden Rivers e o Príncipe Aerion Targaryen queriam que ele fosse condenado à morte, o Rei Aerys I o sentenciou à Muralha.

A saga da sucessão

Ao longo de seu reinado, Aerys I reconheceu quatro herdeiros diferentes. O primeiro foi seu irmão Rhaegel, que morreu em 215 d.C. quando engasgou com uma torta de lampreia. Então o Rei Aerys I em seguida reconheceu o único filho de Rhaegel, Aelor, como seu herdeiro, mas Aelor morreu em 217 d.C. durante um acidente causado por sua irmã gêmea e esposa, Aelora. O terceiro herdeiro de Aerys I era a própria Aelora; no entanto, ela ficou louca de tristeza após a morte de seu irmão e cometeu suicídio algum tempo depois, obrigando o rei a reconhecer seu quarto e último herdeiro ao trono, seu irmão mais novo Maekar.

Quando o Rei Aerys I Targaryen morreu em 221 d.C. e Maekar o sucedeu.

Maekar I Targaryen (221-233 d.C.)

O décimo quarto rei Targaryen a ocupar o Trono de Ferro era o quarto filho do Rei Daeron II Targaryen, e recebeu o assento Targaryen de Summerhall, Maekar I Targaryen era conhecido como o Príncipe de Summerhall.

Maekar I era um comandante do exército capaz que serviu em duas Rebeliões Blackfyre. Após uma série de mortes inesperadas na família real, ele subiu ao trono.

Desejando se separar do passado, ele mandou forjar uma nova coroa, mais guerreira do que as coroas anteriores, já que a coroa de Aegon, o Conquistador, havia sido perdida com a morte de Daeron, o Jovem Dragão, durante a conquista de Dorne. No entanto, o reinado de Maekar I, ocorrendo entre duas rebeliões Blackfyre, é geralmente considerado pacífico. E apesar de sua luta anterior com Bloodraven, Maekar I manteve seu tio como Mão do Rei.

Maekar I caiu em batalha lutando contra um lorde rebelde nas Fronteiras Dornesas durante a Revolta de Peake. De acordo com uma fonte semi-canônica, ele foi esmagado por uma pedra arremessada das ameias de Starpike durante o ataque ao castelo.

Aegon V Targaryen (233-259 d.C.)

Aegon V se tornou rei depois que um Grande Conselho ignorou vários candidatos na linha de sucessão, e depois que seu irmão mais velho, Meistre Aemon, recusou o trono. Assim com seu pai, ele também era o quarto filho e assim, Aegon V foi chamado de Aegon, o Improvável.

Egg, o escudeiro e Dunk, o Cavaleiro Andante

Em sua juventude, Aegon era conhecido como Egg e deveria ser o escudeiro de seu irmão mais velho, Daeron, no torneio em Ashford Meadow, mas Daeron não tinha interesse em justas e, em vez disso, bebeu até o limite em uma pousada. Daeron raspou a cabeça de Aegon V para evitar que o cabelo distinto de Targaryen do menino fosse reconhecido por homens enviados por seu pai, o Príncipe Maekar. Quando o cavaleiro andante Dunk visitou a pousada, ele presumiu que Egg era um cavalariço.

Aegon V disfarçado, assumiu que Dunk era uma abreviação de “Duncan”, o que Dunk aceitou. Aegon ficou impressionado com o humilde cavaleiro andante e o seguiu. Sor Duncan, o Alto, concordou em deixar Egg servir como seu escudeiro durante o torneio.

Maekar, o Príncipe de Summerhall, desejava que Aegon fosse treinado como um cavaleiro, mas Aegon V só concordaria se Duncan fosse o cavaleiro que o treinasse. Quando Maekar ofereceu a Duncan um lugar na guarnição de Summerhall, Dunk recusou e concordou em aceitar o jovem príncipe apenas se o acompanhasse como seu escudeiro. Aegon V viveria humildemente, mas Duncan achava que isso faria dele um homem melhor do que seus irmãos, Aerion e Daeron. Assim, o jovem Aegon serviu como escudeiro de Duncan sob o apelido de Egg.

Aegon V foi coroado Senhor dos Sete Reinos em 233 d.C. quando tinha trinta e três anos. Durante a maior parte, senão todo, do reinado do Rei Aegon V, seu velho amigo Sor Duncan, o Alto, serviu como Senhor Comandante da Guarda Real.

