CRÍTICA – Kirby and the Forgotten Land (2022, Nintendo)

    Lançado em 25 de março de 2022 para Nintendo Switch, Kirby and the Forgotten Land é o primeiro game de ação e plataforma em 3D da franquia. O novo jogo do Kirby foi desenvolvido pela HAL Laboratory e publicado pela Nintendo.

    SINOPSE

    Embarque em uma aventura totalmente nova como a poderosa bolinha, Kirby. Explore livremente em fases 3D enquanto descobre um mundo misterioso com estruturas abandonadas de uma civilização passada – como um shopping center?!

    Copie as habilidades dos inimigos, como o novo Drill e Ranger, e use-as para atacar, explorar seus arredores e salvar os Waddle Dees sequestrados do feroz Beast Pack ao lado do misterioso Elfilin.

    ANÁLISE DE KIRBY AND THE FORGOTTEN LAND

    Prestes a completar 30 anos, Kirby na verdade deu um grande presente para a comunidade gamer: seu primeiro jogo de plataforma 3D! A história do personagem rosa da Nintendo e da HAL Laboratory é cheia de curiosidades e chama atenção o fato de só agora ter sua primeira aventura nesse gênero. Um dos motivos da demora é que foi complexo construir a exploração em 3D por se tratar de uma criatura tão peculiar e com um verdadeiro arsenal de habilidades.

    Por isso, os desenvolvedores dedicaram muito tempo para conseguir trazer essa experiência, e isso fica ainda mais evidente nos esforços da Big N em compartilhar detalhes da produção em entrevistas com esses profissionais. Você pode conferir o bate-papo nos links a seguir (em inglês): parte 1, parte 2, parte 3 e parte 4.

    Pois bem… a espera valeu a pena! Kirby and the Forgotten Land é um jogo incrível, muito divertido e com efeitos terapêuticos – sério mesmo. A comunidade de Animal Crossing tem esse sentimento pelo game, e a experiência com o novo jogo do Kirby é tão prazerosa quanto desenvolver sua ilha e viver em comunidade nas terras do Tom Nook, mesmo com propostas tão diferentes.

    E por incrível que pareça, essa comparação com Animal Crossing faz ainda mais sentido, pois uma das novidades trazidas à franquia é o vilarejo Waddle Dee Town, que Kirby precisa ajudar os Waddle Dees a construir na Forgotten Land. É nela onde podemos aprimorar habilidades, comprar itens de cura, batalhar no torneio de boss rush, decorar sua casa, tirar uma soneca no seu quarto e curtir um cineminha, inclusive. O cinema exibe as cutscenes de partes da aventura que você já jogou.

    O jogo inicia com a possibilidade de escolher entre os níveis fácil (Spring-Breeze Mode) e difícil (Wild Mode). Isso pode ser modificado a qualquer tempo durante sua aventura. A seguir, a cutscene que mostra como Kirby foi parar na Forgotten Land. Ele (sim, Kirby é um menino) e os demais habitantes do planeta PopStar foram sugados por uma força misteriosa que levou geral para esse mundo esquecido. Irônico, não?

    Como já havia destacado na minha análise do jogo demo, ambas dificuldades são fáceis, o que torna o jogo bem acessível a todos os públicos. Isso contribui bastante para a experiência terapêutica, mas também há elementos que impõem certo desafio.

    Por exemplo: a cada fase você precisa libertar Waddle Dees raptados. Alguns fazem parte do avanço linear do mapa, mas outros estão escondidos ou devem ser libertados se você cumprir uma missão que só é possível descobrir ao concluí-la, ou então ao terminar a fase. Só que se você completar uma missão e houver duas incompletas, o jogo só exibirá uma delas para você poder jogar novamente quando quiser e tentar completá-la, mantendo a outra oculta. Sempre apenas uma nova exibição é mostrada, e isso agrega tempo de jogo para quem desejar concluir Kirby and the Forgotten Land com 100% de aproveitamento.

    A demo de Kirby and the Forgotten Land foi disponibilizada de graça em 03 de março na Nintendo eShop. Confira nossas primeiras impressões

    Em tempo: A demo não diz respeito às três primeiras fases do jogo completo. Ela é um versão adaptada para que você conheça as principais mecânicas e tenha a chance de enfrentar o primeiro boss, mas a experiência é diferente da oferecida no jogo completo. Na versão final o encontro com o chefe demora mais para acontecer. A Nintendo acertou em oferecer a versão demonstrativa com esses ajustes, pois valoriza muito o produto final.

