Início FILMES Crítica CRÍTICA – Awake (2021, Mark Raso)

CRÍTICA – Awake (2021, Mark Raso)

Awake

Awake é um filme original da Netflix e traz Finn Jones e Gina Rodríguez em seu elenco. O longa estará disponível a partir do dia 09/06 no catálogo da gigante do streaming.

SINOPSE DE AWAKE

Um fenômeno acontece e toda a população da Terra não consegue mais dormir. Entretanto, a jovem Matilda (Ariana Greenblatt) é uma das poucas que ainda consegue descansar, causando grande comoção por parte da ciência. Será que a cura será criada?

ANÁLISEAwake

Awake é um longa que traz boas ideias, contudo, escorrega e muito em seu roteiro.

Explico: a questão da privação do sono como vetor principal para o apocalipse na Terra é interessante, mas os diálogos expositivos e artificiais em diversos momentos nos tiram bastante do filme.

O personagem de Finn Jones, por exemplo, tem apenas a função de explicar os efeitos negativos da problemática do longa, saindo de cena logo em seguida. 

A direção é confusa, pois traz elementos sensoriais que não encaixam na estrutura do longa, entregando cenas constrangedoras em alguns momentos. 

Todavia, temos pontos positivos, principalmente nas atuações. Gina Rodríguez e a talentosa e promissora Ariana Greenblatt (Amor e Monstros) entenderam seus papéis, visto que entregam boas atuações. Os demais do elenco são funcionais, entretanto, o único realmente ruim em atuação é Lucius Hoyos que apresenta um personagem unidimensional e chato

Por fim, a forma que é retratado o caos causado pela privação do sono também é tratado de forma bastante perspicaz, afinal, sabemos que ficar dias sem dormir pode nos levar à loucura, e Awake retrata isso muito bem.

VEREDITO

Awake é um misto de boas e más ideias, pois tem muitos acertos, mas tem muitos problemas em sua estrutura. Com uma direção e roteiristas mais competentes, o longa teria uma boa chance de ser marcante, contudo, será apenas mais um filme esquecível dentro do imenso catálogo da vermelhinha do streaming.

Nossa nota

2,5 / 5,0

Confira o trailer de Awake:

Curte nosso trabalho? Que tal nos ajudar a mantê-lo?

Ser um site independente no Brasil não é fácil. Nossa equipe que trabalha – de forma colaborativa e com muito amor – para trazer conteúdos para você todos os dias, será imensamente grata pela sua colaboração. Conheça mais da nossa campanha no Apoia.se e nos ajude com sua contribuição.

Artigo anteriorCRÍTICA – StartUp (1ª temporada, 2016, Crackle)
Próximo artigoCRÍTICA – Lendas da Marvel (EP 07 e 08, 2021, Disney+)
Relações-públicas, gremista, nerd, escorpiano e palestrinha. Parece futebolista, pois só vive descendo a lenha. DC é melhor que Marvel, todavia, amamos as duas.