Início MANGÁ Crítica CRÍTICA | Platinum End – Vol. 1 (2018, JBC)

CRÍTICA | Platinum End – Vol. 1 (2018, JBC)

59
0
CRÍTICA | Platinum End - vol. 1 (2018, JBC)

Platinum End é um mangá com roteiro Tsugumi Ohba e arte de Takeshi Obata, a mesma dupla responsável pelos notáveis Death Note (2003-2006) e Bakuman (2008-2012). Publicado originalmente pela editora Jump Square (2015 – presente), atualmente se encontra com 12 volumes publicados no Japão.

No Brasil a obra vem sendo publicada pela editora JBC desde 2018 e se encontra com 10 volumes publicados, sendo que o último volume foi lançado em 2019. A edição número 1 reúne 3 capítulos contendo 192 páginas.

A obra aborda temas polêmicos como suicídio e abuso infantil e não é recomendado para menores de 18 anos ou quem esteja passando por algum problema semelhante ao que a obra trata, por mais que seja uma dark fantasy e thriller sobrenatural.

ENREDO

Na trama acompanhamos o jovem Mirai Kakehashi que não tem mais vontade de viver. Além de perder a família em um terrível acidente, Mirai é maltratado todos os dias pela sua família adotiva.

Cansado dessa vida infeliz, o jovem se joga de um prédio no dia de sua formatura no Ensino Fundamental. Porém, neste exato momento da queda, Mirai se encontra com um anjo que poderá mudar totalmente a sua vida.

ANÁLISE

É inevitável que a dupla de mangaká Tsugumi Ohba e Takeshi Obata, considerados dois mestres do gênero, criem uma grande expectativa no público sempre que publicam um novo trabalho. Essa expectativa gerada não é para menos, pois ambos tem no currículo Death Note e Bakuman, obras que são extremante populares pelos fãs do mundo otaku (os dois mangás estão em minha lista de favoritos da vida).

Se em Death Note tínhamos um thriller policial cheio de reviravoltas e em Bakuman uma história sobre dois garotos comuns; Em Platinum End temos uma obra completamente diferente, que aborda um tema polêmico como o suicídio. Entretanto, o acontecimento serve apenas para construir o backstory do protagonista, sem ser aprofundado ao longo da publicação.

Ao decorrer da história, a trama muda para um típico mangá shonen cheio de competições, disputas e lutas. Confesso que eu estava bastante ansioso com esse novo trabalho, mas a trama não chegou a me conquistar como nos mangás anteriores da dupla. Infelizmente aqui, o protagonista não é nada agradável e nenhum pouco interessante.

A linha que a história segue é basicamente um battle royale para quem será o novo Deus. Esse tipo desenvolvimento não é surpreendente, pois já existem diversas outras obras de gênero com mesmo plot, porém abordado de melhor forma. Quanto ao roteiro, temos uma boa construção de diálogos, mas nada que possa surpreender o leitor.

Entretanto, mesmo sendo uma obra um pouco aquém do legado da dupla, a arte de Obata – que possui um traço inconfundível – segue deslumbrante, evoluindo a cada nova publicação.

VEREDITO

Apesar de Platinum End tocar em temas polêmicos, mas não desenvolvê-los, e ter uma mudança abrupta em seu tema, a obra não deixa de ser um bom mangá a ser acompanhado; Seja para aqueles que já sabem como se desenvolve um shonen ou para quem está entrando nesse mundo agora.

Por fim, por mais que Platinum End siga os clichês de seu gênero – e de não ter me conquistado -, confesso que fiquei curioso pelo desenvolvimento da trama no decorrer das próximas edições.

Nossa nota

Editora: JBC

Autores: Tsugumi Ohba e Takeshi Obata

Página: 192

E você, já leu esse mangá? Deixe sua opinião e nota!

Nota do público
Obrigado pelo seu voto

Curte nosso trabalho? Que tal nos ajudar a mantê-lo?

Ser um site independente no Brasil não é fácil. Nossa equipe que trabalha – de forma colaborativa e com muito amor – para trazer conteúdos para você todos os dias, será imensamente grata pela sua colaboração. Conheça mais da nossa campanha no Apoia.se e nos ajude com sua contribuição.