    Também é preciso destacar o trabalho visual primoroso de Kirby and the Forgotten Land. O jogo é cheio de cores vivas, os personagens são muito bem feitos e os movimentos fluem com naturalidade. É ótimo de jogar e também de assistir.

    Novas experiências com as habilidades do Kirby

    A habilidade mouthful é a grande novidade trazida para a franquia. Ela permite sugar objetos (carros, máquinas de vendas de refrigerantes, cones de trânsito, etc) para que novas mecânicas sejam habilitadas. Por exemplo: Quando Kirby se transforma em uma máquina de vendas de refrigerantes, é possível pular e cuspir latas em direção aos adversários e a outros objetos nos cenários.

    Outro ponto que merece destaque em Kirby and the Forgotten Land são as áreas do mapa desse mundo esquecido. Cada uma possui quatro fases (sendo a última sempre com o chefe da região) e alguns minijogos que você pode descobrir explorando ou são indicados pelos Waddle Dees. Cada minigame exige que você vença uma fase em um tempo relativamente curto usando uma habilidade. Ao concluir, você recebe uma pedra rara, que deve ser usada para aperfeiçoar as habilidades na loja do vilarejo.

    Co-op divertido

    Divertido por natureza, muito mais em dupla. O co-op de Kirby and the Forgotten é muito bem feito, e a versão definitiva corrigiu os pequenos problemas que havia identificado na demo (perda de FPS ao realizar algumas ações e sensação de área limitada para controlar o player 2, Waddle Dee).

    O multiplayer local é satisfatório e agradável. É verdade que ela torna o jogo ainda mais fácil, mas não considero um problema.

    A experiência é muito agradável no co-op de Kirby and the Forgotten Land

    A experiência é realmente de cooperação e faz sentido em praticamente todas as fases, como nas que Kirby suga uma lâmpada para iluminar o cenário, facilitando o avanço lado a lado com o Waddle Dee. No entanto, em alguns poucos momentos a experiência como player 2 fica limitada, pois apenas Kirby com suas habilidades consegue acessar certas áreas, de modo que o segundo jogador é levado junto automaticamente.

    VEREDITO

    Minha primeira experiência com o jogo foi em live na nossa Twitch e fiquei jogando co-op por mais de 5 horas (confira aqui). Tanto tempo curtindo Kirby and the Forgotten Land se deve ao fato de ser um game prazeroso, relaxante e com gráficos muito bonitos. Com certeza esse é um dos melhores e mais divertidos jogos de 2022!

    Nossa nota

    5,0 / 5,0

    Assista ao trailer de Kirby and the Forgotten Land:

    Acompanhe as lives do Feededigno na Twitch

    Estamos na Twitch transmitindo gameplays semanais de jogos para os principais consoles e PC. Por lá, você confere conteúdos sobre lançamentos, jogos populares e games clássicos todas as semanas.

    Curte os conteúdos e lives do Feededigno? Então considere ser um sub na nossa Twitch sem pagar nada por isso. Clique aqui e saiba como.

    Artigos relacionados

    EU CURTO JOGO VÉIO #15 | ‘PaRappa The Rapper’ é aconchegante de um jeito muito especial 

    Ao longo dessa jornada chamada existência tive o prazer de ter contato com games desde um bom tempo na infância, indo desde o Atari,...

    Summer Game Fest 2024: Confira todos os anúncios e trailers do evento

    Summer Game Fest 2024 contou com grandes anúncios. Durante o evento foram mostrados games que serão lançados nos próximos meses.

    CRÍTICA: ‘Sand Land’ é diversão envelopada em história consciente

    Sand Land é uma das obras menos conhecidas de Akira Toriyama. A história gira em torno de Belzebub e sua improvável equipe. Confira!

    EU CURTO JOGO VÉIO #14 | ‘Mad Max’ voou baixo e se mostrou mais do que o esperado em 2015

    Mad Max foi lançado em 2015 para os consoles da época. Em uma jornada curiosamente divertida, o game cativou fãs por todo o mundo.