CRÍTICA – OlliOlli World (2022, Roll7)

    O Roll7 é um estúdio independente com base em Londres que se uniu à Private Division em 2021 para tirar do papel o ambicioso projeto que é OlliOlli World. O game, lançado no dia 08/02/2022, está disponível para PC, Nintendo Switch, PlayStation 4, PlayStation 5, Xbox One e Xbox Series X.

    A série OlliOlli é marcada por sua principal característica: jogos de skate no estilo plataforma com rolagem lateral. Seu primeiro jogo, que deu nome à série, foi lançado em 2014 originalmente para PlayStation Vita, sendo lançado posteriormente nas demais plataformas. A sequência veio com o game OlliOlli2: Welcome to Olliwood, em 2015, também originalmente para consoles da Sony.

    SINOPSE

    OlliOlli World é um novo jogo de skate estilo plataforma, cheio de personalidade. Faça um flip e mande ver no mundo vibrante de Radlandia, encontre personagens interessantes enquanto manda um grind, um trick ou air, numa jornada para descobrir os deuses místicos do skate na sua missão por Gnarvana.

    Desbrave um mundo cativante enquanto encara suas missões e desafios e faz novos amigos no caminho. Personalize a aparência, as manobras e o estilo do seu personagem enquanto vivencia fases exploráveis, com diversos caminhos que oferecem oportunidades para expressar os estilos únicos de cada jogador. Desafie o mundo nas ligas ou instigue um amigo a bater suas melhores manobras numa das milhões de fases compartilháveis.

    ANÁLISE DE OLLIOLLI WORLD

    OlliOlli World é, como já dito, um jogo de skate no estilo plataforma em perspectiva 2.5D, com gráficos cartunescos bastante coloridos e uma trilha sonora suave que contrasta com a mecânica frenética do game.

    A personalização é um dos primeiros pontos a chamar atenção quando experienciamos OlliOlli World. E ela se dá em vários âmbitos. Num primeiro momento, a personalização do personagem, permitindo customizar o estilo, algumas características físicas e o seu skate. Um detalhe interessante aqui é que em nenhum momento definimos o gênero do personagem, e por podermos editá-lo a qualquer momento, é possível editar o personagem da forma que bem entendermos, quando e como quisermos.

    A customização é um dos pontos fortes de OlliOlli World
    Créditos: Roll7 / Private Division

    Gráficos

    A enxurrada de informações visuais que OlliOlli World proporciona é tamanha que custei a definir quais as características que me eram familiares. Mas não demorou muito para eu definir que os belos gráficos, desenhados à mão, me remetiam a um misto de A Hora da Aventura e Rocket Power.

    O estilo cartunesco, bastante colorido e com cenários fantásticos que extravasam surrealismo, como pistas de sorvete ou árvores com rostos, me lembram muito A Hora da Aventura. Já Rocket Power é lembrado principalmente pelas roupas e aparência dos personagens, aliados é claro ao mundo do skate e todos os seus maneirismos.

    Jogabilidade

    É necessário dar destaque para a ousadia e criatividade das mecânicas de OlliOlli World. Pessoas acostumadas a jogos do gênero de skate têm como referência para movimentação o uso do analógico esquerdo ou direcional, e para saltos e manobras os botões da direita. Detalhe importante aqui: o jogo precisa ser jogado com um controle. Não existe a possibilidade do uso de teclado.

    A série OlliOlli subverte esta ideia, e em OlliOlli World não podia ser diferente. Por ser um jogo com rolagem lateral, não há necessidade de botões para movimentação, nem sequer para orientação direcional. Quem dá o tom é o jogo. A sua preocupação deve ser remar, ou seja, impulsionar com um pé o shape para ganhar velocidade e, principalmente, acertar o caminho.

    CONFIRA TAMBÉM: CRÍTICA – Humankind (2021, Amplitude Studios)

    Os comandos

    As mecânicas se resumem ao uso do analógico esquerdo para execução da maioria das manobras, como flips, grinds e aéreos, o uso do botão X (PS) ou A (Xbox) para ganhar velocidade (remar). Os bumpers (R1 e L1 ou RB e LB) servem para girar o skate para a direita ou esquerda e o analógico direito serve para fazer manobras segurando o skate.

    Apesar de parecerem bastante básicos, os controles são bastante complexos (principalmente para quem não está acostumado a essa configuração), o que torna a execução de coisas simples bastante difícil em alguns momentos. Inclusive, dificuldade é um outro fator importantíssimo em OlliOlli World.

    Confira nosso review a respeito de OlliOlli World, um novo jogo de skate estilo plataforma e cheio de personalidade.
    Créditos: Roll7 / Private Division

    Dificuldade

    Não só pela atipicidade dos controles, mas também pela velocidade com que os movimentos precisam ser executados, a dificuldade se faz presente a cada novo mapa em OlliOlli World. Os desafios extras de cada fase, mesmo não sendo obrigatórios, instigam o jogador a tentar cada vez mais, e é esse o seu maior erro (foi o meu pelo menos).

    Para passar de fase, basta completar a pista. Isso deveria bastar para um jogador casual querer avançar para o próximo nível. Mas não para mim. Consegui passar vários minutos trancado em uma mesma fase só porque queria completar todos os desafios propostos pelo game, fossem eles de maior pontuação ou de completar uma manobra específica ou passar por um ponto da fase. E falando nisso.

