Início SÉRIE Crítica PRIMEIRAS IMPRESSÕES – Nove Desconhecidos (1ª temporada, 2021, Amazon Prime Video)

PRIMEIRAS IMPRESSÕES – Nove Desconhecidos (1ª temporada, 2021, Amazon Prime Video)

PRIMEIRAS IMPRESSÕES - Nove Desconhecidos (1ª temporada, 2021, Amazon Prime Video)

Nove Desconhecidos (Nine Perfect Strangers) é a nova produção do Hulu que será distribuída internacionalmente pela Amazon Prime Video. A série conta com oito episódios, é baseada no livro best-seller de Liane Moriarty e produzida pelas equipes por trás de Big Little Lies e The Undoing.

Os três primeiros episódios estarão disponíveis no streaming em 20 de agosto e o restante será lançado semanalmente.

Nós tivemos acesso a seis episódios da produção, que traz em seu elenco nomes como Nicole Kidman (Aquaman), Michael Shannon (A Forma da Água), Melissa McCarthy (Esquadrão Trovão), Luke Evans (Drácula) e Bobby Cannavale (Mr. Robot).

Confira as nossas primeiras impressões, sem spoilers, sobre a série.

SINOPSE

Nove Desconhecidos se passa em um resort de luxo de saúde e bem-estar que promete cura e transformação, onde nove moradores estressados ​​da cidade tentam encontrar um caminho para uma vida melhor.

Cuidando deles durante este retiro de dez dias está a diretora do resort, Masha (Nicole Kidman), uma mulher com a missão de revigorar seus corpos e mentes cansadas. No entanto, esses nove estranhos não têm ideia do que está prestes a atingi-los.

ANÁLISE DE NOVE DESCONHECIDOS

Nicole Kidman é uma profissional que se reinventou em Hollywood. Elencando ótimos projetos no cinema, e principalmente na televisão, Kidman é a produtora responsável por diversos hits da HBO nos últimos anos. Agora, com uma série original para o Hulu, a atriz e produtora se supera mais uma vez, trazendo uma ótima adaptação do suspense Nove Desconhecidos.

Durante um retiro espiritual, nove desconhecidos passam a conviver juntos, participando de dinâmicas em grupo e experimentos promovidos por Masha. O local aceita apenas 10% de todas as submissões de visitantes, sendo um retiro extremamente exclusivo e premium.

Com uma taxa de aceitação tão pequena, os roteiristas David E. Kelley e John Henry Butterworth nos conduzem pelos motivos que levaram esses nove indivíduos a serem aceitos neste programa de reabilitação. Cada personagem possui um papel específico para o desenvolvimento da trama, o que torna a série bem dinâmica.

Trabalhar com um elenco estelar como esse é algo desafiador, pois todos os atores precisam ter um tempo de tela considerável para justificar sua presença na história. Até o episódio seis, cada um deles teve seu momento de compartilhar dores, traumas e avanços, mas alguns claramente possuem mais importância do que outros para a narrativa (pelo menos até aqui).

Nove Desconhecidos é o tipo de série que os dois últimos episódios podem colocar a perder todo o desenrolar da história. É impossível prever o que ainda vai acontecer, pois muitos ganchos ficaram abertos. Porém, dentro do cenário de análise que temos em nossas mãos, podemos dizer que a história é instigante, criativa e muito maratonável.

Ao optar por um modelo semanal de divulgação, Nove Desconhecidos provavelmente vai angariar espectadores ao longo das semanas, abrindo espaço para teorias diversas do que pode vir a acontecer com os personagens. O ápice provavelmente será no sétimo episódio, onde todas as situações irão encontrar o seu desfecho.

O elenco da série é um dos grandes pontos positivos. Melissa McCarthy, Bobby Cannavale e Michael Shannon possuem os papéis que mais chamam atenção, dando aos atores grande espaço para brilhar. Shannon está estupendo no papel de Napoleon, ao passo que McCarthy e Cannavale possuem os arcos mais fáceis de se relacionar.

Dentre as surpresas estão Samara Weaving, que interpreta Jessica, e Grace Van Patten, que interpreta Zoe. Ambas as personagens possuem diversas fragilidades, se escondendo em seus próprios medos. Apesar de Samara ter bem menos tempo de tela do que Grace, ela dá vida a uma personagem diferente e empática, se saindo muito bem em seu papel.

Confesso que eu esperava um pouco mais de Lars, personagem de Luke Evans. Apesar de ter grandes traumas a serem explorados na história, e possuir um papel importante para o roteiro, Evans brilha menos do que seus colegas de trabalho. Ainda temos dois episódios pela frente e há muita água pra rolar, então sigo torcendo para que o arco do personagem nos surpreenda no final.

Quem é fã de Big Little Lies sabe da grande qualidade que a série possui. A primeira temporada foi um evento, levando todos os prêmios das principais competições de televisão. Nove Desconhecidos parece seguir o mesmo caminho de sucesso de e estou muito animada para o desfecho dessa história.

VEREDITO

Com ótimas atuações e uma direção criativa de Jonathan Levine, Nove Desconhecidos é uma série instigante e envolvente. Se o final for tão bem construído quanto o restante da série, há chance dela aparecer nas principais premiações no ano que vem.

Nossa nota

4,0/5,0

Curte nosso trabalho? Que tal nos ajudar a mantê-lo?

Ser um site independente no Brasil não é fácil. Nossa equipe que trabalha – de forma colaborativa e com muito amor – para trazer conteúdos para você todos os dias, será imensamente grata pela sua colaboração. Conheça mais da nossa campanha no Apoia.se e nos ajude com sua contribuição.

Artigo anteriorCRÍTICA – Infinite (2021, Antoine Fuqua)
Próximo artigoCRÍTICA – A Nuvem (2021, Just Philippot)
Relações-Públicas de formação. Com pós-graduação em Star Wars e universo expandido, mas Trekker de coração. Defensora de todos os Porgs, Ewoks e criaturas fofinhas da galáxia.