Início SÉRIE Crítica CRÍTICA | WandaVision: S1E2 – Não Mude de Canal

CRÍTICA | WandaVision: S1E2 – Não Mude de Canal

O episódio Não Mude de Canal de WandaVision se mostra tão incrível quanto o primeiro, Gravado ao Vivo com Plateia, e mergulha de cabeça nas referências a série A Feiticeira (Bewitched) de 1964. Enquanto conhecemos melhor a história de Wanda e Visão, acompanhamos as referências da série serem atualizadas para os anos 60.

SINOPSE

Em um esforço para se encaixar, Wanda (Elizabeth Olsen) e Visão (Paul Bettany) realizam um ato mágico em seu show de talentos da comunidade.

ANÁLISE

Assim como apresentado no primeiro episódio, muito do que era produzido nos anos 50 para a TV não contava com cenas externas – seja pelo valor da produção, ou pela qualidade das câmeras.

Muito de WandaVision, e do mote da série, parece saber fazer bom proveito do que nossos pais e avós viam na TV nos anos 50, 60, ou até mesmo posteriormente, já que grande parte das produções norte-americanas chegavam ao Brasil com muitos anos de diferença. É uma homenagem direta aos programas de televisão antigos.

CRÍTICA | WandaVision: S1E2 – Episódio 2

Mergulhando mais profundamente na história de WandaVision, em Gravado ao Vivo com Plateia vemos que o mundo criado por Wanda tem evoluído lentamente, ganhando uma história com maior profundidade. Novos personagens mostram que o mundo de Wanda pode ser perfeito apenas para ela, que busca uma forma de escapar da sua dolorosa realidade.

Sem “monstros da semana”, ou ameaças a serem enfrentadas prontamente, WandaVision se encaminha para uma série concisa que ao longo de seus episódios, deixa pistas por todos os cantos, de onde quer chegar.

O fato de Wanda ser a criadora daquele pequeno universo em que está inserida, a faz ter “pleno” controle de sua bolha de realidade que parece aos poucos se desgastar, recebendo cada vez mais influência externa.

Apesar de nada ser perfeito naquele universo, alguns elementos apontam que Wanda não é a única responsável por aquilo, mas sim, pode estar sendo influenciada.

O segundo episódio amplia as discussões, pois enquanto somos lançados em conflitos de um Visão que tem como intuito agir como um ser humano, Wanda parece ser a mulher perfeita, ou a dona de casa perfeita, de uma realidade ou passado que não mais condiz com o que ela viveu.

Assim como grande parte do mundo, nós brasileiros somos consumidores de tudo o que é produzido nos Estados Unidos, e eu não duvido que parte dos moradores da nação fictícia de Sokovia fizesse o mesmo consumo de séries, filmes e afins.

CRÍTICA | WandaVision: S1E2 – Episódio 2

O fato de existir uma realidade que Wanda pode dobrar ao seu bel-prazer, a faz ser tanto uma deusa, como um diabo, que manipula todos os seres de acordo com sua vontade ou da forma como sua ilusão de mundo perfeito e deturpado a permite.

VEREDITO

CRÍTICA | WandaVision: S1E2 – Episódio 2

Alterando o rumo para sempre do Universo Cinematográfico Marvel, WandaVision é uma das melhores surpresas do Disney+ e se aproveita do tempo que séries de TV tem para desenvolver tranquilamente seus personagens e enredo, dando mais um espaço para a série da Marvel ser tudo que ela não pôde ser enquanto se limitava à fórmula do cinema.

Nossa nota

5,0 / 5,0

PUBLICAÇÕES RELACIONADAS:

Feiticeira Escarlate: Conheça mais de Wanda Maximoff

Visão: Conheça o sintozoide da Marvel

Assista ao trailer:

Quer ficar por dentro da série WandaVison? Acesse nossa página especial com notícias, artigos, críticas dos últimos episódios, vídeos e muito conteúdo da primeira série da Marvel Studios no Disney+!

Curte nosso trabalho? Que tal nos ajudar a mantê-lo?

Ser um site independente no Brasil não é fácil. Nossa equipe que trabalha – de forma colaborativa e com muito amor – para trazer conteúdos para você todos os dias, será imensamente grata pela sua colaboração. Conheça mais da nossa campanha no Apoia.se e nos ajude com sua contribuição.