Toda a Luz Que Não Podemos Ver: A arte da audiodescrição na série

    A adaptação em série limitada do romance Toda a Luz Que Não Podemos Ver, de Anthony Doerr, é uma conquista inovadora em termos de inclusão. Além de tomar a decisão inovadora de escalar atores cegos (Aria Mia Loberti e Nell Sutton) para o papel do personagem principal cego, os produtores do programa aproveitaram todas as oportunidades para tornar a produção o mais acessível possível para aqueles que trabalham nela. 

    Anúncios de elenco internacional e roteiros foram formatados para pessoas com diferentes níveis de visão e técnicas de leitura e, assim que a produção começou, melhorias (como sinalização em braile) foram feitas no set.

    Na pós-produção, a equipe também queria garantir que a série fosse acessível para um público cego ou com baixa visão/visão parcial, de modo que cada episódio fosse acompanhado por descrições de áudio vívidas. Antes de mergulhar na série, os fãs podem ouvir uma introdução de áudio separada acima, gravada pela estrela Loberti.

    Loberti narra o featurette, que tem como objetivo servir de complemento para o público cego e com baixa visão. Ao longo de 11 minutos, o ator descreve a aparência, os guarda-roupas e os estilos de movimento dos personagens, juntamente com os cenários, locais e outras informações visuais da série.

    Toda luz

    Strechay – que já foi consultor em Demolidor da Marvel, The OA e See da Apple TV+ – foi inestimável no que diz respeito aos elementos acessíveis da série durante a produção. Esta série marca a primeira vez que Strechay conseguiu trabalhar com atores principais cegos na vida real.

    Embora Strechay tenha trabalhado com muitos atores cegos ao longo dos anos, esta foi a primeira vez que trabalhou com atores cegos desempenhando papéis principais. Loberti e Sutton são cegos e interpretam as versões mais velha e mais nova de Marie-Laure.

    Strechay garantiu que os roteiros de Loberti e Sutton fossem fornecidos em seus formatos preferidos. Loberti memorizaria o roteiro principalmente ouvindo-o, enquanto Sutton memorizava suas falas através de uma combinação de audição e leitura em uma tela braile atualizável. A sinalização em braile também foi colocada em todos os sets em duas alturas diferentes – uma para a altura de Loberti e outra para a de Sutton. Os nomes do elenco e da equipe técnica também foram gravados em braile nas costas das cadeiras.

    Aria Mia e sua cadela Ingrid

    A cadela-guia de Loberti, Ingrid, a acompanhava em todos os lugares e estava no set quase todos os dias, exceto para a filmagem de algumas cenas carregadas de emoção. Todos no set foram informados de que quando Ingrid usava seu arnês, isso significava que ela estava trabalhando e não deveria ser incomodada. Quando ela não estava usando o arnês, abraços, animais de estimação e guloseimas extras eram permitidos.

    Como Toda a Luz que Não Podemos Ver se passa durante a Segunda Guerra Mundial, Strechay foi capaz de mergulhar na história única das pessoas cegas e com baixa visão daquela época e garantir que elas fossem devidamente representadas na tela. Ele ficou particularmente intrigado com a contribuição de Helen Keller para o design da cana.

    Strechay também discutiu com Loberti as diferenças em como ela lê braile e como Marie-Laure faria naquela época. “Hoje em dia, somos treinados em braile e em como usar uma bengala branca desde cedo, enquanto alguém na posição de Marie-Laure não teria as mesmas oportunidades”, disse Loberti à Netflix durante a produção. “A técnica braile dela tinha algumas falhas, então acrescentei alguns dos meus próprios maus hábitos nos close-ups. São aqueles pequenos pedaços que você simplesmente não consegue capturar se for uma pessoa com visão tentando se colocar nessa posição. A cegueira não é uma habilidade que você pode aprender. É uma cultura.”

    Toda Luz

    Um ingrediente chave para o sucesso de Strechay é que ele tem uma assistente com visão, Cara Lee Hrdlitschka – que também é coreógrafa e, portanto, bem versada na descrição de movimentos. Ela fornece descrições detalhadas de tudo o que está sendo filmado e preparado.

    Para o diretor Shawn Levy, ter Strechay, Loberti e Sutton envolvidos na produção foi “incalculavelmente valioso”. Strechay está imensamente orgulhoso de todo o elenco e equipe técnica pelo trabalho que fizeram para tornar Toda a luz que não podemos ver o mais acessível possível. Ele está esperançoso de que mais portas sejam abertas em Hollywood para atores de todas as origens e habilidades.

    “A maioria dos atores cegos ou com baixa visão nunca viu a atuação como um resultado ou oportunidade de emprego e, definitivamente, não foram incentivados a [buscar] isso”, diz ele. “Se você nunca permitir essa oportunidade às pessoas, não haverá esses resultados. Estamos avançando com Nell e Aria. Eles estão fazendo o trabalho que deveriam fazer.”

    Confira o trailer da série:

    Inscreva-se no YouTube do Feededigno

    Assista às nossas análises de filmes, séries, games e livros em nosso canal no YouTubeClique aqui e inscreva-se para acompanhar todas as semanas nossos conteúdos também por lá!

    Artigos relacionados

    CRÍTICA: A temporada final de ‘Sweet Tooth’ é tão especial quanto a jornada de seu protagonista

    A série Sweet Tooth chegou ao fim. Mudando ligeiramente final, acompanhamos os últimos capítulos da jornada do Bico Doce e do Grandão.

    CRÍTICA: ‘The 8 Show’ é impactante e reflexivo

    'The 8 Show' é uma série original Netflix. A série adapta os webtoons Money Game e Pie Game de Bae Jin Soo.

    CRÍTICA: ‘Sugar’ é suspense noir de mais alto nível

    Sugar é a mais nova série do Apple TV+. Estrelada por Colin Farrell e grande elenco, acompanhamos a jornada do investigador John Sugar.

    Doctor Who: Conheça algumas curiosidades sobre a série

    A nova temporada de Doctor Who chegou com o melhor da série: muito humor, grandes vilões, incríveis batalhas e muitas voltas no tempo.