Início GAMES Crítica CRÍTICA – Darksiders III (2021, THQ Nordic)

CRÍTICA – Darksiders III (2021, THQ Nordic)

Lançado originalmente em 2018, Darksiders III chegou ao Nintendo Switch em 30 de setembro de 2021. Confira nossa análise do jogo

Originalmente lançado em 2018 para PC, PlayStation 4 e Xbox One, Darksiders III chegou ao Nintendo Switch em 30 de setembro de 2021.

Desenvolvido pela Gunfire Games e publicado pela THQ Nordic, o RPG de ação foi lançado com mais duas DLCs, já existentes para as outras plataformas. São elas: The Crucible e Keepers of the Void.

SINOPSE

Retorne a uma Terra apocalíptica em Darksiders III, um jogo de ação e aventura cheio de pancadaria, onde os jogadores assumem o papel de FURY em sua missão de caçar e eliminar os Sete Pecados Capitais. A mais imprevisível e enigmática dos Quatro Cavaleiros, FURY deve triunfar onde muitos falharam e trazer equilíbrio às forças que assolam a Terra.

ANÁLISE DE DARKSIDERS III

Darksiders III para Nintendo Switch inicia de modo frustrante. Com menos de cinco minutos de jogo enfrentamos meia dúzia de adversários e já chegamos ao primeiro boss. Até aí tudo bem.

A frustração ocorre porque todos os problemas técnicos do game são perceptíveis nesse curto espaço de tempo. Não estou falando de gráficos imperfeitos, que de fato existem, e sim de uma jogabilidade muito prejudicada.

O desafio inicial envolve se pendurar usando a arma primária de FURY, Barbs of Scorn, um chicote repleto de lâminas. Infelizmente o combo pular + lançar o chicote geralmente funciona quando você anda em linha reta, tornando a gameplay extremamente rígida.

A primeira chefe de Darksiders III impõe dificuldade mesmo no nível mais fácil do jogo. Entre os ataques que ela solta à distância está uma magia azul em determinado momento, a qual ela carrega por um tempo – aproximadamente 30 segundos, acredito. Nesse período você deve circular o mapa para alcançá-la no ar antes que ela solte esse ataque.

O que torna realmente difícil vencê-la é a jogabilidade rígida, que muitas vezes faz com que FURY aplique um golpe ao invés de soltar o chicote para se pendurar. A frustração aumenta ainda mais quando você percebe que mesmo o ataque adversário não a atingindo sua personagem sofrerá um grande dano.

Lançado originalmente em 2018, Darksiders III chegou ao Nintendo Switch em 30 de setembro de 2021. Confira nossa análise do jogo

Bem, passada a grande frustração inicial, o jogo ganha um ritmo interessante. Claro que fica aquela sensação de que a qualquer momento um adversário comum ou um novo boss vá novamente impor derrotas em sequência por conta dos problemas técnicos.

Como destaque positivo acredito que esteja o combate corpo-a-corpo contra os adversários que passam pelo seu caminho. Embora não haja nada de excepcional, é seguro dizer que é agradável combater com FURY, até porque os comandos são muito simples.

Basicamente todos os combos envolvem apertar Y diversas vezes, com poucas variações, o que é OK frente aos problemas mencionados.

VEREDITO

Darksiders III poderia ser mais interessante por conta da jogabilidade simples, dos diferentes adversários que devem ser combatidos e, para o público brasileiro, por estar disponível com legendas em português.

No entanto, os problemas técnicos infelizmente proporcionam uma jogabilidade rígida, com comandos que por vezes não funcionam, e bugs que completam um combo de frustrações. Para piorar, tudo isso fica evidente já nos primeiros minutos de gameplay.

Nossa nota

2,0 / 5,0

Assista ao trailer de Darksiders III para Nintendo Switch:

Acompanhe as lives do Feededigno na Twitch

Estamos na Twitch transmitindo gameplays semanais de jogos para os principais consoles e PC. Por lá, você confere conteúdos sobre lançamentos, jogos populares e games clássicos todas as semanas.

Curte os conteúdos e lives do Feededigno? Então considere ser um sub na nossa Twitch sem pagar nada por isso. Clique aqui e saiba como.

Artigo anteriorHouse of the Dragon: Conheça Balerion, o Terror Negro
Próximo artigoCRÍTICA – Higiene Social (2021, Denis Côté)
Jornalista pós-graduado em Jornalismo Digital, fã de Mr. Robot, Pokémon e com uma menção honrosa a 24 Horas, o seriado que me fez entrar no mundo de séries e filmes.