Início FILMES Crítica CRÍTICA – Ilha dos Cachorros (2018, Wes Anderson)

CRÍTICA – Ilha dos Cachorros (2018, Wes Anderson)

142
0
Ilha dos Cachorros

Ilha dos Cachorros é o mais novo longa de Wes Anderson. A animação conta com vozes de Bryan Cranston (Breaking Bad), Edward Norton (Clube da Luta), Greta Gerwing (Lady Bird) e Scarlett Johansson (Vingadores). Passada em uma ilha do arquipélago japonês onde a população decide exilar todos os cachorros da região por medo de epidemia de doenças causadas pelos animais, o longa acompanha um grupo de cachorros, largados na ilha do lixo, que encontra um garoto buscando seu animalzinho perdido.

Ilha dos Cachorros é uma animação em stop motion, com um design muito impactante e as características visuais conhecidas do trabalho de Wes Anderson: Muita atenção ao detalhe, simetria e plasticidade brilhantes. No aspecto técnico e visual, o filme compõe uma experiência sensorial, com um uso inteligente dos sons cotidianos e um design de som que parece simular a audição canina. O roteiro tem momentos divertidos em que o excelente elenco consegue explorar suas capacidades cômicas em um trabalho de voz bem guiado. Técnicamente, uma obra completa como sempre entregue pelo diretor.

No aspecto narrativo o filme apresenta algumas falhas. A premissa inicial é complexa e apesar de interessante, o uso do idioma japonês para personagens humanos agrega pouco, já que quase todos os momentos em que está presente, a língua é traduzida dentro do filme de alguma forma. Onde essa decisão se torna acertada é na relação entre o menino e os cachorros, onde fica clara a limitação linguística que Anderson busca explorar, uma vez que a comunicação, verbal e não verbal é bem sucedida mesmo que as partes não se comuniquem pelo mesmo signo.

Outra questão problemática fica por conta da personagem de Greta Gerwing. A aluna de intercâmbio em muitos momentos demonstra um papel clichê conhecido, aquele do branco ocidental salvador. Porém, a maneira como o terceiro ato se desenrola lapida essa questão, adicionando dimensão a personagem Tracy Walker.

No aspecto visual e técnico, Ilha dos Cachorros é mais uma obra brilhante de Wes Anderson. Com muitos momentos divertidos e um terceiro ato com a dose certa de comédia e drama, a narrativa apesar de falha é muito competente, fazendo do longa uma parada obrigatória para os amantes do cinema e do trabalho do visionário diretor.

Avaliação: Bom

Confira abaixo o trailer legendado:

Ilha dos Cachorros chega aos cinemas nesta quinta!

Comentários