The Crown: Conheça o elenco da 5ª temporada

    A quinta e última temporada de The Crown – como a terceira temporada – apresenta um elenco principal totalmente novo à medida que a história entra em um novo período da história.

    É isso mesmo, a série chegou nos anos 90 e trocou a formação da Era Thatcher da quarta temporada por um novo grupo de atores e atrizes para representar os personagens reais.

    Além de envelhecer os protagonistas de longa data do drama, o elenco da 5ª temporada traz um novo primeiro-ministro; novos amigos, familiares e amantes; e dois novos jornalistas, ambos com a intenção de descobrir a verdade sobre o trauma real da princesa Diana.

    The Crown chega amanhã (9) ao catálogo da Netflix.

    RAINHA ELIZABETH (Imelda Staunton)

    Embora cercada de personagens que talvez pudessem ser descritos como mais dinâmicos do que ela, a própria confiabilidade da soberana é um de seus maiores trunfos. Na 5ª temporada de The Crown, a rainha continua seu reinado mais estável do que nunca, mas é o mundo ao seu redor que está mudando – e nem o público nem alguns de sua família estão convencidos de que ela pode acompanhar.

    Ela também está perturbada com o colapso de não apenas um, mas três dos casamentos de seus filhos, temendo o impacto que tantos divórcios poderiam ter na monarquia.

    Imelda Staunton comentou:

    [A temporada] começa com as pessoas questionando: ‘Precisamos da monarquia? Precisamos da rainha?’ E ela tem que enfrentar essa tempestade em particular.”

    Com uma rica carreira no teatro, cinema e televisão que remonta aos anos 80, o currículo de Staunton possui mais de 100 créditos de tela – incluindo sua indicação ao Oscar como personagem-título em O Segredo de Vera Drake (2004) – e ela foi indicada a 13 prêmios Olivier, ganhando 4. Para muitos espectadores, a estrela é mais reconhecível como a insidiosa Dolores Umbridge da franquia de filmes Harry Potter.

    PUBLICAÇÃO RELACIONADA | Rainha Elizabeth II: Produções sobre a ex-Rainha e a Família Real

    PRÍNCIPE PHILIP (Jonathan Pryce)

    Mesmo em sua idade avançada, o duque de Edimburgo se recusa a desacelerar. Sempre curioso, adora pesquisar novos assuntos em história e ciência; tendo envelhecido fora do polo, ele desenvolve uma paixão por passeios de carruagem. Ele compartilha essas atividades com um grupo de amigos que inclui Penny Knatchbull, a esposa de seu afilhado.

    Jonathan Pryce comentou:

    O que Peter faz é pensar em [Philip] como um homem preso em uma situação muito restritiva, [e ele pergunta:] ‘O que ele deve estar pensando? O que eu estaria pensando se estivesse nesse tipo de casamento?’

    Como sua esposa na tela, Pryce teve uma carreira formidável no palco e na tela: começando sua carreira no teatro nos anos 70, seu papel de destaque no cinema veio com Brazil (1985), do cineasta Terry Gilliam. Desde então, Jonathan Pryce colaborou com Gilliam em mais três filmes. Um de seus muitos papéis na televisão foi o Alto Pardal em Game of Thrones. O ator galês ganhou dois Olivier Awards e dois Tony Awards e recebeu indicações para dois Primetime Emmys e um Oscar, por Dois Papas (2019).

    PUBLICAÇÃO RELACIONADA | CRÍTICA – Dois Papas (2019, Fernando Meirelles)

    PRINCESA MARGARET (Lesley Manville)

    A irmã mais nova da rainha, agora na casa dos 60 anos, se acomodou desde sua juventude selvagem (e de seu casamento fracassado com Antony Armstrong-Jones). Ela e Elizabeth parecem mais próximas do que nunca, até que um lembrete inesperado de um amor passado faz Margaret refletir sobre uma vida que ela poderia ter tido – mas foi negada pela realeza.

    Lesley Manville comentou sobre o arco de Margaret nesta temporada de The Crown:

    Há todas as grandes e épicas histórias acontecendo – as histórias que todo mundo conhece porque são história – mas também há todos os pequenos dramas silenciosos acontecendo por baixo.

    Manville acumulou mais de 100 créditos em filmes e TV, além de seu impressionante currículo de teatro desde os anos 70. A atriz fez oito filmes com o cineasta Mike Leigh; ela recebeu sua primeira indicação ao Oscar, no entanto, por Trama Fantasma (2017) de Paul Thomas Anderson. Por seu trabalho no palco, ela recebeu três indicações ao Olivier Award, vencendo uma vez.

    PUBLICAÇÃO RELACIONADA: CRÍTICA – Trama Fantasma (2017, Paul Thomas Anderson)

    PRÍNCIPE CHARLES (Dominc West)

    Nem tudo está bem com o futuro rei. Infeliz em seu casamento com Diana, Charles continua a recorrer a Camilla Parker Bowles em busca de apoio. Frustrado por sua posição inerentemente intermediária como Príncipe de Gales, ele está energizado para modernizar a monarquia.

