Início SÉRIE Crítica CRÍTICA | His Dark Materials: S2E1 – The City of Magpies

CRÍTICA | His Dark Materials: S2E1 – The City of Magpies

CRÍTICA | His Dark Materials: S2E1 - The City of Magpies

Foi ao ar nesta segunda-feira (16/11) na HBO o primeiro episódio da 2ª temporada de His Dark Materials chamado The City of Magpies. A série é uma produção entre a BBC e a HBO, inspirada na trilogia de mesmo nome do autor Philip Pullman.

SINOPSE

CRÍTICA | His Dark Materials: S2E1 - The City of MagpiesLyra (Dafne Keen) e Will (Amir Wilson) exploram o novo mundo, onde os adultos sumiram e as crianças vivem sozinhas. Sra. Coulter (Ruth Wilson) se junta ao Magisterium para procurar por Lyra. Enquanto isso, uma reunião importante entre os clãs de bruxas põe Lee Scoresby (Lin-Manuel Miranda) em uma missão.

ANÁLISE

CRÍTICA | His Dark Materials: S2E1 - The City of MagpiesNos anos 90, Philip Pullman criou uma trilogia fantasiosa para os jovens que discutia temas considerados “tabus” pelos adultos. Deste modo, His Dark Materials sempre foi uma obra complexa para se adaptar, vide o filme A Bússula de Ouro, de 2007, que acabou por ser “apagado” ao ser considerado superficial demais.

Mais de 20 anos depois, a história que fala desde fanatismo religioso a perda de inocência ganha uma adaptação para série a sua altura. Não que a produção da BBC em conjunto com a HBO não tenha suas falhas. A primeira temporada pecou em não dar tanto tempo de tela aos daemons, quando claramente os carismáticos animais fazem total parte da trama.

Contudo, quase um ano se passou e a segunda temporada de His Dark Materials começa exatamente de onde parou. Após a morte de seu amigo, Lyra passa para um outro mundo indo atrás de seu pai. A cidade litorânea de Cittàgazze se assemelha muito com as descrições feitas por Pullman no segundo livro.

Um ponto positivo, a série tem a proeza de caracterizar muito bem seus cenários e personagens. Não só isso, o roteiro de Jack Thorne é fiel aos detalhes mais importantes vistos na trilogia. Ainda que seja irritante essa história de fidelidade aos livros é de admirar o quanto Thorne consegue externar as ideias de Pullman.

Nesse quesito, Lyra e Will se encontram pela primeira vez na cidade abandonada. A garota estranha que Will não tenha um daemon e Will se apavora ao ver um animal falante. A dinâmica entre ambos começa a ser desenvolvida sem pressa, primeiro é preciso ganhar confiança.

Logo, eles formam uma aliança para ajudarem um ao outro. Lyra está atrás do “Pó” e no mundo de Will ele pode ser a ajuda necessária. Já Will vem de um passado conturbado fugindo de seus perseguidores.

Tanto Dafne Keen como Amir Wilson são ótimos nos papéis. Mesmo que Keen aposte em uma Lyra mais séria ao invés de impulsiva; já Wilson tem o aspecto responsável e moral de Will dos livros. Consequentemente, os jovens ficam sabendo que Cittàgazze está deserta porque os adultos fugiram ou foram pegos pelos Espectros.

Com a explicação de que somente as crianças ficaram na cidade já que os Espectros só atacam os adultos, His Dark Materials caminha para sua elucidação tratando de assuntos mais delicados. Já que, à medida que as crianças crescem e recebem o Pó perdem a inocência e ficam suscetíveis aos pecados.

O interessante será assistir como a série irá inserir temas complexos em uma produção que tende muito mais para o lado da fantasia e aventura.

Magisterium e Sra. Coulter

No mundo de Lyra os acontecimentos são de pura tensão. Em uma reunião entre as bruxas, Serafina Pekkala (Ruta Gedmintas) e Ruta Skadi (Jade Anouka) sentem que o mundo está prestes a mudar com a profecia de Lyra se cumprindo. Portanto, mandam Lee Scoresby (Lin-Manuel Miranda) em busca da garota. 

Sra. Coulter interpretada brilhantemente por Ruth Wilson inspira sua eloquência e frieza ao manipular o Magisterium ao seu favor. A igreja que detém todo o poder em questões políticas, sociais e religiosas sente-se ameaçada pela existência de outros mundos.

Logo, Sra. Coulter não poupa esforços para torturar uma bruxa em busca de informações de Lyra. Desta forma, ela descobre que sua filha tem outro nome que determina a profecia. Antes que Sra. Coulter conseguisse mais confissões, a bruxa Ruta Skadi aparece para dar fim ao sofrimento da companheira e como forma de aviso ataca os clérigos do Magisterium.

Sendo assim, Sra. Coulter aproveita o momento para se firmar perante os homens da instituição e se fazer indispensável. É impressionante ver a desenvoltura e crescimento dessa personagem ao longo da série, assustadora e fascinante Sra. Coulter rende uma ótima antagonista.

VEREDITO

Ao contrário da primeira temporada, o segundo ano de His Dark Materials aponta que veremos mais os daemons; tão importantes para o desenvolvimento da história.

O episódio com cara de continuação também é uma introdução a um novo mundo e novos temas que prometem render ao longo da temporada.

Nossa nota

3,5 / 5,0

Assista ao trailer de His Dark Materials:



Curte nosso trabalho? Que tal nos ajudar a mantê-lo?

Ser um site independente no Brasil não é fácil. Nossa equipe que trabalha – de forma colaborativa e com muito amor – para trazer conteúdos para você todos os dias, será imensamente grata pela sua colaboração. Conheça mais da nossa campanha no Apoia.se e nos ajude com sua contribuição.