O reinado de Aegon V começou durante um inverno rigoroso que durou seis longos anos. O benevolente rei Targaryen enviou enormes carregamentos de alimentos e grãos para ajudar os nortistas famintos, embora houvesse aqueles que achavam que ele fornecia ajuda demais. O final do inverno viu o retorno dos Pretendentes Blackfyre, com a Quarta Rebelião Blackfyre ocorrendo em 236 d.C., onde Sor Duncan, o Alto matou Daemon III Blackfyre em um único combate, encerrando a rebelião.

A tragédia de Summerhall

Contra o conselho de seus amigos e conselheiros, Aegon V se convenceu de que apenas com dragões ele poderia forçar os senhores dos Sete Reinos a aceitar seus decretos que garantiam liberdades, direitos e proteções aos plebeus.

Isso acabou levando à tragédia de Summerhall em 259 d.C., em que o Rei Aegon V morreu enquanto tentava chocar ovos de dragão. Seu filho, o Príncipe Duncan, o Pequeno; seu amigo e Senhor Comandante da Guarda Real, Sor Duncan, o Alto; e outros da corte real também morreram no incêndio.

Jaehaerys II Targaryen (259-262 d.C.)

O segundo filho do Rei Aegon V Targaryen e da Rainha Betha Blackwood, o Rei Jaehaerys II Targaryen também foi o pai do Rei Aerys II Targaryen e da Rainha Rhaella Targaryen, e o avô de Rhaegar, Viserys e Daenerys.

O pai de Jaehaerys II, Rei Aegon V, desenvolveu uma profunda aversão pela prática Targaryen de casamentos incestuosos e estava determinado a acabar com o costume. Assim, em 237 d.C., Jaehaerys II foi prometido a Celia Tully, a filha do Senhor de Correrrio. No entanto, desde muito jovem, o futuro rei tinha um estado de espírito mais tradicional, pois estava apaixonado por sua irmã, a Princesa Shaera.

Shaera, por sua vez, também desejava o irmão. O Rei Aegon V e a Rainha Betha observaram isso e fizeram tudo que podiam para separar os dois irmãos, o que serviu apenas para inflamar a paixão dos filhos.

Quando o irmão mais velho de Jaehaerys II e Shaera, o Príncipe Duncan, rompeu seu noivado com a filha de Lorde Lyonel Baratheon em 239 d.C. e se casou com uma plebeia, o Príncipe Jaehaerys II e a Princesa Shaera tomaram nota. Duncan foi forçado a escolher entre o Trono de Ferro e sua posição como herdeiro, e sua nova noiva. O Rei Aegon V, no final, cedeu, embora Duncan tenha sido excluído da linha de sucessão.

Assim, no ano seguinte, Jaehaerys II e Shaera seguiram os passos de Duncan. Eles iludiram seus tutores e secretamente se casaram e consumaram o casamento. O Rei Aegon V se desesperou com isso, mas sentiu que não tinha escolha, pois o casamento havia sido consumado. Ele foi forçado a ceder aos desejos de seus filhos, enquanto ao mesmo tempo lidava com a raiva e o orgulho ferido da Casa Tully e da Casa Tyrell.

Devido à sua saúde delicada, Jaehaerys II foi considerado fraco por muitos, mas Sor Barristan Selmy, a quem ele elevou à Guarda Real, pensava de forma diferente. O reinado do Rei Jaehaerys II durou apenas três anos, mas ele reinou bem nesse curto período.

Ele provou ser um rei capaz, restaurando a ordem ao reino, acabando com a ameaça Blackfyre e reconciliando muitas das Grandes Casas que haviam ficado insatisfeitas com o reinado de seu pai.

Em 262 d.C., após apenas três anos no trono, o rei Jaehaerys II Targaryen morreu após uma breve doença, reclamando de uma súbita falta de ar, aos 37 anos de idade.

Aerys II Targaryen (262-283 d.C.)

Também chamado como o Rei Louco, Aerys II Targaryen foi o décimo sétimo e último membro da dinastia Targaryen a ocupar o Trono de Ferro. Seus filhos que viveram até a idade adulta, com sua irmã-esposa, Rhaella, foram Rhaegar, Viserys e Daenerys Targaryen.