    Dominc West falou sobre seu personagem na última temporada de The Crown:

    A grande tensão que você vê nesta temporada, sobre a qual Peter escreveu, é entre essa visão dos anos 1950 sobre a monarquia e a vida pública e o casamento e os dias modernos e como eles se chocam. Diana realmente representa os dias modernos e Charles está meio que preso entre os dois.

    A carreira de West começou nos anos 90, com papéis iniciais, incluindo as adaptações cinematográficas de Shakespeare, Richardo III e A Midsummer Night’s Dream. Ele pode ser mais conhecido por seu trabalho na televisão: o ator inglês estrelou The Wire, da HBO e The Affair, da Showtime.

    PRINCESA DIANA (Elizabeth Debicki)

    A união dos galeses não pode ser salva, e a solidão e o desespero da princesa só aumentam com o passar do tempo – especialmente quando seu filho mais velho, William, vai para a escola. Diana finalmente encontra uma maneira de contar seu lado das coisas para o mundo através de dois homens que estão ansiosos para fornecer uma plataforma para ela – para melhor ou para pior.

    Elizabeth Debicki comentou:

    Como resultado do fim do casamento – e como ela se torna cada vez mais distante do resto da Família Real – isso, claro, a encoraja a cultivar outras partes de sua vida e tentar recuperar o controle daquelas que estão em espiral.

    A atriz australiana Debicki teve seu papel de destaque na adaptação O Grande Gatsby (2013), de Baz Luhrmann, na qual interpretou Jordan Baker. A estrela escultural (ela tem mais de 1,80 m de altura) já apareceu em O Agente da U.N.C.L.E.Guardiões da Galaxia Vol. 2 e Tenet, entre outros filmes.

    PUBLICAÇÃO RELACIONADA: CRÍTICA – Tenet (2020, Christopher Nolan)

    PRÍNCIPE WILLIAM (Senan West)

    O segundo na linha de sucessão ao trono está crescendo e prestes a começar a escola em Eton. (Ele poupou a educação cansativa que seu pai experimentou em Gordonstoun na 2ª temporada). Embora perturbado pela tensão – e às vezes hostilidade aberta – que ele detecta entre seus pais, ele começa a forjar um relacionamento mais próximo com sua avó, a rainha.

    O recém-chegado Senan West consegue seu primeiro papel com The Crown. Apropriadamente, na vida real ele é o filho de Dominic West, seu pai também na série.

    CAMILLA PARKER BOWLES (Olivia Williams)

    Camilla continua dedicada a Charles, mas casada com Andrew Parker Bowles. Esse acordo só pode durar até certo tempo, no entanto, com o escrutínio cada vez mais intenso da mídia sobre a vida pessoal do príncipe de Gales.

    Olivia Williams relembra como foi a vida de sua personagem na época:

    Camilla deixa de ser uma ‘amiga próxima’ de Charles para ser objeto de escrutínio da mídia.

    A carreira da atriz inglesa Williams começou no teatro, e ela estreou no cinema nos anos 90 com Rushmore (1998) e O Sexto Sentido (1999). Desde então, ela fez performances notáveis ​​em An Education e The Ghost Writer e teve papéis regulares em Dollhouse e Counterpart.

    DODI FAYED (Khalid Abdalla)

    Filho mais velho de Mohamed al-Fayed (Salim Daw), Dodi trabalha para o pai antes de sair sozinho para produzir filmes; seus créditos incluem Carruagens de Fogo (1981). À medida que sua carreira ganha força, ele procura se mudar para Los Angeles.

    O ator egípcio-britânico Khalid Abdalla teve seu sucesso em Voo United 93 (1995), de Paul Greengrass, seguido por um papel de protagonista em O Caçador de Pipas (2007), de Marc Forster. Seus créditos desde então incluíram uma nova parceria com Greengrass para Zona Verde (2010) e, mais recentemente, uma parte no Cavaleiro da Lua do Disney +.

    PUBLICAÇÃO RELACIONADA: CRÍTICA – Cavaleiro da Lua (Minissérie, 2022, Disney+)


    The Crown chega amanhã (9) ao catálogo da Netflix.

    Inscreva-se no YouTube do Feededigno

    Assista às nossas análises de filmes, séries, games e livros em nosso canal no YouTubeClique aqui e inscreva-se para acompanhar todas as semanas nossos conteúdos também por lá!

    Artigos relacionados

    CRÍTICA – ‘A Inspeção’ de ‘O Gabinete de Curiosidades’: das belas cores berrantes do anos 70 ao horror corporal

    A Inspeção de 'O Gabinete de Curiosidades' nos lança por uma viagem nostálgica, no comando de Panos Cosmatos.

    A saga olímpica no cinema: Uma jornada de superação e emoção

    Entre dramas, comédias e até mesmo criminais, a melhor maneira de se preparar para as Olimpíadas é conhecendo as melhores histórias da competição.

    CRÍTICA: ‘The Last Days of Ptolemy Grey’ é sobre fins, começos e reflexões

    'The Last Days of Ptolomy Grey' é uma joia escondida na AppleTV. Estrelada por Samuel L. Jackson, e grande elenco, o acompanhamos em uma jornada emocional e profunda.

    5 novos jogos de Nintendo Switch para toda a família explorar

    O Nintendo Switch dá as boas-vindas à primavera com seleção incrível de jogos casuais no portátil da Big N. Confira a lista!