Início SÉRIE Crítica CRÍTICA – Outer Banks (1ª temporada, 2020, Netflix)

CRÍTICA – Outer Banks (1ª temporada, 2020, Netflix)

931
0
CRÍTICA - Outer Banks (1ª temporada, 2020, Netflix)

A nova série adolescente da Netflix, Outer Banks, é produzida pelos irmãos Josh e Jonas Pate e Shannon Burke e estrelada por Chase Stokes, Madelyn Cline, Madison Bailey, Jonathan Daviss, Rudy Pankow, Charles Esten, Austin North, Drew Starkey, entre outros.

O ENREDO

A série nos leva à uma das ilhas mais populares na costa leste, na costa da Carolina do Norte, onde há pobres e ricos, quando o jovem John B (Chase Stokes) convoca os três melhores amigos – JJ (Rudy Pankow), Pope (Jonathan Daviss) e Kiara (Madison Bailey) – para procurarem por um tesouro lendário ligado ao desaparecimento de seu pai.



ANÁLISE

Elenco Outer Banks: Pope, John B, JJ e Kiara.
Da esquerda para a direita: Pope, John B, JJ e Kiara.

Ao olhar apenas para a superfície de Outer Banks ou seja, o resumo apresentado no catálogo da Netflix enquanto você procura por algo para assistir, a impressão é que temos aqui uma caça ao tesouro no estilo Os Goonies, mas ao mergulhar fundo nesta série original da gigante do streaming você pode acabar se afogando.

Por outro lado, sente falta de O.C.: Um Estranho no Paraíso com um protagonista de classe baixa no meio dos ricos da Califórnia, sensação de cabelos molhados em água salgada e cenas de pôr do Sol, dê o play e assista; mas fique avisado que a comparação para por aqui.

A primeira temporada conta com 10 episódios e se inicia com um furação chamado Agatha devastando a ilha. É difícil acompanhar o tempo na série, mas com uma nova tempestade a caminho, aparentemente a trama acontece no meio do ano, que é a temporada de furacões na região.

Em Outer Banks existem os Pogues, um grupo de quatro melhores amigos que geralmente vêm das mesmas circunstâncias da ilha e vivem de acordo com o mesmo código.

  • John B é o protagonista e líder natural do grupo;
  • Kiara é a inteligente “Pogue de espírito”;
  • Pope é o estudioso nerd que tem um futuro melhor que seus amigos no horizonte;
  • E temos JJ; o impulsivo, leal e engraçado do grupo, é de longe o mais complexo devido a um longo histórico de maus tratos por um pai abusivo.

Obviamente temos um grupo rival de habitantes da ilha, os Kooks. Crianças ricas que têm suas próprias lanchas, casas luxuosas e, fornecem a todas as famílias da classe baixa seus empregos.

Felizmente, a série não depende muito dos adolescentes estarem em guerra um com o outro para levar a trama adiante. Mas de fato, um dos melhores conceitos da série é essa rivalidade geracional entre Pogues e Kooks

Da esquerda para a direita: Rafe, Topper e Kelce.
Da esquerda para a direita: Rafe, Topper e Kelce.

A série conseguiu com sucesso concluir sua principal trama: a caça ao tesouro e até em um romance apressado entre rivais.

A caça ao tesouro foi bem executada e houve muitos momentos inesperados e bem legais na busca pelo ouro não reclamado de um centenário navio afundado.



VEREDITO

Infelizmente, com muitas tramas paralelas – caçadores rivais à procura do tesouro, assassinos contratados, traficantes de drogas e um problemático filho Kook – Outer Banks parece se perder em sua própria trilha de “migalhas de pão”.

A série não é de todo ruim e é um bom entretenimento, mas o ritmo dessa primeira temporada fará você sentir como se pudesse sair a qualquer momento para ir ao banheiro ou fazer algo enquanto a série está rolando.

Nossa nota

Assista ao trailer legendado:

E você, já assistiu Outer Banks? Deixe seus comentários e sua avaliação!

Nota do público
Obrigado pelo seu voto



Curte nosso trabalho? Que tal nos ajudar a mantê-lo?

Ser um site independente no Brasil não é fácil. Nossa equipe que trabalha – de forma colaborativa e com muito amor – para trazer conteúdos para você todos os dias, será imensamente grata pela sua colaboração. Conheça mais da nossa campanha no Apoia.se e nos ajude com sua contribuição.