Aerys II se mostrou uma grande promessa no início de seu reinado, trazendo paz e prosperidade aos Sete Reinos, mas depois caiu na loucura, causada por, entre outros fatores, vários abortos e natimortos, a morte de três filhos e uma breve revolta conhecida como o Desafio de Valdocaso, no qual foi mantido prisioneiro por meio ano por um senhor rebelde.

Em 282 d.C., o Príncipe Rhaegar desapareceu com Lyanna Stark, aparentemente tendo-a sequestrado. Seu irmão mais velho, Brandon, foi à Porto Real com vários amigos quando a notícia do desaparecimento de sua irmã chegou até ele. Ao chegar à Fortaleza Vermelha, Brandon rugiu para Rhaegar “sair e morrer”. 

Acontece que Rhaegar não estava presente, mas o Rei Aerys II estava. O rei prendeu Brandon Stark e seus companheiros sob a acusação de conspirar contra a vida do príncipe herdeiro, exigindo que seus pais se apresentassem na corte para responder pelos crimes de seus filhos. Quando eles fizeram isso, Aerys II executou todos sem um julgamento justo.

Quando Lorde Rickard Stark exigiu um julgamento de combate, o Rei Aerys II escolheu o fogo como seu campeão. Lorde Rickard foi queimado vivo em um incêndio florestal enquanto Brandon era forçado a assistir, amarrado a um dispositivo de tortura que o fez se estrangular em suas tentativas de salvar seu pai.

Com sua paranóia ainda insatisfeita, o rei ordenou que Lorde Jon Arryn lhe enviasse as cabeças do próximo irmão de Lyanna, Eddard Stark, agora o Lorde de Winterfell e o noivo de Lyanna, Lorde Robert Baratheon, que estavam presentes no Ninho de Águia. Arryn recusou e ergueu as suas bandeiras em revolta.

A Guerra do Usurpador

Assim, os atos brutais do rei desencadearam uma cadeia de eventos que ficaria conhecida como a Guerra do Usurpador para os leais a Targaryen e a Rebelião de Robert para aqueles que lutaram no lado rebelde.

As Casa Arryn, Casa Stark e Casa Baratheon, e mais tarde a Casa Tully, uniram-se em rebelião contra o Trono de Ferro.

No ano seguinte, durante o auge da Rebelião, percebendo que era o fim, o Rei Aerys II convocou Lorde Rossart e Sor Jaime Lannister, o último cavaleiro da Guarda Real remanescente. Aerys II manteve Jaime durante a guerra para garantir a lealdade de Tywin Lannister, pai de Jaime e líder da Casa Lannister, embora até aquele ponto a Casa Lannister tivesse sido neutra na rebelião.

O Rei Louco ordenou que Jaime matasse seu pai, então deu a Rossart a tão esperada ordem de acender os esconderijos de fogo vivo e queimar a cidade de Porto Real inteira. Jaime mais tarde sugeriu que assim como seu louco tio-avô Aerion, o Monstruoso antes dele, Aerys tinha a crença delirante de que ele não morreria nas chamas, mas seria transformado por elas em um dragão, dando-lhe o poder de esmagar seu inimigos.

No entanto, antes que a conspiração pudesse ser realizada, Jaime matou Lorde Rossart e, em seguida, o Rei Aerys, evitando que as ordens alcançassem qualquer outra pessoa e, assim, salvando toda a população de Porto Real, enquanto ganhava a alcunha de Regicida.

Robert Baratheon reivindicou o Trono de Ferro, e o reinado da dinastia Targaryen foi finalmente encerrado.


Assista ao primeiro teaser oficial:

House of the Dragon, spin-off de Game of Thrones, chegará ao HBO Max em 2022, ainda sem data definida. Quais suas expectativas para a série? Deixe seus comentários abaixo!

Inscreva-se no YouTube do Feededigno

Assista às nossas análises de filmes, séries, games e livros em nosso canal no YouTubeClique aqui e inscreva-se para acompanhar todas as semanas nossos conteúdos também por lá!

Artigo anteriorCRÍTICA – Alan Wake Remastered (2021, Remedy Entertainment)
Próximo artigoCRÍTICA – A Mansão (2021, Axelle Carolyn)
Um carioca apaixonado por livros, cinema, games e que ama falar de nerdice.