Demolidor: HQs para conhecer o Homem Sem Medo

    Durante o painel da Marvel Studios no Hall H da Sand Diego Comic-Con foi apresentado a Fase 5 do Universo Cinematográfico Marvel e depois da aparição de Matt Murdock no filme Homem-Aranha: Sem Volta Para Casa (2021) era questão de tempo até um anúncio oficial de uma produção do Demolidor.

    Criado por Stan Lee e Bill Everett, o herói apareceu pela primeira vez na HQ Demolidor #1 – A Origem do Demolidor, publicada em abril de 1964.

    PUBLICAÇÃO RELACIONADA | Demolidor: Saiba tudo sobre o Homem Sem Medo

    Demolidor já contou com grandes quadrinistas e roteiristas trabalhando em suas páginas entre eles: Stan Lee na Era de Prata dos Quadrinhos, Frank Miller, Ann Noceti, Brian Michael Bendis, Ed Brubaker, Mark Waid, Charles Soule e Chip Zdarsky.

    Conheça os principais arcos do herói:

    HOMEM SEM MEDO

    Quando Frank Miller assumiu a HQ, ele começou a explorar coisas sobre Matt Murdock e Demolidor que antes não eram conhecidas ou explicadas em detalhes. Seu senso de radar foi mostrado e usado antes, mas nunca explorado. Um arco em que o Demolidor perde seu senso de radar revela que foi Stick quem realmente o treinou para usá-lo em primeiro lugar. Miller também explorou o fato de que o senso de radar do Demolidor não apenas lhe dava uma noção geral de seu entorno, mas também lhe permitia entender a anatomia, para que ele pudesse atacar pontos fracos no corpo humano para derrubar oponentes mais difíceis.

    Foi Frank Miller quem também usou Wilson Fisk, o Rei do Crime, como o principal chefe do crime para enviar perigo no caminho do Demolidor. Lester Poindexter, o Mercenário, foi contratado pelo Rei do Crime para ir atrás do Demolidor; depois de ser derrotado, ele tentou uma abordagem diferente: Ele se vestiu como Demolidor e começou a matar pessoas. O Mercenário e Elektra, que se tornou uma assassina, se uniram contra o Demolidor, mas quando Elektra descobriu que Matt era o Demolidor, ela mudou de lado.

    O Rei do Crime estava cansado do fracasso e em seu primeiro encontro pessoal com o Demolidor, ele derrotou o herói em combate usando suas próprias habilidades. Neste arco, as histórias do Demolidor carregavam um tom mais sombrio e sério. Ele se tornou um combatente de rua sem tolerância, onde antes ele era um herói brincalhão e fácil como o Homem-Aranha.

    Nas páginas O Homem Sem Medo, de Frank Miller, o Mercenário estabeleceu-se como um adversário mais do que formidável para o Demolidor, garantindo aparições mais frequentes e intensificando sua rivalidade.

    A QUEDA DE MURDOCK

    Focado em diversos subtemas, como a religião, a relação do Demolidor com sua mãe e com Karen Page, a fúria do Rei do Crime, a necessidade real do Demolidor, A Queda de Murdock é um clássico instantâneo que sempre está no topo das listas de fãs para o personagem.

    Karen Page, outrora o grande amor de Matt Murdock, vendeu a identidade secreta do Homem Sem Medo por uma dose de heroína. Agora, o defensor de Hell’s Kitchen deve encontrar forças enquanto o Rei do Crime emprega todos os seus recursos para derrubá-lo ao ponto mais baixo que um ser humano pode chegar. A incomparável carga dramática do texto de Frank Miller une-se à força narrativa do traço de David Mazzucchelli na criação da história definitiva do Demolidor. Um dos maiores marcos dos quadrinhos da década de 1980.

