Início FILMES Crítica TBT #57 | Conta Comigo (1986, Rob Reiner)

TBT #57 | Conta Comigo (1986, Rob Reiner)

84
0
TBT #57 | Conta Comigo (1986, Rob Reiner)

Adaptações de obras literárias de Stephen King para o cinema, TV – e agora também para o streaming – se tornaram mais populares do que nunca. It: A Coisa (2017), It: Capítulo 2 (2019), A Torre Negra (2017), Jogo Perigoso (2017), 1922 (2017), Doutor Sono (2019) e Campo do Medo (2019) são alguns dos títulos mais recentes lançados no cinema e alguns na Netflix. Há muito tempo que os contos, romances, poemas, antologias e livros de não ficção do autor servem de material base para obras do audiovisual.

Em 1986, dirigido por Rob Reiner e baseada na novela The Body, de 1982 e escrita por King, chegava às telonas Conta Comigo. Um dos filmes mais influentes da década de 1980, sendo uma das grandes inspirações para Stranger Things. Will Wheaton, River Phoenix, Corey Feldman e Jerry O’Connell estrelaram a história sobre a jornada de quatro amigos para encontrar o corpo de um garoto desaparecido no verão de 1960 na pequena Castle Rock.

The Body
Publicado em 1982 como parte da coletânea Quatro estações, “Outono da Inocência – O Corpo” (The Body – Fall From Inocence) acompanha quatro garotos de doze anos no verão de 1960 na pequena Castle Rock.

REJEIÇÃO

Assim como quase todos os filmes que se tornaram clássicos, Conta Comigo teve problemas durante a pré-produção.

Para os estúdios de cinema uma história de amadurecimento de quatro garotos de doze anos sem meninas, sem primeiro beijo ou perda da virgindade, um tanto melancólica e sem um adulto sábio como herói salvador não era algo lucrativo.

E assim, depois de muito trabalho para convencer Stephen King a ceder os direitos da história, os roteiristas Bruce A. Evans e Raynold Gideon quase não conseguiram produzir o filme.

Rejeitado por vários estúdios, o projeto acabou no Embassy (que mais tarde seria vendida para a Columbia), considerado na época o último recurso antes da produção ser abandonada.

Depois de passar por Adrian Lyne, o roteiro de Evans e Gideon acabou parando nas mãos de Rob Reiner. Em seguida, o elenco foi escolhido. Os atores selecionados foram aqueles que tinham mais proximidades com os papéis para que eles conseguissem transmitir todas as emoções dos personagens. Will Wheaton foi escalado para o papel principal como Gordie Lachance; Jerry O’Connell para interpretar Vern Tessio; Corey Feldman para viver Teddie e River Phoenix ficou com o papel do amargurado Chris Chambers.

Depois o projeto acabou passando por mais problemas com o estúdio – as filmagens só aconteceram porque Norman Lear, um dos ex-donos do Embassy tirou do próprio bolso o orçamento de 7,5 milhões de dólares – e com a distribuição. Dessa vez a solução veio de Guy McElwaine, executivo da Columbia, que após ver o filme em casa decidiu pelo lançamento.



PERSONAGENS

Da esquerda para a direita: Gordie (Will Wheaton), Chris (River Phoenix), Vern (Jerry O’Connell) e Teddie (Corey Feldman).

Um dos maiores acertos de Conta Comigo é, com certeza, a escolha dos ótimos atores, que eternizaram seus personagens tão bem escritos e desenvolvidos. O elenco principal tem uma química muito boa, resultado de duas semanas de interação e exercícios de teatro, que transformou quatro garotos que não se conheciam em um grupo coeso.

Gordie é um menino quieto e tímido que vive à sombra do irmão mais velho. Assim como os demais membros do grupo, ele também é igualmente um membro rejeitado da cidade de Castle Rock;

Medroso numa cultura que preza a coragem, Vern vive aterrorizado pelo irmão mais velho;

Agitado, Teddy é um garoto míope que usa o cabelo comprido para esconder as orelhas que parecem “pedaços de cera derretida”;

Para finalizar temos Chris, um garoto que vive sob o estigma de sua família. Filho de um alcóolatra e irmão de um presidiário, no imaginário local ele está predestinado ao crime. Chris é responsável por uma das cenas mais emblemáticas do longa, onde ele lembra como foi suspenso por um roubo na escola.



O texto de Bruce A. Evans e Raynold Gideon mostra como esses garotos, juntos, revelam uma sociedade de adultos incapazes de prover apoio emocional e moral, o que leva os meninos a procurarem nos amigos os laços necessários para amadurecerem. Assim, o filme nos entrega uma linda e emocionante caminhada que se transforma em uma jornada de crescimento e amadurecimento.

Conta Comigo recebeu uma indicação ao Oscar de Melhor Roteiro Adaptado e foi um grande sucesso de crítica e público. O longa teve um orçamento de US $ 8 milhões e uma arrecadação de US $ 52,2 milhões. A produção agradou ainda um crítico em particular: Stephen King reconheceu o filme como uma das melhores adaptações de sua obra para as telas.

Nossa nota

Confira o trailer:

E você, é fã dos filmes baseados nas obras de Stephen King? Já assistiu Conta Comigo? Deixe seus comentários e lembre-se de dar sua avaliação!

Nota do público
Obrigado pelo seu voto



Curte nosso trabalho? Que tal nos ajudar a mantê-lo? Ser um site independente no Brasil não é fácil. Nossa equipe que trabalha – de forma colaborativa e com muito amor – para trazer conteúdos para você todos os dias, será imensamente grata pela sua colaboração. Conheça mais da nossa campanha no Apoia.se e nos ajude com sua contribuição.