CRÍTICA | The Boys – Vol. 6: A Sociedade da Autopreservação (2020, Devir)

    The Boys – Vol. 6: A Sociedade da Autopreservação é uma criação de Garth Ennis e Darick Robertson, sendo distribuída no Brasil pela editora Devir.

    SINOPSE

    The Boys

    A luta do século está para acontecer, pois Os Rapazes enfrentarão os temidos supers da Liga da Revanche, os heróis mais poderosos da Terra.

    Ainda nesta edição, conheceremos o passado dos nossos heróis, menos de Billy Carniceiro que terá sua história contada na minissérie Pau Pra Toda Obra.

    ANÁLISE

    O sexto volume de The Boys tem como objetivo aprofundar histórias, pois cada origem é contada detalhadamente. Num primeiro momento temos a história de Trovoada, um “herói” nazista quase tão poderoso quanto o Patriota.

    A Liga da Revanche é emulada para ser uma bela sátira dos Vingadores, visto que cada herói foi pensado de acordo com alguns exemplos como Capitão América, Visão, Feiticeira Escarlate, Homem-Formiga e Thor.

    O que chama mais a atenção no sexto volume da HQ de Garth Ennis e Darick Robertson é a crueldade e implacabilidade de Billy Carniceiro, pois ele é um dos destaques.

    O personagem é violento, sagaz e mete muito medo em todos os seus amigos e inimigos, por exemplo, provando uma faceta que ainda não tínhamos visto do protagonista e que é muito bem aproveitada aqui.

    ORIGENS DE THE BOYS

    Já num segundo momento, temos as histórias de Leite Materno, Fêmea e Francês sendo narradas uma a uma para Hughie, uma vez que ele começa a contestar o por quê de eles estarem naquele grupo sem questionar as ações de Billy.

    Vemos no texto de forma inteligente que cada um dos Rapazes recebeu um propósito, algo que eles ainda não tinham em suas vidas individuais.

    O ponto de todos serem “underdogs” os tornam únicos, visto que são uma espécie de justiceiros com um laço de sangue, uma proposta bastante acertada.

    De forma intimista, as histórias nos envolvem pelo seu conteúdo, todavia, alguns fatos dantescos apresentam a essência nonsense da trama, algo que The Boys sabe demais aproveitar.

    VEREDITO

    CRÍTICA | The Boys - Vol. 4: Hora de Partir (2020, Devir)

    Com um volume equilibrado de ação e calmaria, The Boys – Vol. 6 é a mais equilibrada das HQs até o momento, pois aproveita muito bem seus momentos.

    Com bastante violência e um texto bastante envolvente, o quadrinho se destaca dos demais por aproveitar muito bem seus coadjuvantes, deixando-os cada vez mais interessantes.

    Nossa nota

    The Boys

    Editora: Devir

    Autores: Darick Robertson e Garth Ennis.

    Páginas: 140

    E você, gosta de The Boys? Deixe sua opinião e nota!

    Nota do público
    Obrigado pelo seu voto

    LEIA TAMBÉM:

    CRÍTICA – The Boys: Vol. 1, Vol. 2, Vol. 3, Vol. 4 e Vol. 5

    Como Tempesta é diferente dos quadrinhos

    Soldier Boy: Conheça o personagem confirmado para a 3ª temporada de The Boys

    Nota do público
    Obrigado pelo seu voto

    Curte nosso trabalho? Que tal nos ajudar a mantê-lo?

    Ser um site independente no Brasil não é fácil. Nossa equipe que trabalha – de forma colaborativa e com muito amor – para trazer conteúdos para você todos os dias, será imensamente grata pela sua colaboração. Conheça mais da nossa campanha no Apoia.se e nos ajude com sua contribuição.

    Artigos relacionados

    Johanna Constantine: Quem é a personagem de Sandman?

    Criada por Neil Gaiman, a personagem Lady Johanna Constantine está presente nas HQs de Sandman e agora na série da Netflix inspirada na obra.

    Alto Evolucionário: Quem é o vilão de Guardiões da Galáxia Vol. 3?

    Alto Evolucionário foi criado por Stan Lee e Jack Kirby, estreou na HQ Thor #134 - Os Criadores de Pessoas, publicada em novembro de 1966.

    CRÍTICA | Prisioneiro dos Sonhos – Vol. 2: O Processo (2022, Comix Zone)

    Veja o que achamos da HQ Prisioneiro dos Sonhos - Vol. 2: O Processo que recebeu o Prêmio de Melhor Roteiro do Festival de Angoulême.

    Sabbac: Conheça o vilão demoníaco de Shazam

    A primeira versão de Sabbac, Timothy Karnes, foi criada por Otto Binder e Al Carreno; sua estreia foi na HQ Capitão Marvel Jr. #4, de 1943.