    AMOR E GUERRA

    No final dos anos 1980, o autor Frank Miller havia se consagrado por ter originado uma das melhores e mais influentes fases do personagem Demolidor em anos de existência da série na editora Marvel Comics. Tendo salvado o título do cancelamento, Miller ousou fazer experimentos narrativos e gráficos nas histórias do herói, trazendo elementos do cinema e da cultura japonesa para os quadrinhos.

    Celebrado pela crítica e pelos fãs, antes de se mudar para a concorrente DC Comics, onde criou duas das obras mais idolatradas do Batman, Miller se uniu ao artista Bill Sienkiewicz para dar origem a uma das últimas histórias do Homem Sem Medo, a graphic novel Demolidor: Amor e Guerra.

    Esta publicação especial serviu como uma carta de despedida do autor para o seu personagem favorito, brindando os leitores com um embate tenso entre o herói e seu arqui-inimigo, o chefão criminoso Wilson Fisk, o Rei do Crime.

    A belíssima Vanessa representa tudo o que o Rei do Crime considera de mais importante em sua vida. E ao buscar uma cura para sua atual condição, sua adorada esposa acaba ficando em perigo. Para lidar com a situação, Fisk apelará para medidas drásticas que culminarão em uma frenética espiral de violência. Como no amor e na guerra tudo é válido, o Rei provará que isso é tragicamente verdadeiro.

    O lendário autor Frank Miller, aliado ao fabuloso artista Bill Sienkiewicz, explora um pouco mais da antagônica natureza do relacionamento do Rei do Crime e do Demolidor, trazendo umas das mais belas obras estreladas pelo Homem Sem Medo de Hell’s Kitchen.

    A QUEDA DO REI DO CRIME

    Após a fase de Ann Nocenti, chega o escritor D.D. Chichester, em uma fase curta porém importante, por trazer uma certa história que, apesar de não ter o mesmo apelo de outros clássicos do Demolidor, possui a sua parcela de fãs. Ao lado de Lee Weeks e Al Willianson, o escritor trouxe A Queda do Rei do Crime, uma história que serve como um ótimo contraponto à aclamada A Queda de Murdock.

    Aqui, Matt Murdock decide que é hora de um acerto de contas com Wilson Fisk, atacando o criminoso no seus pontos mais vulneráveis, sem medo de incluir até mesmo a única mulher que Fisk já amou, Vanessa.

    Murdock não mede esforços para a derrocada de seu inimigo, aproveitando-se do fato de todos quererem um pedaço do Rei do Crime, o que vai da S.H.I.E.L.D. até a Hidra. A queda do Rei do Crime representou um baque tão grande na vida do vilão, que desse ponto em diante o seu império nunca mais foi o mesmo, abrindo espaço na época para que outros criminosos menores crescessem e se espalhassem, dividindo aquilo que antes era governado por um homem só.

    O DIABO DA GUARDA

    Para reconquistar seu público, cansado da falta de inovação criativa da Marvel Comics, a editora colocou nas mãos dos artistas Joe Quesada e Jimmy Palmiotti a responsabilidade de revitalizar alguns dos seus títulos que tinham o número mais baixo de vendas e personagens quase esquecidos.

    Liderando o novo selo batizado de Marvel Knights, eis que surge Demolidor #1, desenhado por Quesada e Palmiotti, e escrito pelo cineasta Kevin Smith. Juntos, Quesada e Smith mostraram aos fãs como um quadrinho moderno deveria ser. Com um pé no passado e um olho no futuro, a dupla rompeu o tédio dos leitores, marcando o início de uma nova era para a Marvel, uma era que iria continuar por anos, atingindo o seu ápice com uma venda de quatro bilhões de dólares para a Disney e uma franquia cinematográfica bilionária; e tudo isso surgiu de uma história com o Demolidor.

