Início SÉRIE Crítica CRÍTICA – Mestres do Universo: Salvando Eternia (Parte 2, 2021, Netflix)

CRÍTICA – Mestres do Universo: Salvando Eternia (Parte 2, 2021, Netflix)

CRÍTICA - Mestres do Universo: Salvando Eternia (Parte 2, 2021, Netflix)

A série de anime americano criada e produzida por Kevin Smith foi anunciada como uma sequência direta da série original de 1983, He-Man e os Mestres do Universo, mas na verdade se inspira em muitas continuidades diferentes, na linha clássica da franquia.

Os primeiros cinco episódios de Mestres do Universo: Salvando Eternia (Master of the Universe: Revelation) que formam a Parte 1 foram lançados globalmente na Netflix em julho deste ano. A primeira parte da série recebeu críticas positivas e agora a segunda parte foi lançada na última terça (23).

PUBLICAÇÃO RELACIONADA | CRÍTICA – Mestres do Universo: Salvando Eternia (Parte 1, 2021, Netflix)

O elenco de dublagem original conta com nomes como Mark Hamill, Lena Headey e Chris Wood.

SINOPSE

Depois que uma batalha catastrófica divide Eternia, Teela e uma aliança improvável precisam evitar o fim do universo nesta sequência do clássico dos anos 80.

ANÁLISE

Para os nostálgicos fãs de He-Man, a animação de Kevin Smith pode ser um divisor de águas – seja para águas turbulentas ou para calmas e vastas; explico. Mestres do Universo: Salvando Eternia é uma série sobre os Mestres do Universo e Smith utiliza de forma magistral ambas as temporadas para aprofundar a mitologia da franquia dando profundidade e sentido para cada personagem que compõe o cânone ao redor do querido protagonista, o que pode não agradar os fãs mais tradicionais.

Aqui, o Príncipe Adam, como He-Man, ainda é o grande campeão da Feiticeira de Greyskull mas há muita história ao seu redor e a animação acerta ao apresentar aos fãs diversas facetas inéditas de personagens; sejam eles heróis ou vilões.

Após Esqueleto finalmente empunhar a espada de Greyskull e proferir a frase icônica: “eu tenho a força“, tudo parece caminhar para o fim, mas contínua luta do bem contra o mal entre o protagonista e seu antagonista segue firme, porém é Teela, Maligna, Mentor e Feiticeira quem são melhor desenvolvidos e ganham mais protagonismo desta vez; e após muitos anos da série clássica, a continuação ousa e inova ao traçar um novo rumo para todos de Subeternia (uma espécie de Inferno), Eternia e Préternia (o paraíso)… e para todo o universo!

LEIA TAMBÉM:

Mestres do Universo: Salvando Eternia | Conheça os heróis e seus dubladores

Mestres do Universo: Salvando Eternia | Conheça os vilões e seus dubladores

VEREDITO

Com MUITOS momentos inesperados, combates épicos e uma boa animação, Mestres do Universo: Salvando Eternia – Parte 2 pode não ser um anime como Castlevania ou uma obra-prima como Arcane, mas renova e abre novas possibilidades para a franquia.

Ainda não foi confirmado, mas algo está por vir… uma Parte 3; ou… uma continuação de outro clássico.

Selecione o o texto a seguir para ler o spoiler: Ver He-Man pistola “full rage mode on” foi tão surpreendente quanto ver Esqueleto empunhar a espada e assumir o poder de Grayskull, mas igualmente surpreendente foi ver a jornada de Maligna e Gorpo. Inesperado, emocionante e justo. Agora, que venha a She-ha. Fim do spoiler.

Nossa nota

5,0 / 5,0

Assista ao trailer legendado:

Mestres do Universo: Salvando Eternia já está disponível na Netflix.

Inscreva-se no YouTube do Feededigno

Assista às nossas análises de filmes, séries, games e livros em nosso canal no YouTubeClique aqui e inscreva-se para acompanhar todas as semanas nossos conteúdos também por lá!

Artigo anteriorBlade: Conheça o vampiro mais letal da Marvel
Próximo artigoPokémon BDSP: 19 Pokémon raros para achar no Grand Underground
Um carioca apaixonado por livros, cinema, games e que ama falar de nerdice.