Início QUADRINHOS Crítica CRÍTICA – O Máskara (2020, Pipoca e Nanquim)

CRÍTICA – O Máskara (2020, Pipoca e Nanquim)

266
0
CRÍTICA – O Máskara (2020, Pipoca e Nanquim)

Provavelmente se você cresceu durante os anos 90 e 2000, certamente ligava a TV para acompanhar os excelentes desenhos animados do Bom Dia & Cia e na programação de desenhos totalmente “politicamente incorretos” para os dias de hoje, O Máskara se destacava dos demais por apresentar um personagem maluco, de cabeça verde e com os dentes do tamanho de cartas de baralho.

Acredito que até hoje o personagem está no coração de diversos nerds que acompanhava cada episódio, aguardando uma nova maluquice desse desenho animado tão divertido.

Sem dúvidas O Máskara é um dos personagens mais insanos e queridos da cultura pop, juntamente com outros tão malucos quanto ele, como por exemplo o Coringa, Pernalonga, Pica Pau, Lobo e Deadpool.

O personagem fez um grande sucesso durante os anos 90 por conta da animação e do divertido filme estrelado por Jim Carrey, em 1994, e que foi um sucesso de bilheteria naquele ano (ao contrário do filme de 2005); contundo, o que poucos sabem é que a origem desse personagem tão maluco não foi nas telonas e nem sequer na animação e sim nos quadrinhos.

O personagem foi criador por Mike Richardson entre os anos 1982 e 1985, o personagem foi reformulado pelo escritor John Arcudi e o artista Doug Mahnke – que estava em início de carreira – e sendo publicado no final dos anos 80 pela editora Dark Horse Comics.

Entretanto, a HQ de origem do personagem nunca havia sido publicada no Brasil, apenas a As Aventuras do Máskara, que foi publicada pela editora Mythos durante a década de 90, mas que tinha as histórias voltadas para a série de desenho animado.

Enfim, esse ano, a editora Pipoca e Nanquim está preenchendo essa lacuna, e está publicando uma edição especial que reúne as três primeiras minisséries:

  • O Máskara;
  • O Retorno do Máskara;
  • O Máskara Contra-Ataca.

A edição que está sendo publicada e baseada na edição The Mask Omnibus da editora Dark Horse Books, de 2019. A única diferença é que a edição brasileira é com capa dura.

Aqui acompanhamos uma peculiar máscara de origem desconhecida que dá poderes e habilidades ilimitadas e opera a partir das dinâmicas da personalidade existente e projeta uma persona caótica em quem usa. Com isso o nerd Stanley Ipkiss acaba comprando a peculiar máscara de presente para sua namorada, mas o que ele nem imagina é que a polícia, a máfia e o próprio Stanley estão em uma violenta rota de colisão repleta de caos homicida, loucura e destruição.

Para quem espera encontrar O Máskara do cinema e do desenho animado nessa HQ, pode tirar o cavalinho da chuva, a imagem do personagem é a mesma claro, contundo a trama tem uma doze de violência extrema e humor ácido.

Durante a trama outros personagens icônicos surgem, como o Tenente Kellaway e o capanga brucutu Walter.

O roteiro John Arcudi é ágil e violento e cheio de referências a filmes como e desenhos animados, durante boa parte da HQ O Máskara vai está quebrando a quarta parede assim como é feito no filme de 1994 e tantos outros filmes, quadrinhos e séries que utilizam essa linguagem (Deadpool, House of Cards, Funny Games, entre outros).

Quanto a arte de Doug Mahnke: é uma maravilha! e cada cena é bem elaborada e dinâmica, não deixando a leitura da arte cansativa; um destaque para cenas de violência que são sádicas e cheio de gore. O traço de Mahnke lembra bastante o traço do Frank Quitely (All Star Superman).

Por fim, essa HQ é excelente para quem não conhece a origem desse personagem tão querido e divertido que foi imortalizado pelo versátil ator Jim Carrey nos cinema e que a poucos meses falou para impressa que toparia volta para reprisa o papel em uma sequência de O Máskara (como diria o personagem: “Isso seria demais!“).

Nossa nota

Editora: Pipoca e Nanquim

Autor: John Arcudi

Arte: Doug Mahnke

Páginas: 380

E você, é fã de O Máskara? Já leu a HQ com a origem do personagem? Deixe seus comentários e lembre-se de deixar sua avaliação!

Nota do público
Obrigado pelo seu voto



Curte nosso trabalho? Que tal nos ajudar a mantê-lo?

Ser um site independente no Brasil não é fácil. Nossa equipe que trabalha – de forma colaborativa e com muito amor – para trazer conteúdos para você todos os dias, será imensamente grata pela sua colaboração. Conheça mais da nossa campanha no Apoia.se e nos ajude com sua contribuição.