    Na época, os criadores estavam presos no mundo criado e aperfeiçoado por Frank Miller, emulando e reinventando suas ideias, sem nunca acrescentar qualquer coisa nova. Já Kevin Smith, em poucas edições virou o mundo do personagem novamente de cabeça para baixo, matando Karen Page – assassinada pelo Mercenário – abalando todas as convicções de Matt Murdock e literalmente jogando-o na sarjeta, em uma história onde o herói precisa proteger um bebê que supostamente seria o anti-cristo. Tudo para que no final da história o personagem abandone sua jornada na escuridão e caminhe para a luz, algo que serve também para retratar a situação da Marvel Comics após essa fase do Homem Sem Medo.

    REDENÇÃO

    A minissérie Redenção, com história e arte soberbos de David Hine e Michael Gaydos, respectivamente; poderia ser um roteiro de filme. E um bem macabro, por sinal. Baseada em uma história verídica, a trama nos leva a uma cidade do interior, Redemption Valley, onde um menino é encontrado morto. Um jovem local é acusado pelo assassinato. Ele é um satanista, odiado por todos da cidade. Será ele o culpado ou não? Quem entra em cena não é o Homem Sem Medo, e sim Matt Murdock.

    Nesta edição, o advogado que é a estrela. E também não é nenhuma aventura heroica, e sim um drama angustiante e real. Mesmo quem não curte quadrinhos de heróis, pode ler sem problemas… só encontraremos seres humanos aqui. E, na maioria, da pior espécie.

    TERRA DAS SOMBRAS

    Escrito e desenhado por Andy Diggle e Billy Tan, Terra das Sombras (Shadowland) traz Matt Murdock de volta a Nova Iorque depois de uma longa estadia no Japão.

    E agora ele quer usar o Tentáculo para o bem. Porém, depois de assassinar o Mercenário, a atitude de Murdock começa a mudar drasticamente, levando alguns heróis a se questionarem se aquele é realmente o Demolidor.

    Recuperando-se da perda de sua esposa, Milla, Matt se tornou um Senhor do Crime, com o objetivo de conquistar o submundo e dessa forma não permitir que alguém se machucasse novamente. Possuído por um antigo demônio, Matt Murdock desceu o mais fundo possível, com seu julgamento nublado entre corrupção e moralidade.

    Enquanto o Demolidor lidava com seus demônios interiores, Tigresa Branca, Luke Cage, Punho de Ferro, Tarântula Negra e Shang-Chi lutaram contra um possuído Matt Murdock, com o objetivo de salvá-lo de si mesmo. Assim, a saga Terra das Sombras, ápice da fase Diggle, tratou de trazer o Demolidor como o novo Rei do Crime de Nova Iorque, e da luta para salvarem a alma do herói.

    FIM DOS DIAS

    A HQ trata de trazer aquilo que seria o encerramento canônico do Demolidor no Universo Marvel. Segundo o próprio Brian Michael Bendis, a história não se trata de um fim especulativo ou paralelo trazido por obras como Batman: O Cavaleiro das Trevas, mas sim algo cronológico, dentro da continuidade, revelando de forma oficial a morte do personagem.

    Passando-se alguns anos no futuro, a HQ já começa com uma batalha brutal entre o Demolidor e seu arqui-inimigo Mercenário, onde o herói aparentemente leva a pior. Em uma última tentativa de tirar o vilão do sério, Matt diz uma misteriosa palavra direcionada para ele: “Mapone“. A palavra claramente desestabiliza o assassino e o deixa assustado, mas o efeito não é tão positivo para Murdock ou talvez não tenha tido o resultado esperado. O Mercenário fica ensandecido e atravessa a cabeça do Demolidor com seu próprio bastão. É isso mesmo. O Demolidor morre nas primeiras páginas do quadrinho.

    E esse é o acontecimento principal que desencadeia o restante da história. Após ter acesso a uma filmagem amadora que revela a existência dessa última palavra dita por Matt, o jornalista Ben Urich – grande coadjuvante e amigo do Demolidor em algumas de suas melhores fases – decide começar uma investigação em busca da verdade sobre a morte de Matt Murdock, e o que ele quis dizer com essa enigmática palavra que foi capaz de tirar do sério alguém louco e psicopata como o Mercenário.

