Início SÉRIE Crítica CRÍTICA – La Casa de Papel (Parte 4, 2020, Netflix)

CRÍTICA – La Casa de Papel (Parte 4, 2020, Netflix)

113
0
CRÍTICA - La Casa de Papel (Parte 4, 2020, Netflix)

Com oito episódios, a parte 4 de La Casa de Papel enfim chegou nesta última sexta-feira, na Netflix. E se você está aqui para ler a crítica desta parte recém lançada vá em frente, mas se você ainda não é um fã da série, recomendo que leia a publicação abaixo – e assista a série, claro:

PUBLICAÇÃO RELACIONADA | CRÍTICA – La Casa de Papel (1ª temporada, 2017, Netflix)

O elenco de La Casa de Papel conta com Álvaro Morte (Professor), Úrsula Corberó (Tóquio), Itziar Ituño (Lisboa), Alba Flores (Nairóbi), Miguel Herrán (Rio), Jaime Lorente (Denver), Esther Acebo (Estocolmo) Darko Peric (Helsinque), Hovik Keuchkerian (Bogotá), Luka Peros (Marselha), Rodrigo de la Serna (Palermo), Pedro Alonso (Berlim), Paco Tous (Moscou) e Roberto García Ruiz (Oslo).

Caso você seja fã da série, mas ainda não assistiu a parte 4, tenho três avisos:

  1. Leia La Casa de Papel: Resumão da parte 3;
  2. Este texto não será focado na parte técnica da série, é basicamente um texto de despedida de um ex-fã (isso que dá escrever logo após maratonar);
  3. Esta crítica contém spoilers.

Na parte 3, a série havia deixado um pouco de lado as mirabolantes partes que compõem o assalto da Casa da Moeda da Espanha, para focar nas intrigas e em um novo elemento que ainda não tínhamos visto: uma “vilã” externa, na pele da – demoníaca – gestante Alicia Sierra (Najwa Nimri).

Os planos imprevisíveis de Sergio Marquina, a.k.a. Professor, continuam sendo um dos grandes atrativos da produção, mas o carisma de todos os personagens envolvidos no golpe e, principalmente, a interação entre o Professor e sua equipe de “STAFF” (os outros envolvidos no assalto mas que estão do lado de fora do Casa da Moeda) marcam o ponto positivo dessa mais recente parte.

Por outro lado, é a coragem da Netflix em lidar com os destinos de alguns personagens que é o pontos forte da nova temporada de La Casa de Papel.

Entre o “golpe de Estado” de Tóquio, o egocentrismo de Palermo, a exposição do coronel Pietro (Juan Frenández), da inspetora Alicia e da polícia, temos agora um vilão interno: Gandía (José Manuel Poga), o chefe de segurança da Casa da Moeda da Espanha que é praticamente um Rambo.

April 3rd, 2020 at 15:00 "Gandia" Twitter Buzz - Pelog

Sabemos que a série é de assalto e o produtor Álex Pina teve sucesso ao tornar assaltantes em personagens carismáticos e queridos pelo público. É quase como torcer para os vilões.

A personagem Nairóbi, vivida por Alba Flores, por exemplo, teve um crescimento exponencial e conquistou uma base de fãs enorme. Na temporada anterior (partes 1 e 2) ela era de longe a mais importante do grupo e seu final na parte 3 deixou todos os fãs com o coração nas mãos ao ser baleada gravemente pela polícia.

La Casa de Papel – Parte 4 não era mais sobre um golpe na Casa da Moeda da Espanha; para os fãs, seria se Nairóbi iria viver ou não.

Pina e a Netflix parecem ter seguido orientações de George R.R. Martin ou se inspirado em Game of Thrones! Selecione o texto abaixo para ler o spoiler:

Após ser alvejada pela polícia, Nairóbi é operada pelos companheiros de forma extremante arriscada – toda a sequência da cena é dramática -, mas a matriarca dessa família disfuncional sobrevive e segue em recuperação… até ser asfixiada por um Gandía recém liberto.

Depois de – mais uma vez – quase ser morta, a personagem é feita refém pelo chefe de segurança da Casa da Moeda, que encontra-se encurralado. Debilitada, a personagem é presa contra a porta do banheiro para servir de escudo humano contra seus companheiros e tem a mão esquerda baleda como forma de aviso.

Com as negociações e orientação do Professor, os assaltantes deixam Gandía sair com Nairóbi em troca de liberdade, mas antes da fuga, a assaltante, agora refém, é friamente executada com um tiro na testa.

A cena é triste e é como um soco no estômago dos fãs. Provavelmente partiu o coração de muitos e pra mim foi como a decaptação de Ned Stark em Game of Thrones ou a morte de Ragnar em Vikings.

Os dois últimos episódios são focados na Operação Paris, que gira em torno do resgate da ex-inspetora de polícia Raquel Murillo, agora conhecida como Lisboa e companheira do Professor.

A série continua a prender a atenção e a surpreender com as habilidades de planejamento dos assaltantes, mas depois dos últimos eventos arrisco em dizer que La Casa de Papel nunca mais será a mesma.

Nossa nota

Assista ao trailer:

Agora teremos que esperar a Netflix confirmar a parte 5 para saber se teremos nela a conclusão da segunda temporada (partes 3, 4 e 5 – até o momento).

E você, já maratonou? O que achou da parte 4 de La Casa de Papel? Deixe seus comentários e sua avaliação!

Nota do publico
Obrigado pelo seu voto



Curte nosso trabalho? Que tal nos ajudar a mantê-lo?

Ser um site independente no Brasil não é fácil. Nossa equipe que trabalha – de forma colaborativa e com muito amor – para trazer conteúdos para você todos os dias, será imensamente grata pela sua colaboração. Conheça mais da nossa campanha no Apoia.se e nos ajude com sua contribuição.

Comentários