CRÍTICA – Vidrados (3ª temporada, 2022, Netflix)

    Vidrados (Blown Away) é um reality show de competição, onde dez artistas irão pôr à prova suas habilidades na arte de soprar vidros artesanalmente.

    Aqui, dez artesãos competem através de suas habilidades por um prêmio de 60 mil dólares e uma residência no Corning Museum of Glass, em Nova Iorque.

    O ex-Big Brother USA e YouTuber, Nick Uhas é o apresentador principal, enquanto a artista e professora na California State University, Katherine Gray é a jurada chefe.

    SINOPSE

    Dez mestres artesãos se preparam para uma competição de esculturas de vidro. O campeão receberá 60 mil dólares em prêmios.

    ANÁLISE

    Vidrados está de volta para a terceira temporada, com os competidores lutando pelo título de “O Maior dos Vidreiros”. Dez artistas do vidro chegam à maior loja dos EUA para testar os limites de sua criatividade. E em cada episódio, os sopradores de vidro terão que impressionar os avaliadores ou serão eliminados! E o prêmio poderá mudar suas carreiras para sempre.

    Os competidores desta temporada são formados por Brenna Baker, Claire KellyDaniel Joseph Friday, Grace Whiteside, John Moran, John Sharvin, Madeleine Hughes, Minhi Su England, Rob Stern e Trenton Quiocho.

    Com 10 episódio com média de 30min, a terceira temporada segue nos moldes de suas temporadas anteriores. Além da participação especial dos vencedores da 1ª e 2ª temporada: Deborah CzereskoElliot Walker, respectivamente.

    VEREDITO

    Com temas como o circo, os Sete Pecados Capitais, o espaço sideral e muito mais, a terceira temporada de Vidrados é como um grande forno de uma oficina de vidreiros, começa frio mas rapidamente esquenta a cada desafio. Mesmo que os desafios sejam diferentes das temporadas passadas e cada obra seja única, a sensação é de mais do mesmo. Felizmente a série mesmo que seja um reality de competição tem como ponto alto a camaradagem e senso de comunidade que é comum na profissão.

    E se você curte essa pegada de realities de competição e que aborde algum tipo de arte, o Tattoo Fail e Glow Up são boas opções disponíveis no catálogo da Netflix.

    Nossa nota

    3,0 / 5,0

    Assista ao trailer legendado:

    LEIA TAMBÉM:

    CRÍTICA – Vidrados (2ª temporada, 2021, Netflix)

    Inscreva-se no YouTube do Feededigno

    Assista às nossas análises de filmes, séries, games e livros em nosso canal no YouTubeClique aqui e inscreva-se para acompanhar todas as semanas nossos conteúdos também por lá!

    Artigos relacionados

    CRÍTICA – Eu Nunca… (3ª temporada, 2022, Netflix)

    A terceira temporada da série adolescente Eu Nunca... chegou na Netflix. A série é uma criação de Mindy Kaling e Lang Fisher. No elenco...

    Desastre Total: Woodstock 99 | Tudo sobre o documentário da Netflix

    Woodstock de 1969 é sinônimo de Paz e Amor, mas a edição de 99 conseguiu destruir a reputação do maior festival da música.

    CRÍTICA – Sandman (1ª temporada, 2022, Netflix)

    Confira a crítica da nova série da Netflix, Sandman, que é a maior criação da lenda Neil Gaiman e que conta com Tom Sturridge como Morpheus.

    CRÍTICA – Manifest (2ª temporada, 2020, NBC)

    A segunda temporada de Manifest aprofunda ainda mais a história sem resolver arcos do passado. Mas isso é bom, ou ruim?