    O SÉTIMO CÍRCULO

    Intitulada como Demolidor/O Justiceiro: Sétimo Círculo, a HQ sai pelo selo Infinite Comics – ou seja, primeiro de forma digital, e só então impresso – e conta com arte de Szymon Kudranski e Reilly Brown.

    Na trama, Matt Murdock pretende levar um mafioso russo a ser julgado por seus crimes, e Frank Castle, como sempre, quer dar cabo da vida do criminoso de uma vez por todas. Os embates ideológicos dos personagens são novamente postos à prova, e o confronto físico… algo inevitável.

    Aqui uma simples mudança de jurisdição de um dos casos do promotor Matt Murdock torna-se mais complicado quando o Justiceiro resolve tentar enviar o réu pra longe… permanentemente! Para o Demolidor conseguir que este mafioso tenha seu dia no tribunal, ele terá que gastar cada pingo de inteligência e astucia nessa empreitada. Já Frank… tudo que Frank Castle precisa para conseguir o que quer é de uma bala. A corrida começou!

    RENASCIDO

    Após Karen Page partir para Hollywood para seguir a carreira de atriz r as coisas não saírem como planejado; ela acabou se viciando em drogas e se tornando uma estrela pornô. Em um estado desesperado, ela vendeu a identidade secreta de Matt por uma dose de heroína nas páginas de A Queda de Murdock.

    Em Renascido, Matt Murdock se torna delirante e até pensa que seus amigos Foggy Nelson e Glorianna O’Breen estavam conspirando contra ele. O amigo de Matt e repórter do Clarim Diário, Ben Urich, tenta investigar a situação de seu amigo e vinculá-lo ao Rei do Crime. Em paralelo, acolhido em uma igreja por sua mãe, Matt Murdock tem febres e está fraco. Enquanto isso, Karen volta à Hell’s Kitchen e consegue contato com Foggy. Ele a convence a ficar para encontrar Matt, desaparecido há 11 dias.

    O Rei do Crime, por sua vez, contrata o militar Bazuca. No Clarim Diário, como se não bastasse ser chamado de covarde pelo editor J.J. Jameson, o repórter Ben Urich é ameaçado pelos capangas de Wilson Fisk.

    No final, Matt se reúne e se estabelece com Karen e revela a ela que agora ele gosta do novo caminho que sua vida tomou, apesar de perder muitas vantagens de sua vida passada como advogado de sucesso.

    Com grandes arcos nas HQs como as listadas anteriormente, a Marvel Studios anunciou uma nova série do personagem para o serviço de streaming Disney+ que se chamará Daredevil: Born Again que pelo nome indica ser uma adaptação do arco Renascido.

    A série Daredevil: Born Again tem previsão de lançamento para 2024.


    LEIA TAMBÉM:

    Marvel Comics: Conheça outros personagens da editora

    Inscreva-se no YouTube do Feededigno

    Assista às nossas análises de filmes, séries, games e livros em nosso canal no YouTubeClique aqui e inscreva-se para acompanhar todas as semanas nossos conteúdos também por lá!

    Artigos relacionados

    Betty Ross: De namorada do Hulk à Harpia Vermelha

    Betty Ross é conhecida como o amor de Bruce Banner, mas tornou-se a Harpia, mais tarde a Mulher-Hulk Vermelha e finalmente a Harpia Vermelha.

    O Capuz: Quem é o vilão da série Coração de Ferro?

    Conheça Parker Robbins, um bandido comum que ao encontrar um manto e um par de botas místicos, tornou-se O Capuz!

    Predador e suas melhores versões no cinema

    Com o lançamento de Predador: A Caçada, no Star+, nada melhor que relembrar os melhores yautjas já vistos no cinema. Veja a lista!

    22 jogos indie e AAA para ficar de olho ainda em 2022

    Selecionamos 22 jogos indie e AAA (Triple A) para PC e principais consoles que prometem boas experiências ainda em 2022. Confira!