    CONFIRA TAMBÉM: CRÍTICA – Tony Hawk’s Pro Skater 1+2 (2020, Activision)

    Level Design

    O que prende não é só o desafio, mas a ótima construção das fases. O level design de OlliOlli World é instigante e convidativo. Toda a aversão que a dificuldade causa é compensada pela criatividade das pistas e a certeza de que aquele obstáculo não é impossível de ser traspassado; o erro deve estar na forma como se chega nele. E pra ser honesto, os checkpoints ajudam bastante, também.

    A beleza dos cenários também proporciona a empolgação em querer conhecer novos caminhos para explorar uma mesma fase ou então simplesmente tentar aumentar a sua maior pontuação só para poder curtir mais uma vez aquela pista que você aprendeu cada macete. Além disto, a complexidade é diluída ao longo do jogo, o que torna tudo mais atrativo.

    Curva de aprendizagem

    A curva de aprendizagem de OlliOlli World é tão orgânica que acaba sendo percebida apenas pelo aumento frequente e exponencial da dificuldade. O primeiro mapa a que temos acesso é praticamente um grande tutorial. Mas na sequência vemos que nem começamos a aprender tudo o que o game oferece. E por proporcionar um aprendizado gradual, OlliOlli World ainda que punitivo, permite que o jogador aprenda com o erro.

    Os já mencionados checkpoints também favorecem o aprendizado por permitirem repetir e testar novas estratégias para abordar cada pista, sem precisar reiniciar toda ela. A falha se torna parte da gameplay, e o aprendizado constante deixa o gosto por querer conhecer qual nova manobra ou técnica iremos aprender para compor nosso repertório.

    Os gráficos de OlliOlli World remetem aos desenhos animados A Hora da Aventura e Rocket Power
    Créditos: Roll7 / Private Division

    VEREDITO

    Ainda que tenha muitos acertos, OlliOlli World também peca em alguns aspectos. Mesmo que seja um jogo produzido no Reino Unido, ele é completamente traduzido para o português, facilitando o acesso ao público nacional. Existem algumas pequenas falhas na tradução e alguns problemas justamente pelo conflito de idiomas, pois o game frequentemente preza pela não determinação do gênero dos personagens. Desta forma, a neutralidade de gêneros da língua inglesa se torna uma barreira para a tradução no português.

    CONFIRA TAMBÉM: CRÍTICA – Tony Hawk’s Pro Skater 1 + 2 (2021, Activision, Nintendo Switch)

    Às vezes o figurante rouba a cena

    Não mencionei durante a análise, mas não posso deixar de citar o excelente modo fotografia que o game oferece. Valorizando ainda mais o excelente trabalho gráfico, o modo fotografia permite que você escolha algum momento específico, uma manobra incrível ou apenas um cenário que você se apaixonou e edite-o da forma que quiser, com algumas boas opções de customização. É um detalhe pequeno frente aos demais atrativos, mas muito gostoso de explorar.

    Um detalhe não tão pequeno assim são algumas eventuais quedas de FPS e travamentos. Seja em momentos em que desbloqueamos uma conquista ou quando são carregadas muitas animações em tela, algumas “engasgadas” são percebidas. Por não serem tão frequentes, não chegariam a significar um grande problema. No entanto, em um jogo tão rápido e punitivo, travar por um instante pode significar a perda de um combo grande ou até mesmo a falha de algum objetivo.

    Por fim

    Ainda assim, OlliOlli World não cai em descrédito. Toda sua genialidade, dificuldade e diversão são muito honestas e merecem o devido destaque. Existem alguns pontos que podem ser aprimorados, mas acredito que com pequenos pacotes de ajustes isso já possa ser consertado. A competitividade a nível global e a promessa de constante renovação dos rankings torna o jogo ainda mais interessante e só aumenta meus elogios ao Roll7 e à Private Division.

    Certamente, um grande acerto neste início de 2022.

    Nossa nota

    4,5 / 5,0

    Confira o trailer de OlliOlli World:

    E você, já jogou OlliOlli World? O que achou? Deixa sua nota e comenta sobre suas impressões.

    Nota do público
    Obrigado pelo seu voto

    Acompanhe as lives do Feededigno na Twitch

    Estamos na Twitch transmitindo gameplays semanais de jogos para os principais consoles e PC. Por lá, você confere conteúdos sobre lançamentos, jogos populares e games clássicos todas as semanas.

    Curte os conteúdos e lives do Feededigno? Então considere ser um sub na nossa Twitch sem pagar nada por isso. Clique aqui e saiba como.

    Artigos relacionados

    CRÍTICA – Sonic Origins (2022, Sega)

    Sonic Origins é a mais nova coletânea da Sega. A coletânea conta com os jogos clássicos da franquia com novos modos de jogo.

    Sonic Origins: Conheça os Cheats do game

    Sonic Origins foi lançado, além de games conhecidos dos fãs, trazemos cheats para que você os jogue da forma que quiser.

    Noites Sombrias #72 | 10 games mobile assustadores

    A todo momento games mobile são lançados; e entre as muitas opções separamos uma lista com 10 títulos para fazer gelar seu sangue!

    CRÍTICA – Teenage Mutant Ninja Turtles: Shredder’s Revenge (2022, DotEmu, Gamera Games)

    Após anos longe dos games, as Tartarugas Ninjas estão de volta em Teenage Mutant Ninja Turtles: Shredder’s Revenge!